Auditor enfermeiro: visão da equipe de enfermagem

Guilherme Gontijo Pereira, Thainá Nascimento Roly, Clarice Mayremi Toshimitu Hoyashi, Lucrecia Helena Loureiro

Resumo


O enfermeiro que exerce a função assistencial, em seu cotidiano é responsável em observar, avaliar, determinar e executar as ações prestadas ao paciente. Nesse sentido, o auditor enfermeiro, possuindo uma visão holística sobre saúde/doença e os motivos que levam a hospitalização e o tratamento a que está sujeito cada paciente, analisa toda a assistência multidisciplinar prestada ao mesmo. Seu trabalho visa verificar e controlar os custos operacionais, concomitante ou não a realização de ações assistenciais, garantindo a qualidade, eficiência e eficácia nas instituições de saúde. Nesse contexto, o estudo tem como objeto a compreensão do trabalho do auditor enfermeiro pela equipe de enfermagem hospitalar. Os objetivos traçados para a pesquisa são descrever o papel do auditor enfermeiro nas instituições hospitalares no entendimento da equipe de enfermagem, apontar os registros de enfermagem considerados imprescindíveis no prontuário. Trata-se de um estudo de campo, descritivo, exploratório de caráter qualitativo. A pesquisa foi realizada após aprovação do Comitê de Ética- CoEPS.  Os sujeitos do estudo foram 30 enfermeiros e 20 técnicos de enfermagemdedois hospitais da região do médio Paraíba. O período do estudo entre fevereiro e outubro de 2018. O instrumento da coleta de dados foi um questionário de perguntas abertas e os resultados puderam evidenciar que a maioria dos enfermeiros e técnicos de enfermagem conhecem o papel do auditor enfermeiro, valorizaram os registros de cuidados de enfermagem e os materiais gastos com, o que reflete no faturamento hospitalar. As orientações procedentes do auditor enfermeiro são construtivas e bem aceitas pela equipe de enfermagem.


Palavras-chave


Auditoria de enfermagem. Prontuário. Registros de enfermagem

Texto completo:

PDF

Referências


ALTOÉ, F. M. F. Do fornecimento de prontuários médicos depositados nas instituições de saúde quando requisitados pelas autoridades públicas. Agosto,2017. Disponível em https://jus.com.br/artigos/60113/. Acesso em: 17 mar. 2018.

AMARAL, R. C.; ABREU, A. M.; FEIJÓ, E. J.; VALE, C. W. F.; ANDRADE, N. C. Importância do registro de enfermagem para o faturamento hospitalar: revisão da literatura. Revista Universo. v.1, n.1, p. 247-263, 2016.

BARRAL, L. N. M. et al. Análise dos registros de enfermagem em prontuários de pacientes em um Hospital de Ensino. Revista Mineira de Enfermagem. v. 16, n.2, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Auditoria do SUS – Orientações Básicas. Brasília (DF), 2011. p. 17. Disponível em: http://sna.saude.gov.br/download/LivroAuditoriaSUS_14x21cm.pdf. Acesso: 13 Jun. 2017.

COFEN. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN – 266/2001. Anexo. Rio de Janeiro, 05 de outubro de 2001. Disponível: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-2662001_4303.html. Acesso: 17. mar.2018.

______. Conselho Federal de Enfermagem. Guia de recomendações para registros de enfermagem no prontuário do paciente e outros documentos de enfermagem, 2016. Disponível: http://www.cofen.gov.br/wp-content/uploads.Acesso: 01. Set. 2018.

______. Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM nº 1.638/2002. Define prontuário médico, 2002, Seção I, p. 184-5. Disponível: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/cfm/2002/1638_2002.htm. Acesso: 17. mar. 2018.

FIGUEIREDO, N. M. Método e Metodologia na Pesquisa Científica. 3ª ed. São Caetano do Sul, SP: Yendis Editora, 2009.

FIGUEIREDO, N. M. A.; MACHADO, W. C. A. (org.). Tratado de Cuidados de Enfermagem Médico-Cirúrgico. Volume I. São Paulo: Roca, 2012.

GONÇALVES, E. P. Iniciação Científica. 2001. Disponível: http://books.scielo.org/id/vwc8g/pdf/piana-9788579830389-06.pdf. Acesso: 30. abr. 2018.

MARIA, J. F. A família como espaço privilegiado para a construção da cidadania. Franca, São Paulo, Brasil. 2002. Dissertação- UNESP, FHDSS, São Paulo, 2002.

LUONGO, J. Gestão de Qualidade em Saúde. 1ª edição – São Paulo; Editora Rideel, 2011.

PELLEGRINI, G. Glosas convênio x prestador. Anais do Congresso Latino Americano de Serviços de Saúde e 3ª Jornada de Gestão e Clínicas Médicas. São Paulo; 2004.

PINTO, K. A.; MELO, C. M. M. A prática da enfermeira em auditoria em saúde. Rev. esc. enferm. USP [online]. São Paulo, v. 44, n. 3, p. 671-678, 2010.

POTTER, P. A.; PERRY, A. G. Fundamentos de Enfermagem. 6 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

RODRIGUES, V. A; PERROCA, M. G.; JERICÓ, M. C. Glosas hospitalares: importância das anotações de enfermagem. Arq Ciênc Saúde 2004; v.11, n.4; out-dez. 2004.

SILVA, J. S. Auditoria em saúde: um novo paradigma na qualidade da assistência de enfermagem. Tradução em Português. Rev Enferm UFPI. 2015 Apr-Jun;4(2):130-4.

SILVA, K. R.; LIMA, M. D. O.; SOUSA, M. A. Auditoria: ferramenta de enfermagem para melhoria da qualidade assistencial. Revista Eletrônica Gestão & Saúde .v.07, n. 02,.p 793, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Cadernos UniFOA

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Cadernos UniFOA

Campus Três Poços - Av. Paulo Erlei A. Abrantes, 1325 - Três Poços
Prédio 3 - Sala 2 (Casarão)
Volta Redonda - RJ - CEP: 27240-560
Tel.: (24) 3340-8400 – Ramal: 8350

Indexado em:





  • Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.