Práticas de Educação em Saúde com relação ao uso de plantas medicinais entre pessoas com Diabetes tipo II

Jéssica Mazutti Penso de Campos, Andreia Aparecida Guimarães Strohschoen

Resumo


Objetiva-se neste estudo analisar as práticas de educação em saúde com relação ao uso de plantas medicinais entre pessoas com Diabetes tipo II, nas Unidades Básica de Saúde do Município de Lajeado/RS. Trata-se de uma pesquisa exploratório-descritiva com abordagem qualitativa, realizada os coordenadores das unidades básicas de saúde. Realizou-se a coleta de dados mediante entrevista individual, utilizando um questionário semiestruturado e procedeu-se com a análise de conteúdo. Os dados obtidos indicam que houveram poucas orientações sobre o uso de plantas medicinais e falta de conhecimento, por parte dos profissionais de saúde, sobre o assunto, o que pode acarretar uma orientação incorreta e possíveis efeitos adversos ao sujeito. Salienta-se a importância da educação em saúde, no que tange à utilização de plantas medicinais, enquanto um desafio em Lajeado - RS. Sugere-se o desenvolvimento de ações de qualificação profissional, tendo em vista a temática das plantas medicinais, como uma prática constante.

Palavras-chave


Plantas Medicinais. Diabetes Mellitus Tipo 2. Atenção Primária à Saúde. Educação em Saúde. Educação Continuada.

Texto completo:

PDF

Referências


BACKES, D.S.; BACKES, M.S.; ERDMANN, A.L.; BÜSCHER, A. O papel profissional do enfermeiro no Sistema Único de Saúde: da saúde comunitária à estratégia de saúde da família. Ciênc. Saúde Coletiva. v.17, n.1, p.223-230. 2012.

BARCELOS, V.; SCHLICHTING, H.A. O amor como fundamento da aprendizagem humana em Humberto Maturana: uma contribuição à educação ambiental. In: BAGGIO, A.; BARCELOS, V. (org.) Educação ambiental e complexidade: entre pensamentos e ações. Santa Cruz do sul: UNISC; pp. 99-120. 2008.

BARDIN L. Análise de Conteúdo. 5 ed. Lisboa: Edições 70, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária de Políticas da Saúde. Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus: Proposta de Educação Permanente em Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus para os Municípios com população acima de 100 mil habitantes [internet]. Brasília: MS; 2002. [acesso em 2015 Jul 23]. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/docs/publicacoes/geral/projeto_educacao_permanente-maio14.pdf.

BRASIL. Portaria nº 198, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Diário Oficial da União, 14 Fev. 2004a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Política de educação e desenvolvimento para o SUS: caminhos para a educação permanente em saúde - pólos de educação permanente em saúde [internet]. Brasília: MS; 2004b. [acesso em 2015 Jul 23]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica2_vpdf.pdf

BRASIL. Portaria nº 1.996, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da política nacional de educação permanente em saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União, 22 Ago 2007.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. 13 Jun.; Seção 1. 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Cadernos de Atenção Básica: Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica - diabetes mellitus [internet]. Brasília: MS; 2013 [acesso em 2015 Jul 23]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/estrategias_cuidado_doenca_cronica_diabetes_mellitus.pdf

CECCIM, R.B. Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface (Botucatu). v. 9, n.16, p.161-168. 2005.

COSTA, S.M.; ARAÚJO, F.F.; MARTINS, L.V.; NOBRE, L.L.R.; ARAÚJO, F.M.; RODRIGUES, C.A.Q. Agente Comunitário de Saúde: elemento nuclear das ações em saúde. Ciênc. saúde coletiva. v.18, n.7, p.2147-2156. 2013.

COTTA, R.M.M.; SCHOTT, M.; AZEREDO, C.M.; FRANCESCHINI, S.C.C.; PRIORE, S.E.; DIAS, G. Organização do trabalho e perfil dos profissionais do Programa Saúde da Família: um desafio na reestruturação da atenção básica em saúde. Epidemiol. Serv. Saúde. v.15, n.3, p.7-18. 2006.

FARIA, R.M.B. Institucionalização da política de educação permanente para o Sistema Único de Saúde: Brasil, 1997-2006 [tese]. São Paulo (SP): Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; 2008.

FREIRE P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25a ed. São Paulo: Paz e Terra; 2002.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Infográficos: dados gerais do município [internet]. [acesso em 2014 Jul 01]. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun= 431140.

IDF. International Diabetes Federation. IDF Diabetes Atlas Update, 2014a [internet]. Bélgica: IDF; 2014 [acesso em 2015 Ago 05]. Disponível em: http://www.idf.org/diabetesatlas/download-book

IDF. International Diabetes Federation. Prevention [internet]. Bélgica: IDF; 2014b [acesso em 2015 Abr 16]. Disponível em: http://www.idf.org/prevention

NICOLETTI, M.A.; OLIVEIRA-JÚNIOR, M.A.; BERTASSO, C.C.; CAPOROSSI, P.Y.; TAVARES, A.P.L. Principais interações no uso de medicamentos fitoterápicos. Infarma. v.19, n.1, p.32-50. 2007.

PEDUZZI, M.; GUERRA, D.A.D.; BRAGA, C.P.; LUCENA, F.S.; SILVA, J.A.M. Atividades educativas de trabalhadores na atenção primária: concepções de educação permanente e de educação continuada em saúde presentes no cotidiano de Unidades Básicas de Saúde em São Paulo. Interface (Botucatu). v.13, n.30, p.121-134. 2009.

REMPEL, C.; STROHSCHOEN, A.A.G.; HOERLLE, J.L.; SARTORI, M.A.B.; BUSCH, G.C.; PÉRICO, E.; POZZOBON, A.; CARRENO, I.; BOSCO, S.M.D.; AGOSTINI, C.; BENINI, E.B. Perfil dos usuários de Unidades Básicas de Saúde do Vale do Taquari: fatores de risco de diabetes e utilização de fitoterápicos. ConScientiae Saúde. v.9, n.1, p.17-24. 2010.

RIAZ, S. Diabetes Mellitus. Sci. Res. Essays. v.4, n.5, p.367-373. 2009.

SANTOS, M.A.; PERES, D.S.; ZANETTI, M.L.; OTERO, L.M. Grupo Operativo como estratégia para atenção integral ao diabético. Rev Enferm UERJ. v.15, n.2, p.242-247. 2007.

SILVA, M.I.G. Utilização de fitoterápicos nas unidades básicas de atenção à saúde da família, no município de Maracanaú - Ceará [dissertação]. Fortaleza (CE): Universidade Federal do Ceará; 2003.

TEMELKOVA-KURKTSCHIEV T.; STEFANOV, T. Lifestyle and genetics in obesity and type 2 diabetes. Exp. Clin. Endocrinol. Diabetes. v.120, n.1, p.1-6. 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Cadernos UniFOA

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Cadernos UniFOA

Campus Três Poços - Av. Paulo Erlei A. Abrantes, 1325 - Três Poços
Prédio 3 - Sala 2 (Casarão)
Volta Redonda - RJ - CEP: 27240-560
Tel.: (24) 3340-8400 – Ramal: 8350

Indexado em:





  • Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.