ANÁLISE DE ERROS NAS PRESCRIÇÕES MÉDICAS EM UMA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO DO MUNICIPIO DE JUIZ DE FORA – MG

Soraia Naback Chafia Moura, Lucia Maria Vaz de Melo Filha, Aline Correa Ribeiro

Resumo


Objetivo: Analisar os erros nas prescrições médicas de uma Unidade de Pronto Atendimento em Juiz de Fora -MG. Método: Foram analisadas 1798 prescrições, no período de junho a agosto de 2016, e os dados foram divididos em quatro tópicos: identificação do paciente, identificação do prescritor, legibilidade das prescrições e análise das medicações. A pesquisa quantitativa enfatizou os indicadores numéricos e percentuais sobre o fato pesquisado. Resultados: Foram evidenciados: ausência ou nome incompleto do paciente (42,27%); ausência da idade (74,64%); do leito (49,72%); do setor (46,89%); da idade (74,64); do carimbo médico ou ilegível (9,57%); sem assinatura do médico (11,62); cópias ilegíveis (17,07%); má caligrafia (14,63%); ausência da data (43,44%); prescrições sem dosagem (11,01%); sem posologia (22,64%); identificação do medicamento pelo nome comercial (64,29%); presença de siglas ou abreviaturas (79,59%). Conclusão: Ficou evidente o número excessivo de erros podendo causar danos ao paciente, colocando em risco a eficácia do tratamento. Neste contexto, o profissional farmacêutico é fundamental para diminuir os riscos associados ao manejo dos medicamentos.

                                                                                                        

Descritores: Prescrições de Medicamentos. Prescrição Inadequada. Atenção farmacêutica. Unidade de saúde


Palavras-chave


Prescrições de Medicamentos. Prescrição Inadequada. Atenção farmacêutica. Unidade de saúde

Texto completo:

PDF

Referências


OLIVEIRA, R. B. D.; MELO, E. C. P. O sistema de medicação em um hospital especializado no município do Rio de Janeiro. Esc Anna Nery, v. 15, n. 3, p. 480-9, 2011.

DE SOUZA, S. F.; MAINARDES, N. M.; XAVIER, M. P. Análise do perfil das prescrições médicas e da dispensação farmacêutica em uma farmácia escola do município de Gurupi-TO. Amazônia: Science & Health 2014; 2(1): 18-26.

SILVA, L. D.; MATOS, G. C.; BARRETO, B. G.; ALBUQUERQUE, D. C. Aprazamento de medicamentos por enfermeiros em prescrições de hospital sentinela. Texto Contexto Enferm. 2013; 22(3): 722-30.

DA SILVA PRAXEDES, M. F.; TELLES FILHO, P.; CELSO, P. Identificação de erros no preparo e administração de medicamentos pela equipe de enfermagem e das ações praticadas pela instituição hospitalar. Cogitare Enfermagem, v. 13, n. 4, 2008

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Lei nº 5.991, de 17 de dezembro de 1973. Dispõe sobre o controle sanitário do comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 21 de dezembro de 1973. [Citado 2016 ago 16]. Disponível em: http://www.cff.org.br/userfiles/file/educacao_farmaceutica/Comissao_Ensino/Outras%20Legislacoes/Lein5991_1973.pdf

ANACLETO, T. A.; ROSA, M. B.; NEIVA, H. M. et al. Farmácia Hospitalar. Erros de Medicação (Encarte). Pharm Bras. Janeiro/Fevereiro 2010. Disponível em: . Acesso em: 07 set 2016.

BARREIRA, P. F. et al. Prescrições medicamentosas: luz ou sombra para o usuário e farmacêutico. Rev Bras Farm, v. 92, n. 4, p. 340-5, 2011.

COUSINS, D. D.; HEATH, W. M. The National Coordinating Council for Medication Error Reporting and Prevention: promoting patient safety and quality through innovation and leadership. Joint Commission Journal on Quality and Patient Safety, v. 34, n. 12, p. 700-702, 2008. Disponível em: http://www.jointcommissionjournal.com/article/S1553-7250(08)34091-4/abstract. Acesso em: 06 set 2016.

NATIONAL COORDINATING COUNCIL FOR MEDICATION ERROR REPORTING AND PREVENTION. About Medication Error – Definition. NCCMERP; s.d. [Citado 2016 set 06]. Disponível em: http://www.nccmerp.org/reducing-medication-errors-associated-risk-behaviors-healthcare-professionals.

LAMEU, C. A.; CORAZZA, E. Estratégias para minimizar o erro na administração de medicamentos. Rev Enferm UNISA [Internet], v. 11, n. 2, p. 100-3, 2010.

ZANELLA, C. G.; AGUIAR, P. M.; STORPIRTIS, S. Atuação do farmacêutico na dispensação de medicamentos em Centros de Atenção Psicossocial Adulto no município de São Paulo, SP, Brasil. Rev Ciên Saúde Col 2015; 20(2): 325-3

RÊGO, M. M.; COMARELLA, L. O Papel da Análise Farmacêutica da Prescrição Médica Hospitalar. Caderno Saúde e Desenvolvimento, 2015;7(4):17-31.

ANDRADE, C. C. Farmacêutico em Oncologia: as Interfaces Administrativas e Clínicas. Revista Farmácia Hospitalar - Pharmacia Brasileira, 2009. Disponível em: . Acesso em: 11 set 2016.

CIPRIANO, S. L.; MOREIRA, R. P. P.; CUNHA, G. W. B.; SFORSIN, A. C. P.; PINTO, V. B. Farmácia Hospitalar, Comissão de Farmácia e Terapêutica - Número 15 – 2011; [Citado 2016 set 13]. Disponível em: http://www.cff.org.br/sistemas/geral/revista/pdf/134/encarte_farmAcia_hospitalar_pb81.pdf

BERNARDI, E. A. T.; RODRIGUES, R.; TOMPOROSKI, G. G.; ANDREZEJEVSKI, V. M. S. Implantação da Avaliação Farmacêutica da Prescrição Médica e as Ações de Farmácia Clínica em um Hospital Oncológico do Sul do Brasil. Revista Espaço para a Saúde, 2014;15(2):29-36.

JACOBSEN, T. F.; MUSSI, M. M.; SILVEIRA, M. P. Análise de erros de prescrição em um hospital da região sul do Brasil. Rev. Bras. Farm. Hosp. Serv. Saúde. 2015; 6(3): 23-6.

OLIVEIRA, C. S.; SANTOS, A. S.; LEITE, I. C. G. Avaliação da qualidade das prescrições médicas da farmácia municipal de Catalão-Goiás. Rev Méd Minas Gerais. 2015; 25(4):556- 61.

ARAUJO, A. E. P.; MASCARENHAS, M. B. J.; NÉRI, E. D. R. et al. Análise de prescrições em maternidade pública brasileira. Revista Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde, 2014, 5(2): 63-68

AGUIAR, G.; DA SILVA JÚNIOR, L. A.; FERREIRA, M. A. M. Ilegibilidade e ausência de informação nas prescrições médicas: fatores de risco relacionados a erros de medicação. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 19, n. 2, p. 84-91, 2012.

LOPES, L. N.; GARCIA, K. P.; DIAS, L. G. et al. Qualidade das prescrições médicas em um Centro de Saúde Escola da Amazônia Brasileira. Revista SBCM, 2014, 12(2):1-5.

SANTANA, J. C. B. et al. Fatores que influenciam e minimizam os erros na administração de medicamentos pela equipe de enfermagem. Enfermagem Revista, v. 15, n. 1, p. 122-137, 2012.

GUZATTO, P.; BUENO, D. Análise de prescrições medicamentosas dispensadas na farmácia de uma Unidade Básica de Saúde de Porto Alegre-RS. Revista HCPA. Porto Alegre, RS. Vol. 27, n. 3 (2007), p. 20-26, 2007

LUIZA, V. L.; GONÇALVES, C. B. C. A Prescrição medicamentosa. In: Fuchs FD, Wannmacher L, Ferreira MBC. Farmacologia clínica: fundamentos da terapêutica racional. 3ªed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. p. 86-95, 2004.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Lei nº 9.787/99, de 10 de fevereiro de 1999. Dispõe sobre a vigilância sanitária, estabelece o medicamento genérico, dispõe sobre a utilização de nomes genéricos em produtos farmacêuticos e dá outras providências. Disponível em: https://www.anvisa.gov.br/hotsite/genericos/legis/leis/9787.htm

OLIVEIRA, L. P. B. A.; SANTOS, S. M. A. Uma revisão integrativa sobre o uso de medicamentos por idosos na atenção primária à saúde. Revista Escola Enferm USP.2016; 50(1): p. 163-74


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista da Escola de Ciências Médicas de Volta Redonda

EDITORA FOA

Centro Universitário de Volta Redonda, UniFOA
Campus Três Poços - Av. Paulo Erlei Alves Abrantes, 1325, Três Poços, Volta Redonda, RJ, CEP: 27240-000

Tel.: (24) 3340-8400 – Ramal: 8350