https://revistas.unifoa.edu.br/praxis/issue/feed Revista Práxis 2021-10-14T09:27:31-03:00 Ronaldo Figueiró ronaldo.pereira@foa.org.br Open Journal Systems Revista Práxis https://revistas.unifoa.edu.br/praxis/article/view/803 INTERVENÇÕES EDUCATIVAS DE ACOLHIMENTO À NOVOS COLABORADORES: O PAPEL DO ENFERMEIRO E INSTRUTORES INTERNOS 2021-03-19T17:04:24-03:00 Sebastião Ezequiel Vieira ezequielvvieira@hotmail.com <p class="Estilo1"><span>Nas últimas décadas, grandes mudanças têm ocorrido no cenário da educação hospitalar. Este fato pode ser observado pelo uso de métodos inovadores e cada vez mais presentes no treinamento e desenvolvimento de profissionais desta área. A preocupação principal das instituições tem se voltado para o aprimoramento profissional, tendo em vista a necessidade crescente de melhorias no atendimento aos pacientes, sendo necessário o desenvolvimento de ações que apresentam como objetivo principal capacitar e desenvolver os profissionais da saúde, para realizarem a assistência de Enfermagem com qualidade e segurança. </span><span>Neste contexto, o processo de qualificação e aprimoramento profissional é ressaltado, neste trabalho, como um dos pontos altos para o bom desempenho dos profissionais na área de saúde. Como objetivo principal a presente pesquisa procura</span><span> descrever a atuação dos enfermeiros do setor de Treinamento e Desenvolvimento na capacitação dos instrutores internos na estratégia de treinamento e acolhimento dos novos profissionais de Enfermagem admitidos na Fundação Cristiano Varella</span><span>. O estudo tem caráter quantitativo e utilizou-se de um questionário semiestruturado que foi aplicado a 48 profissionais técnicos de Enfermagem que atuam na referida instituição. Os resultados demonstraram que a estratégia de capacitação e acolhimento dos profissionais admitidos por meio dos instrutores internos foi uma ação bem elaborada e que apresentou excelentes resultados para equipe de Enfermagem.</span></p> 2021-01-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Práxis https://revistas.unifoa.edu.br/praxis/article/view/701 Technological Products generators of purposes for the Physics teaching 2021-03-19T17:04:24-03:00 José Cláudio Santiago santiago.joseclaudio@gmail.com <p>Nas últimas décadas, a preocupação em empregar produtos tecnológicos para o desenvolvimento e aplicação de metodologias de ensino já é uma realidade bem estabelecida nas pesquisas de Educação em Ciências e, em algumas situações, nas escolas. Neste trabalho, apresentamos algumas reflexões sobre o uso de produtos tecnológicos enquanto geradores de propostas para o ensino de Física. Trata-se de uma pesquisa de natureza empírica, qualitativa e bibliográfica em que analisamos alguns trabalhos publicados entre os anos 2012 e 2015. Foi possível constatar que, atualmente, há uma categoria diferenciada de produtos tecnológicos, não necessariamente sofisticados, que têm sido objeto de atenção dos autores-docentes com vistas a despertar a motivação e o interesse do aluno pela Física. Os processos motivacionais associados a esses produtos têm sido propostos como elementos que catalisam suas ações pedagógicas, predominantemente, por meio da experimentação, sendo que há uma tendência em associá-la à simulação computacional.</p><p> </p> 2021-01-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Práxis https://revistas.unifoa.edu.br/praxis/article/view/809 A EDUCAÇÃO FÍSICA NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS (APAE) DO MUNICÍPIO DE VOLTA REDONDA/RJ: POSSÍVEIS BENEFÍCIOS PARA ALUNOS COM SÍNDROME DE DOWN 2021-03-19T17:04:24-03:00 Cláudio Delunardo Severino claudiodelunardo@gmail.com JÉSSICA VILELA DA SILVA claudiodelunardo@gmail.com <p>O objetivo do presente estudo foi identificar os possíveis benefícios motores, sociais, fisiológicos, das atividades de Educação Física para os alunos com síndrome de Down. Para a realização do estudo, utilizou-se uma pesquisa qualitativa com vinte alunos diagnosticados com Síndrome de Down, recrutados na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Volta Redonda (APAE). O estudo consistiu em acompanhamento das aulas de Educação Física em sua manifestação natural e a aplicação de testes para a verificação do Índice de Massa Corporal e Flexibilidade dos sujeitos. Os resultados indicaram a necessidade de uma melhor reflexão sobre a prática pedagógica onde engloba o processo de construção de conhecimentos em relação à Educação Física para as pessoas com Síndrome de Down. A pensar em aulas de Educação Física escolar para estes indivíduos (portadores de síndrome de Down), depara-se com a importância da prática realizada, a relevância do planejamento das aulas, o conhecimento sobre aqueles com quem se trabalha e a busca por metodologias que oportunizem o desenvolvimento dos alunos.</p> 2021-01-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Práxis https://revistas.unifoa.edu.br/praxis/article/view/1277 ENSINO DE CIÊNCIAS, ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA E ENFOQUE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE: O QUE PENSAM DOCENTES DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL EM EXERCÍCIO? 2021-03-19T17:04:24-03:00 Fabiane Fabri ffabriprof@gmail.com <p>O objetivo desse artigo é apresentar<strong> um levantamento sobre as concepções dos professores que atuam no 4º e 5º ano de ensino da rede municipal de ensino da cidade de Ponta Grossa- Paraná em relação ao ensino de ciências, enfoque CTS </strong>(Ciência, Tecnologia e Sociedade) e sobre Alfabetização Científica e Tecnológica (ACT)<strong>. </strong>A abordagem metodológica foi à quantitativa, cujo instrumento de coleta de dados foi <strong>um questionário composto por perguntas abertas e fechadas. Os principais resultados demonstraram que a grande maioria dos professores 60%, possui formação em Pedagogia, o tempo de magistério, a maioria 38% tem entre 11 e 20 anos. No que diz respeito a sua jornada de trabalho 63% tem 40 horas semanais na rede. Em relação a formação inicial 49% colocou como insuficiente. Foi possível perceber que os professores que atuam na Rede Municipal de Ensino, um</strong> número preocupante 80%, nunca fizeram cursos de formações continuadas na área de ciências, seja por falta de oportunidade e/ou desconhecimento. Também afirmaram que a prioridade é dada para o ensino na área de português e matemática e que o ensino de ciências e de outras áreas ficam em segundo plano. No que tange ao conhecimento do enfoque CTS 40% nunca ouviu falar nesse termo e nem utiliza em suas aulas, a maioria 55% afirmou ter ouvido falar, ou por leitura, participação em oficinas e palestras. Todavia, destes poucos foram os que mostraram ter uma visão mais adequada do que seria o enfoque CTS. Também em relação à Alfabetização Científica e Tecnológica (ACT) a grande maioria 70% desconhece o que vem a ser, possuindo uma visão equivocada em relação à ACT, associando-a com o uso de um recurso tecnológico (vídeo, computador entre outros), ao fato de alfabetizar seus alunos na leitura e escrita oferecendo jogos por meio de recursos tecnológicos. Salienta-se que esses são dados que serviram de subsídios para o desenvolvimento de uma FC na área de ciências com enfoque CTS na forma de projeto de extensão do PPGECT/UTFPR-PG em parceria com a Secretaria Municipal de Educação da cidade de Ponta Grossa – Pr, a qual é foco da pesquisa para a tese de doutorado do PPGECT (Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia) da Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Campus Ponta Grossa na forma de pesquisa-ação, a qual se encontra em andamento.</p> 2021-01-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Revista Práxis https://revistas.unifoa.edu.br/praxis/article/view/1523 Estudo de caso e sala cooperativa Jigsaw na promoção da aprendizagem de periculosidade de substâncias químicas 2021-03-19T17:04:24-03:00 Manoela Barros Guimarães manoela_bg@hotmail.com Denise Leal de Castro denise.castro@ifrj.edu.br <p>A pesquisa aborda a aplicação da metodologia de Estudo de Caso, em uma turma do curso técnico em segurança do trabalho, na disciplina Química. O caso incentiva a tomada de decisão dos alunos ao confeccionarem uma cartilha lúdica sobre a periculosidade das substâncias químicas, a fim de conscientizar trabalhadores de uma refinaria de petróleo sobre os riscos químicos. Para o estudo de produtos perigosos, foi adotada a sala de aprendizagem cooperativa <em>Jigsaw</em> durante quatro encontros e os alunos construíram mapas conceituais sobre às classes. A associação das metodologias ativas de ensino proporcionou um ambiente interativo e motivador para os alunos.</p> 2021-01-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Práxis https://revistas.unifoa.edu.br/praxis/article/view/3074 Academic Exchange and Outreach Projects: Reflexions from an Experience on Refugees, Homeless and Occupations in Brazil and France. 2021-03-19T17:04:24-03:00 HELOISA TEIXEIRA FIRMO hfirmo@poli.ufrj.br Environmental engineering students conduct academic exchanges as part of their education. Refugees and homeless in many countries have in common the search for decent housing and basic survival conditions. Today's serious socio-environmental problems must be addressed by professionals who are able to propose effective and lasting solutions. Thus, and seeking to contribute to a full citizen formation of the individual and engineer of today's society, this article describes the experience of a French exchange student from EIVP (Ecole des Ingénieurs de Ville de Paris) in Environmental Engineering at UFRJ (Federal University of Rio de Janeiro) in the MUDA Outreach project, where the student had the opportunity to visit occupations supported by social movements in previously unoccupied places in the metropolitan region of Rio de Janeiro. From reflections on the concept of refugee in Brazil and France, were analyzed and compared initiatives of settlements and homeless in both countries. It is concluded that, although distinct, the displacement crises of individuals and families in both countries have several points in common, highlighting that successful solutions can occur when the main objective is to propose comprehensive social inclusion projects that begin with the consolidation of a new generation of global citizens, which is the main contribution of this work. 2021-01-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Práxis https://revistas.unifoa.edu.br/praxis/article/view/3086 O FORTALECIMENTO DA AUTOESTIMA DE ADOLESCENTES EM ESCOLA PÚBLICA 2021-03-19T17:04:24-03:00 Simone Domingues Garcia sidomingues@yahoo.com.br Alessandra Crystian Engles dos Reis alessandra.reis@unioeste.br Ana Carolina Moritz ana.carolina.moritz@hotmail.com Jaqueline Tokarski jaque.tokarski@hotmail.com Vanessa Cappellesso Horewicz vanessacappellesso@hotmail.com <p><span>Este estudo tem por objetivo retratar atividade educativa supervisionada, de um grupo de acadêmicas de Enfermagem, de uma universidade pública, ao trabalhar o tema autoestima com escolares adolescentes.</span><span> Trata-se de um relato de experiência, durante a prática supervisionada da disciplina de Prática de Ensino I com acadêmicas de Enfermagem. Foi planejada uma atividade com o tema autoestima direcionada a alunos dos sextos, sétimos e oitavos anos. Essa atividade foi dividida em quatro momentos. No início, os escolares responderam a Escala de Autoestima de Rosenberg – EAR, posteriormente as acadêmicas abordaram conceitos referentes a autoestima, autoconhecimento, planos futuros, além de incentivar os adolescentes quanto ao desempenho escolar. Após o conteúdo teórico os alunos participaram de uma dinâmica em que escreveram características positivas dos colegas da turma e fixaram nas costas uns dos outros. Para finalizar compartilharam em grupo seus projetos futuros. A estratégia utilizada favoreceu a percepção das graduandas sobre a necessidade de ser trabalhado no ambiente escolar atividades que favoreçam ao suporte emocional do adolescente e consequentemente a autoestima dos alunos, que pelas impressões das acadêmicas sentiram-se motivados após a realização das atividades, quando tiveram a oportunidade de falar sobre si. Para as graduandas foi uma oportunidade de desenvolverem a prática docente de forma sistematizada abordando uma problemática complexa e pertinente para ser aplicada no ambiente escolar, local com significativa concentração de adolescentes que possuem convivência diária. </span></p> 2021-01-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Práxis https://revistas.unifoa.edu.br/praxis/article/view/3373 Rendimento acadêmico no Ensino Superior: variáveis pessoais e socioculturais do estudante 2021-03-19T17:04:25-03:00 BRUNA CASIRAGHI bruna@casiraghi.com.br Leandro da Silva Almeida leandro@ie.uminho.pt Evely Boruchovitch evely@unicamp.br JULIO CESAR SOARES ARAGAO jaragaum@gmail.com O rendimento acadêmico (RA) se configura como a forma de mensurar o aprendizado ao longo da formação e é determinado por fatores relacionados ao discente, às instituições de ensino e aos docentes, sendo comumente utilizado como critério de avaliação do sucesso acadêmico. A presente investigação objetiva avaliar os fatores relacionados ao RA de estudantes do Ensino Superior e se configura como estudo censitário, realizado em uma Instituição privada de Ensino Superior brasileira. Diversas informações foram coletadas, por meio de formulário eletrônico, junto dos estudantes: opção de curso e instituição, cursos, idade, sexo, período cursado, grau de instrução de pai e mãe, renda familiar mensal e autopercepção do RA. Dados relativos ao RA foram obtidos no banco de dados institucional, considerando o Coeficiente de Rendimento, estimado pela média de todas as notas finais obtidas pelo aluno em todas disciplinas cursadas. Participaram 264 estudantes de 19 cursos, com média de idades de 22,25 (DP=5,57) anos, sendo 166 (62.9%) do sexo feminino. A variação de RA foi significativa em relação às áreas de conhecimento, sexo, faixa etária e autopercepção do rendimento. Não foi significativa quanto ao grau de instrução de pai e mãe, quando segmentados em todos os níveis, entretanto, a escolaridade da mãe torna-se relevante quando estratificada a partir dos oito primeiros anos de escolaridade. Os resultados permitem inferir que os alunos possuem uma correta percepção de seu RA e que a construção deste rendimento é multifatorial. Considerações e implicações para a prática são tecidas com base nos resultados. 2021-01-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Práxis https://revistas.unifoa.edu.br/praxis/article/view/3560 BAÍA DE SEPETIBA: UMA AVENTURA PERIGOSA 2021-03-19T17:04:25-03:00 Gisele BRAGA Torqueti torquetigaldino@gmail.com Vânia Lúcia Muniz de Pádua vania.padua@uezo.edu.br <p>A Baía de Sepetiba localizada no litoral Sul do Rio de Janeiro, na região sudeste do Brasil, é um local considerado excelente para grandes investimentos, que passou ao longo das últimas décadas, de Sertão Carioca à área industrial, resultando em conflitos socioambientais. Este trabalho apresenta uma análise da situação de degeneração social e ambiental na Baía de Sepetiba, incluindo o estudo do nível de conhecimento de estudantes de Ensino Médio da região, sobre os danos causados ao seu cotidiano e ao próprio meio ambiente, devido às atividades antrópicas para o desenvolvimento econômico. Além disso, foi estudada a taxa de mortalidade por câncer em locais entorno da Baía de Sepetiba. Os resultados revelam que os estudantes da Baía de Sepetiba amostrados têm pouco entendimento sobre as alterações provocadas pelos empreendimentos locais, e que estes têm sério impacto sobre a qualidade de vida e saúde da população, neste último caso, observado no aumento da taxa de mortalidade por câncer nos locais ambientalmente mais impactados. Estes dados em conjunto poderão servir como instrumento de conscientização para proteção e preservação do meio ambiente, bem como promoção da melhoria da qualidade de vida, com sustentabilidade.</p> 2021-01-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Práxis https://revistas.unifoa.edu.br/praxis/article/view/1773 Análise da oficina estratégias para o ensino de biologia celular: Fortalecendo a troca de experiências entre graduação e pós-graduação 2021-03-19T17:04:25-03:00 Andreza Maciel Rocha andrezamaciel2@hotmail.com Maria Izabel Gallão izabelgallao@ufc.br <p>Novas estratégias de ensino, utilizadas com o auxílio das modalidades didáticas, são muito importantes para a obtenção de melhor assimilação, compreensão, desenvolvimento do conteúdo por parte dos estudantes, instigando a buscar novas formas de aplicação do conteúdo aplicado em sala. Objetivo desse trabalho é analisar os resultados dos diálogos proporcionados pela realização de uma oficina sobre diferentes estratégias para uso no ensino de biologia celular, ministrada por alunos de pós-graduação para estudantes de graduação em Licenciatura em Ciências Biológicas. Foram aplicados questionários no último dia das oficinas. Com base nos resultados, pode-se perceber que as diferentes estratégias para o ensino de biologia celular e a experiência proporcionada pela oficina foi positiva. Os estudantes participantes concordaram que o processo de ensino de assuntos relacionados ao estudo da célula pode vir a ser facilitado quando apresentado através de uma estratégia ou modalidade didática corretamente aplicada.</p> 2021-01-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Práxis