Tratamento de diálise em pacientes com Insuficiência Renal Crônica

Gabriela Rocha Garcia Machado, Fernanda Romanholi Pinhati

Resumo


A insuficiência renal crônica (IRC) é um estado sindrômico de perda progressiva e geralmente irreversível provocada por doenças que tornam o rim incapaz de realizar as suas funções. A instalação da doença caracteriza-se pelo declínio das funções bioquímicas e fisiológicas de todos os sistemas do organismo. Quando a função renal se reduz abaixo 12% da capacidade normal é necessária a adoção de métodos de tratamento como, por exemplo, a diálise e o transplante renal. Através do diagnóstico será possível instituir ao paciente um tratamento conversador ou a diálise, com o objetivo de adiar a piora da função renal, o aparecimento dos sintomas e prevenir as complicações associadas à essa doença. O tratamento dialítico pode ser realizado por diálise peritoneal ou hemodiálise. A diálise peritoneal consiste na utilização de solução de diálise para a realização do processo de purificação. Enquanto a hemodiálise consiste em um processo de filtração dos líquidos extracorporais do sangue através de uma máquina que substitui as funções renais. Ambas as formas de tratamento podem ocasionar complicações. A realidade da vida cotidiana dos doentes com IRC em hemodiálise é permeada de alterações físicas que impõem limitações ao cotidiano e exige adaptações. A IRC promove uma nova realidade de vida para o paciente, podendo impossibilitar o paciente de se acostumar e organizar a sua vida frente às possíveis mudanças que ocorrem na qualidade e no estilo de vida. Tais mudanças exigem que o paciente estabeleça estratégias de enfrentamento para aderir à nova condição de vida. A forma como reagem frente a essas mudanças e os mecanismos que utilizam para enfrenta-las estão relacionados com o apoio recebido de seus amigos e familiares, além de suas crenças e valores. O atendimento psicológico também pode proporcionar mais qualidade de vida para estas pessoas levando-as a enxergarem a doença de outra forma. Nesse sentido, é fundamental o apoio dos profissionais de saúde para que o indivíduo em tratamento e sua família possam assimilar e responder melhor à vivência da doença crônica.


Palavras-chave


Insuficiência renal crônica, Tratamento de diálise, Qualidade de vida

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAHÃO, Sarah Silva. Determinantes de falhas da diálise peritoneal no domicílio de crianças e adolescentes assistidos pelo hospital das clínicas da UFMG. 2006. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde Área de Concentração em Saúde da Criança e do Adolescente), Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006.

BERTOLIN, Daniela Comelis. Modos de enfrentamento de pessoas com insuficiência renal crônica terminal em tratamento hemodialítico. 2007. Dissertação (Mestrado em Enfermagem). Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, São Paulo, 2007.

BOUNDY, J. Enfermagem Médico-Cirúrgica. Tradução Carlos Henrique Cosendey. Rio de Janeiro: Reichman & Afonso Editores; 2004.

CASTRO, M.; CAIUBY, A.V.S.; DRAIBE, A.S.; CANZIANI, M.E.F. Qualidade de vida de pacientes com insuficiência renal crônica em hemodiálise avaliada através do instrumento genérico SF- 36. Revista de Associação Médica Brasileira, v. 49, p. 245-249, 2003.

CAVALCANTE, F.A.; SAAR, G.Q.; RAMOS, L.S.; LIMA, A.A.M. O uso lúdico em hemodiálise: buscando novas perspectivas na qualidade de atendimento ao paciente no centro de diálise. Revista Eletrônica da Facimed, v.3, p.371 – 384, 2011.

CICONELLI, Maria Ignez Ribeiro de Oliveira. O paciente com insuficiência renal crônica em hemodiálise: descrição do tratamento e problemas enfrentados pelo paciente, sua família e equipe de saúde, 1981.Dissertação (Mestrado em Enfermagem). Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, São Paulo, 1981.

DAUGIRDAS, J.T.; BLAKE, P.G.; Ing, T.S. Manual de Diálise. 3a. ed. Rio de Janeiro: Editora Médica e Científica LTDA, 2003.

DIAZ-BUXO, J.A. Automated peritoneal dialysis. A therapy in evolution. In: RONCO, C. AMICI, G. FERIANI, M. and VIRGA, G. (Eds). Automated Peritoneal Dialysis. Basel: Karger, p.1-14, 1999.

FERNANDES, M.G.M, et al. Diagnósticos de Enfermagem de uma família com um membro portador de IRC. Revista de Enfermagem, v.4, p.18-24, 1998.

FLANAGAN, J.C. Measurement of qualit of life: current state of the art.

Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, v. 63, p. 56-59, 1982.

HARRISON, T.R.; FAUCI, A.S.; KASPER, D.L.; LONGO, D.L.; LOSCALZO, J.; BRAUNWALD, E.; HAUSER, S.L.; JAMESON, J.L. Harrison medicina interna. 17. ed. Rio de Janeiro: McGraw-Hill, 2008.

HOSPITAL ALBERT EINSTEIN (Brasil). Centro de diálise. Tratamentos. Diálise Peritoneal. Hemodiálise. São Paulo, 2012. Disponível em: . Acesso em 10 out. 2012.

ILHA, L.H.; PROENÇA, M.C. Diálise Peritoneal. In: BARROS, E. MANFRO, R.C. THOMÉ, L.F.S. GONÇALVES, L.F.S. [et al.]. Insuficiência Renal Crônica. Nefrologia, Rotinas, Diagnósticos e Tratamentos. 2ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas Sul Ltda, 1999.

KAMIMURA, M.A.; AVESANI, C.M.; DRAIBE, S.A.; CUPPARI, L. Gasto energético de repouso em pacientes com doença renal crônica. Revista Brasileira de Nutrição. v. 1, p.75-84, 2008.

KIRCHNER, R.M.; MACHADO, R.F.; LÖBLER, L.; STUMM, E.M.F. Análise do estilo de vida de renais crônicos em hemodiálise. O Mundo da Saúde. v. 35, p. 415-421, 2011.

LARA, E.A.; SARQUIS, L.M.M. O paciente renal crônico e sua relação com o trabalho. Cogitare Enfermagem. v. 9, p. 99-106, 2004.

LENTINO, J. R. & LEEHEY, D. J. Infecções. In: DAUGIRDAS, J. T.; BLAKE, P.G.; Ing, T.S. Manual de Diálise. 3ª ed. Rio de Janeiro: Medsi, cap. 28, p. 509-534, 2003.

LIMA, A.F.C; GUALDA, D.M.R. Reflexão sobre a qualidade de vida do cliente renal crônico submetido à hemodiálise. Nursing. v. 3, p.20-23, 2000.

LIMA, E.M. Complicações da Insuficiência Renal Crônica. In: SILVA, A.C.S. Manual de Urgências em Pediatria. Rio de Janeiro: Medsi, p.324-339, 2003.

LOMBA, A.; LOMBA, M. Especialidades Médicas. 2° ed. Olinda: Objetivo saúde, p. 114-116, 2005.

MACHADO, L.R.C.; CAR, M.R. A dialética da vida cotidiana de doentes com insuficiência renal crônica: entre o inevitável e o casual. Revista da Escola de Enfermagem - USP. v. 3, p. 27-35, 2003.

MADEIRO, A.C.; MACHADO, P.D.L.C.; BONFIM, I.M.; BRAQUEAIS, A.R.; LIMA, F.E.T. Adesão de portadores de insuficiência renal crônica ao tratamento de hemodiálise. Acta Paulista de Enfermagem, v.23, p. 546-551, 2010.

MARTINS, L.M.; FRANÇA, A.P.D.; KIMURA, M. Qualidade de vida de pessoas com doença crônica. Revista Latino-Americana de Enfermagem. v. 4, p. 5-8, 1996.

MOREIRA, P. R. R.; FERREIRA, S.; ALMAS, A. C. G.; PERALVA, L. E. L. Infecção do orifício de saída: uma complicação importante na diálise peritoneal ambulatorial contínua. Jornal Brasileiro de Nefrologia, v. 18, p. 348-355, 1996.

MORSCH, C.; GONÇALVES, L.F., BARROS, E. Índice de gravidade da doença renal, indicadores assistenciais e mortalidade em pacientes em hemodiálise. Revista de Associação Médica Brasileira, v. 51, p. 296-300, 2005.

RESENDE, M.C.; SANTOS, F.A.; SOUZA, M.M.; MARQUES, T.P. Atendimento psicológico a pacientes com insuficiência renal crônica: em busca de ajustamento psicológico. Psicologia Clínica. v. 19, n. 2, p. 87-99, 2007.

RIBEIRO, R.C.H.M.; OLIVEIRA, G.A.S.A; RIBEIRO, D.F.; BERTOLIN, D.C.; CESARINO, C.B.; LIMA, L.C.E.Q.; OLIVEIRA, S.M. Caracterização e etiologia da insuficiência renal crônica em unidade de nefrologia do interior do Estado de São Paulo. Acta Paulista de Enfermagem v.31, p. 207-211, 2008.

RIELLA, M.C. Princípios de Nefrologia e Distúrbios Hidroeletrolíticos. 4a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; cap. 36, p. 649-60, 2003.

ROMÃO, J.J.E. Doença Renal Crônica: Definição, Epidemiologia e Classificação. Jornal Brasileiro de Nefrologia, v.26, p. 1-3, 2004.

ROMÃO Jr, J.E. Insuficiência renal crônica. In: CRUZ, J,; PRAXEDES, J.N. Nefrologia. São Paulo: Sarvier; cap. 17, p.187-200, 1995.

RUDNICKI, T. Preditores de qualidade de vida em pacientes renais crônicos. Estudo de Psicologia Campinas. v. 24, n.3, p.343-351, 2007.

SANTANA, A.P.S.; LOBÃO, R.R.S.; DRAIBE, S.A.; CARVALHO, A.B. Osteodistrofia renal em pacientes submetidos à diálise peritoneal ambulatorial contínua. Jornal Brasileiro de Nefrologia, v.24, p.97-102, 2002.

SAÚDE BIAZI (Brasil). Diálise e Hemodiálise. São Paulo, 2012. Disponível em: . Acesso em 22 out. 2012.

SESSO, R.; LOPES, A.A.; THOMÉ, F.S.; BEVILACQUA, J.L.; JUNIOR, J.E.R.; LUGON, J. Relatório do Censo Brasileiro de Diálise, 2008. Jornal Brasileiro de Nefrologia, v.30, p.233-238, 2008.

SESSO, R.C.C.; LOPES, A.A.; THOMÉ, F.S.; LUGON, J.R.; WATANABE, Y.; SANTOS, D.R. Diálise Crônica no Brasil - Relatório do Censo Brasileiro de Diálise, 2011. Jornal Brasileiro de Nefrologia, v.34, p.272-277, 2012.

BARBOSA, D.A; GUNJI, C.K.; BITTENCOURT, A.R.C.; BELASCO, A.G.S.; DICCINI, S.; VATTIMO, F.; VIANNA, L.A.C. Co-morbidade e mortalidade de pacientes em início de diálise. Acta Paulista de Enfermagem, v.19, p. 304-309, 2006.

SMELTZER, S.C.; BARE, B.G. Brunner & Suddarth: tratado de enfermagem médico-cirúrgica. v. 3, 9ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2002.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA (Brasil). Doenças comuns. Tratamento. São Paulo, 2012. Disponível em: . Acesso em 16 out. 2012.

SOUZA, A.G.M.R.; MANSUR, A.J. Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (SOCESP) 2ed. São Paulo: Atheneu; p. 332, 1996.

TRENTINI, M.; SILVA, D.G.V.; LEIMANN, A.H. Mudanças no estilo de vida enfrentadas por pacientes em condições crônicas de saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem. v. 11, p. 18-28, 1990.

THOMASL, T.V.; ALCHIERILL, J.C. Qualidade de vida, depressão e características de personalidade em pacientes submetidos à Hemodiálise. Avaliação Psicológica, v. 4, p. 57-64, 2005.

THOMÉ, F.S.; GONÇALVES, L.F.; MANFRO, R.C.; BARROS, E. Doença renal crônica. In: BARROS, E.; MANFRO, R.C.; THOMÉ, F.; GONÇALVES, L.F. Nefrologia: rotinas, diagnóstico e tratamento. 3a ed. Porto Alegre: Artmed. cap. 24, p. 381-404, 2007.

TRENTINI, M.; CORRADI, E.M.; ARALDI, M.A.R; TIGRINHO, F.C. Qualidade de vida de pessoas dependentes de hemodiálise considerando alguns aspectos físicos, sociais e emocionais. Texto e Contexto Enfermagem, v.13, p. 74-82, 2004.

TWARDOWSKI, Z. J. Nightly peritoneal dialysis. Why, who, how and when? ASAIO Trans v. 36, p. 8-16, 1990.

YU, L.; ABENSUR, H. Insuficiência renal aguda. Conceito, diagnóstico, prevenção e tratamento da insuficiência renal aguda. São Paulo: SBN; 2012 [citado 15 jun 2007]. Disponível em: .


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



Cadernos UniFOA

Campus Três Poços - Av. Paulo Erlei A. Abrantes, 1325 - Três Poços
Prédio 3 - Sala 2 (Casarão)
Volta Redonda - RJ - CEP: 27240-560
Tel.: (24) 3340-8400 – Ramal: 8350

Indexado em:




Associado:




  • Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.