Ser médico: o imaginário coletivo de estudantes de medicina acerca da profissão de médico

Autores

  • Maria Auxiliadora Motta Barreto Doutora em Psicologia como Profissão e Ciência, Mestre em Educação, Psicóloga, Docente do Curso de Medicina e do Curso de Mestrado em Ensino em Ciências da Saúde e do Meio Ambiente, orientadora de Projetos de Iniciação Científica – UniFOA
  • Carolina Nunes Reis Acadêmicas da Escola de Ciências Médicas de Volta Redonda – UniFOA, participantes de Projeto de Iniciação Científica.
  • Isabela Borges de Miranda Acadêmicas da Escola de Ciências Médicas de Volta Redonda – UniFOA, participantes de Projeto de Iniciação Científica.
  • Lívia Cristina Rocha Jardim Acadêmicas da Escola de Ciências Médicas de Volta Redonda – UniFOA, participantes de Projeto de Iniciação Científica.
  • Marcela Pinto Teixeira Acadêmicas da Escola de Ciências Médicas de Volta Redonda – UniFOA, participantes de Projeto de Iniciação Científica.

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v4.n11.1007

Palavras-chave:

Imaginário coletivo, Desenhos-Estória com Tema, Estudantes de medicina

Resumo

O presente artigo é fruto de um Projeto de Iniciação Científica cujo objetivo é considerar o imaginário coletivo de jovens estudantes de medicina, acerca da profissão de médico. Participaram voluntariamente estudantes ingressantes no curso e no ciclo internato de medicina. Utilizou-se o procedimento de Desenhos-Estória com Tema, tendo sido analisados 59 Desenhos-Estória. O material clínico foi considerado visando à captação dos determinantes lógico-emocionais que sustentam o imaginário coletivo como conduta. Pode-se perceber uma visão bem diferenciada quanto ao ser médico nos dois grupos: conteúdos com intensa carga de altruísmo aos pacientes e dedicação à profissão foram detalhados pelos primeiro anistas, e preocupação pela escolha da especialidade e ambição financeira pelos ingressantes do internato. Em ambos os grupos, encontramos a dificuldade de escolher e definir quem ser quando se formar, e a falta de ênfase na relação médico-paciente.. A partir dos desenhos-estória, foram destacados alguns campos psicológicos não conscientes: dualidade, idealização e o outro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARRETO, M.A.M. & VAISBERG, T.M.J. Escolha Profissional e Dramática do Viver Adolescente. Vol. 19, n° 1, Psicologia e Sociedade, 2007.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCA- ÇÃO. Diretrizes Curriculares Nacionais do Ministério da Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES 4/2001. Diário Oficial da União, Brasília, 9 nov. 2001. Seção 1, p. 38. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/ CES04.pdf Acessado em: 23 nov. 2009.

BLEGER, J. Psicologia de la conduta. Buenos Aires, Argentina: Paidós, 1963.

AIELLO-VAISBERG, T. M. J. Ser e fazer: Enquadres diferenciados na clínica winnicottiana. São Paulo, SP: Idéías & Letras, 2004.

TRINCA, W. Investigação clínica da personalidade – O desenho livre como estímulo da percepção temática. São Paulo, SP: EPU, 1987.

BLEGER, J. Temas de Psicologia. Buenos Aires: Nueva Visión, 1975.

POLITZER, G. Crítica de los fundamentos de la Psicologia. Madrid, España: Nueva Biblioteca, 1929.

BARRETO, M. A. M. A importância de uma escolha profissional adequada para a realização pessoal dos indivíduos: Algumas considerações. Revista Ciências da Educação, 2(3), 177-185, nov/2000.

WINNICOTT, D. W. A localização da experiência cultural. In D.W. Winnicott. O Brincar e a realidade (pp. 133-143). Rio de Janeiro, RJ: Imago, (1967)1975.

Downloads

Publicado

27-03-2017

Como Citar

BARRETO, M. A. M.; REIS, C. N.; MIRANDA, I. B. de; JARDIM, L. C. R.; TEIXEIRA, M. P. Ser médico: o imaginário coletivo de estudantes de medicina acerca da profissão de médico. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, v. 4, n. 11, p. 73–76, 2017. DOI: 10.47385/cadunifoa.v4.n11.1007. Disponível em: https://revistas.unifoa.edu.br/cadernos/article/view/1007. Acesso em: 28 fev. 2024.

Edição

Seção

Ciências Biológicas e da Saúde