Três instrumentos de coleta de dados para caracterização dos pacientes portadores de DTM do Projeto de DTM/ Núcleo da Dor no Centro Integrado de Fisioterapia do Unif

Autores

  • Glória Maria Moraes Vianna da Rosa Monitores da disciplina de Técnica Operatória do Curso de Medicina do UniFOA
  • Alexsandra Dias Serafim Doutor e Docente do Curso de Medicina do UniFOA
  • Etyene Castro Monitores da disciplina de Técnica Operatória do Curso de Medicina do UniFOA
  • Glauco Alexandra Gaban Doutor e Docente do Curso de Medicina do UniFOA
  • Lívia da Lima Gonçalves Pinto Doutor e Docente do Curso de Medicina do UniFOA
  • Helen Cândido Bitencourt Doutor e Docente do Curso de Medicina do UniFOA

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v4.n11.1009

Palavras-chave:

Articulação Temporomandibular, Músculos Mastigatórios, Dor Facial, Cervicalgia, Epidemiologia, Etiologia, Diagnóstico

Resumo

Introdução A DTM envolve a musculatura mastigatória e/ou articulações temporomandibulares. Para isso descrever e caracterizar portadores de DTM exige a utilização de diferentes ferramentas. Objetivos e Métodos Descrever as características de 43 pacientes atendidos no UniFOA e discutir a severidade de seus sintomas utilizando três instrumentos de coleta de dados: 1) Índice Anamnésico baseado nas incapacidades; 2) Questionário Anamnésico e 3) a Escala Visual Analógica. Resultados e Conclusão Houve prevalência de DTM no sexo feminino (93%). A intensidade da dor nos homens mostrou-se menor. O índice baseado nas incapacidades mostrou-se severo em 66% dos homens e em 65% das mulheres. Quanto à severidade dos sintomas observou-se severidade em 66% dos homens e em 45% das mulheres. Os transtornos mais intensos e freqüentes foram o estalido e trancamento (44%), limitação funcional (30%) e intensidade da dor mastigatória (25%). O desconforto oclusal revelou 18% de casos severos e a limitação social 13%. Foi observada presença de dor periférica (cefaléia e cervicalgia) em 90% dos casos. Observa-se a inter-relação entre a região orofacial e coluna cervical havendo a necessidade de intervenção multi-profissional maximizando o diagnóstico e o tratamento da DTM.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOVE SR, Guimarães AS e Smith RL. Caracterização dos pacientes de um laboratório de disfunção temporomandibular e dor orofacial. Rev. Latino-am Enfermagem,13(5)689-91, 2005

CARDOSO, A. Manual de Tratamento da dor Crônica, edições Técnicas, Lisboa,17-20, 1999

CONTI PCR, FERREIRA PM,PEGORARO LF, CONTI JV, SALVADOR MCG. A crosssectional study of prevalence and etiology of signs and symptoms of temporomandibular disorders in high school and university students. J of Orofacial Pain 10 (3): 254-62, 1996

DE LAAT A., MEULEMAN H. E STEVENS A. Relation between functional limitations of the cervical spine and temporomandibular disorders (abstract). J of Orofacial Pain,1:109-117, 1993

DE WIJER A. E STEENKS M.H. Cervical spine evaluation for the TMD patient, a review. In: Prpfacial Pain and Temporomandibular Disorders (editado por Fricton J. e Dubner R) 351-361. Raven Press, Ltda, New York, 1995

DONEGÁ SHP, CARDOSO R, PROCÓPIO ASF E LUZ JGC. Análise da sintomatologia em pacientes com disfunções intra-articulares da articulação temporomandibular. Rev. Odontol. Univ. São Paulo,11 (1) ISSN0103-0663

DWORKIN SF, LERESEARCH L. Research Diagnostic Criteria for temporomandibular disorders: review, criteria, examinations and specifications, critique. J Craniomandibular disorders: Facial and Oral Pain,6(4):300-55, 1992

FONSECA DM, BONFANTE G, VALLE AL, FREITAS SFT. Diagnóstico pela anamnese da dinsfunção craniomandibular. Rev. Gaúcha Odontol. 32:23-8;1994

FONSECA DM. Disfunção temporomandibular (DTM): elaboração de um índice anamnésico. Bauru,1992.Dissertação (Mestrado) Faculdade de Odontologia de Bauru/USP.

GROSSI DB, CHAVES, TC. Physiotherapeutic treatment fof temporomandibular disorders (TMD). Braz J. Oral Sci.3(10):492-97.2004 KRÜŻEL W, DUPONT S,

KRUST A, CHAMBON P, CHAPMAN PF. Increased anxiety and synaptic plasticity in estrogen receptor β-deficient mice. Proc Natl Acad Sci ; 98(21):12278–82.;2001

LIMA DR, BRUNETTI,RF, OLIVEIRA W. Estudo da prevalência de disfunção craniomandibular segundo o índice de Helkimo tendo como variáveis:sexo, faixa etária e indivíduos tratados ou não ortodonticamente.Pós- Grad. Rev. Odontol. São José dos Campos,2(2):1999.

MACFARLANE TV, BLINKHORN AS, DAVIES RM, KINCEY J, WORTHINGTON HV. Oro-facial pain in the community:prevalence and associated impact. Communit Dent Oral Epidemiol., 30:52-60; 2002

MCNEILL, CH (ed). Temporomandibular Disorders. Guidelines for classification, Assessment, and Management. 2ed, The American Academy of Orofacial

Pain. Quintessence Publishing Co., Inc,. Chicago, 39-60, 1993 Pain. Classification of chronic pain syndromes and definitions of pain terms [S217]. Pain1986 Supplement 3

PALLA,S.(coord). Mioartropatias do sistema mastigatório e dores orofaicais., Artes Médicas, São Paulo, 2004,502p

PEREIRA KNF, ANDRADE LLS, COSTA MLG e PORTAL TF. Sinais e sintomas de pacientes com disfunção temporomandibular. Rev. CEFAC, São Paulo,7(2)221-8,2005.

PULLINGER A.G. e MONTEIRO A. Functional Impairment in TMJ patient and nonpatient groups according to a disability index and symptom profile. J of Craniomandibular Practice. 6(2): 156-164, 1988.

PULLINGER AG et al, A multiple logistic regression analysis of the risk and relative odds of temporomandibular disorders as a function of common oclusal features. J. Dent. Res. Washington DC,72(6):968-979,1993

RAMOS, H. A. D. et al. Incidência de ruídos articulares em pacientes portadores de disfunção dolorosa da articulação temporomandibular. Rev Odontol Univ São Paulo,7:.43-46, 1993.

ROCABADO, M. Biomechanical relationship of the cranial and hyoidregions. J. Cran Prac. 1983.

SPARRENBERGER F, SANTOS I, LIMA RC. Epidemiologia do distress psicológico: estudotransversal de base populacional. Rev Saúde Publica 2003; 37(4):434-39.

STETENGA, B. et al. Classification of temporomandibular joint osteoarthrosis and internal derangement. Part I: Diagnosis significance of clinical and radiographic symptoms and signs. J Craniomandib Pract,10:.96-106, 1992.

STIESCH-SCHOLZ, M.; FINK, M. & TSHCERNITSCHEK, H. Comorbidity of internal derangement of the tempormandibular joint and silent dysfunction of the cervical spine. J of Oral Rehabilitation, 30:386-391, 2003.

TEIXEIRA MJ,TEIXEIRA WGJ,SANTOS F P S S , A N D R A D E , D C A , B E Z E R R A SL,FIGUEIRDOJB, OKADA,M. Epidemiologia clínica da dor músculo-esquelética. Rev. Med (São Paulo),80(1):1-21,2001

THILANDER, B, RUBIO G, PENA L, MAYORGA C. Prevalence of tempormandibular dysfunction and its association with malocclusion in children and adolescents: an epidemiologic study related to specified stages of dental development. Angle Orthodontist, 72(2):146-54,2002

VISSCHER CM, LOBBEZOO F, DE BOER W, VAN DER ZANG J, NOEIJE M. Prevalence of cervical spine pain in craniomandibular pain patients. Eur J Oral Sci.109:76-80,2001

Downloads

Publicado

27-03-2017

Como Citar

ROSA, Glória Maria Moraes Vianna da; SERAFIM, Alexsandra Dias; CASTRO, Etyene; GABAN, Glauco Alexandra; PINTO, Lívia da Lima Gonçalves; BITENCOURT, Helen Cândido. Três instrumentos de coleta de dados para caracterização dos pacientes portadores de DTM do Projeto de DTM/ Núcleo da Dor no Centro Integrado de Fisioterapia do Unif. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, v. 4, n. 11, p. 77–84, 2017. DOI: 10.47385/cadunifoa.v4.n11.1009. Disponível em: https://revistas.unifoa.edu.br/cadernos/article/view/1009. Acesso em: 21 jun. 2024.

Edição

Seção

Ciências Biológicas e da Saúde

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.