Transição nutricional no Brasil: análise dos principais fatores

Autores

  • Elton Bicalho de Souza Mestre em Nutrição Humana, docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário de Volta redonda – UniFOA.

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v5.n13.1025

Palavras-chave:

Transição nutricional, Obesidade, Nutrição, Atividade física

Resumo

É incontestável que o Brasil experimenta, nos últimos, uma rápida transição nutricional. Chama a atenção, o marcante aumento na prevalência de obesidade, consolidando-se como o agravo nutricional mais importante, sendo associado a uma alta incidência de doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes e doenças cardiovasculares. Alterações no estilo de vida, como a má-alimentação e redução no gasto calórico diário são os principais fatores que explicam o crescimento da obesidade. O aumento da prevalência de sobrepeso e obesidade no Brasil é relevante, e o quadro epidemiológico nutricional necessita de estratégias de saúde pública, capazes de modificar padrões de comportamento alimentar e da atividade física. A presente revisão de literatura tem como objetivo avaliar os principais componentes da transição nutricional ocorrida no Brasil e suas consequências na população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BATISTA FILHO, M.; RISSIN, A. A transição nutricional no Brasil: tendências regionais e temporais. Cad. Saúde Pública, 19(Sup. 1): S181-S191, 2003.

GUIMARÃES, L.V.; BARROS, M.B.A. As diferenças de estado nutricional em pré-escolares de rede pública e a transição nutricional. J Pediatria, 77(5): 381-6, 2001.

KAC, G.; VELÁSQUEZ-MELÉNDEZ, G. A transição nutricional e a epidemiologia da obesidade na América Latina. Cad. Saúde Pública, 19(Sup. 1):S4-S5, 2003.

SARTORELLI, D.S.; FRANCO, L.J. Tendências do diabetes mellitus no Brasil: o papel da transição nutricional. Cad. Saúde Pública, 19 (Sup. 1): S29-S36, 2003.

ESCODA, M.S.Q. Para a crítica da transição nutricional Ciência & Saúde Coletiva, 7(2): 219-226, 2002.

MENDONÇA, C.P.; ANJOS, L.A. Aspectos das práticas alimentares e da atividade física como determinantes do crescimento do sobrepeso/obesidade no Brasil. Cad. Saúde Pública, 20(3): 698- 709, 2004.

PITANGA, F.J.G. Epidemiologia, atividade física e saúde. Rev. Bras. Ciên. e Mov., 10(3): 49-54, 2002.

FRUTUOSO, M.F.P. et al. Redução do dispêndio energético e excesso de peso corporal em adolescentes. Rev. Nutr., 16(3): 257-263, 2003.

PINHEIRO, A.R.O. et al. Uma abordagem epidemiológica da obesidade. Rev. Nutr., 17(4): 523-533, 2004.

MARINHO, SP et al. Obesidade em adultos de segmentos pauperizados da sociedade. Rev. Nutr., 16(2):195-201, 2003.

GIGANTE, D.P. et al. Prevalência de obesidade em adultos e seus fatores de risco. Rev. Saúde Pública, 31(3): 236- 246, 1997.

FRANCISCHI, R.P.P. et al. Obesidade: etiologia, morbidade e tratamento. Rev. Nutr., 13(1): 17-28, 2000.

COUTINHO, J.G. et al. A desnutrição e obesidade no Brasil: o enfrentamento com base na agenda única da nutrição. Cad. Saúde Pública, 24(Sup 2):S332- S340, 2008.

SOUZA, L.J. et al. Prevalência de obesidade e fatores de risco cardiovascular em Campos, Rio de Janeiro. Arq Bras Endocrinol Metab., 47(6):669-676, 2003.

FERREIRA, V.A.; MAGALHÃES, R. Obesidade no Brasil: tendências atuais. Revista Portuguesa de Saúde Pública, 24(2): 71-78, 2006.

NUNES, M.M.A. et al. Excesso de peso, atividade física e hábitos alimentares entre adolescentes de diferentes classes econômicas em Campina Grande (PB). Rev Assoc Med Bras., 53(2): 130-4, 2007.

SARTURI, J.B. et al. Obesidade em adultos: estudo de base populacional num município de pequeno porte no Sul do Brasil em 2005. Ciência & Saúde Coletiva, 15(1): 105-113, 2010.

FELIPPE, F.; SANTOS, A.M. Novas demandas profissionais: obesidade em foco. Revista da ADPPUCRS, 5(1): 63- 70, 2004.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 10 passos para o peso saudável. Disponível em: . Acesso em: 08/Mai/2009.

Downloads

Publicado

27-03-2017

Como Citar

SOUZA, E. B. de. Transição nutricional no Brasil: análise dos principais fatores. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, v. 5, n. 13, p. 49–53, 2017. DOI: 10.47385/cadunifoa.v5.n13.1025. Disponível em: https://revistas.unifoa.edu.br/cadernos/article/view/1025. Acesso em: 16 ago. 2022.

Edição

Seção

Ciências Biológicas e da Saúde

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)