Fatores que levam os surdos a fazerem o “Turnover” nas empresas de grande porte do Sul Fluminense

Autores

  • Bruna Viana de Abreu Gonçalves MBA em Gestão Empresarial e Negócios - Graduação em Comunicação Social - Habilitação em Publicidade e Propaganda
  • Douglas Baltazar Gonçalves Mestrando em História - Pós Graduação em Comunicação Empresarial - Graduação em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo
  • Ivanete da Rosa Silva de Oliveira Doutoranda em Políticas Públicas - Mestrado em Educação Física - Graduação em Pedagogia e em Educação Física

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v6.n15.1036

Palavras-chave:

Turnover Deaf Job Market Deficient

Resumo

A rotatividade de empregados em uma organização é prejudicial tanto para a empresa como para o trabalhador e quando extrapola os limites da normalidade é chamado de turnover. A mudança dos funcionários gera prejuízos de capital intelectual e financeiros para as organizações. Este artigo procura destacar que o turnover acontece, na maioria das vezes, com funcionários deficientes que, por diversos fatores geram ações de remanejamento de pessoal, por isso, é essencial que ocorra o treinamento para a inclusão do deficiente no mercado de trabalho. O presente trabalho apresentará os fatores que levam os surdos a fazerem turnover nas empresas de grande porte da região Sul Fluminense.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Ministério do Emprego e do Trabalho. Lei 8112 de 11 de dezembro de 1990. Legislação relativa ao trabalho de pessoas portadoras de deficiência: coletânea. Brasília: MTE, SIT/DSST, 1999c.

BRASIL. Ministério do Emprego e do Trabalho. Lei 8213 de 24 de julho de 1991. Legislação relativa ao trabalho de pessoas portadoras de deficiência: coletânea. Brasília: MTE, SIT/DSST, 1999d.

CLEMENTE, C. A; CELESTINI, E. C. Trabalhando com a diferença: responsabilidade social e inclusão de portadores de deficiência. São Paulo: Espaço da Cidadania, 2004.

_______. Trabalho e inclusão social de portadores de deficiência. 1. ed. Osasco: Gráfica e Editora Peres, 2003.

EMPRESAS DEFICIENTES PARA A INCLUSÃO. Disponível em: http://www.rhcentral.com.br/pen/pen.asp?cod_materia=3819 Acessado em: 05/08/2010

GRAEFF, Talita Diane. A relação do surdo com o mercado de trabalho. Revista Conexão UEPG, v. 2, p. 23-28, 2006.

IBGE. Censo demográfico 2000: resultados preliminares. Rio de Janeiro, 2000. 156 p. Tab. Graf. Mapas. Inclui 1 CD-ROM.

OLIVEIRA, Pedro; CASTRO, Fernanda; RIBEIRO, Almeida. Surdez infantil. Revista Brás Otorrinolaringol: 2002.

PASTORE, José. Oportunidade de trabalho para Portadores de Deficiência. São Paulo: Editora LTr. 2000.

REVISTA DA FENEIS. Rio de Janeiro: 1999 / 2002. Números 1 ao 13.

RIBEIRO, Mauro. Contratar um PPD (Profissional Portador de Deficiência?) s/d. Disponível em: http://www.institutomvc.com.br/costacurta/artmr01_ppd.htm Acessado em: 04.08.2010

ROBBINS, Stephen Paul. Fundamentos do comportamento organizacional. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

SÁ, Nídia Limeira de. Cultura, poder e educação de surdos. São Paulo: Paulinas, 2006.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: Construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997.

Downloads

Publicado

03/27/2017

Edição

Seção

Ciências Sociais Aplicadas e Humanas

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)