Avaliação do crescimento e alometria de Caiman latirostris (Crocodylia, Alligatoridae) em condições seminaturais de manejo.

Autores

  • Mauro Sergio Cruz Souza Lima UFPI - Universidade Federal do Piauí - Campus Amilcar Ferreira Sobral
  • Jonas Pederassi ONG Bioma
  • Carlos Alberto Santos Souza UFJF – Universidade Federal de Juiz de Fora.

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v7.n19.1104

Palavras-chave:

Crocodylia Jacaré-de-papo-amarelo Alometria Reprodução

Resumo

Foi avaliada a taxa de eclodibilidade e crescimento de uma ninhada de Caiman latirostris por 80 dias. Os ovos foram coletados e transportados em bandejas com serapilheira do local, observando-se a disposição no ninho para replicação. Os animais foram levados ao laboratório e dispostos individualmente em caixas de isopor  com substrato inclinado, proporcionando 2/3 de área seca e 1/3 de área úmida. O substrato foi composto de areia, serapilheira e água. Avaliou-se a morfometria dos animais no nascimento, aos 40 e 80 dias da eclosão. As variáveis corpóreas foram analisadas pela alometria multivariada através da Análise de Componentes Principais e suas correlações foram testadas pela correlação de Spearman além de analisadas pelo Box Plot de modo a avaliar a correlação das variáveis entre si. Obteve-se um sucesso de 91% na taxa de eclodibilidade, tendo os filhotes uma taxa média de crescimento de 0,66 cm (x = 0,66cm; DP=0,01). Pela análise do Box Plot a cabeça é, dentre as variáveis observadas, a região com menor variação além de ser a porção do corpo com retardo de crescimento, de acordo com a Análise dos Componentes Principais e quando comparados os três segmentos corpóreos com o comprimento total a cabeça apresentou alometria negativa enquanto o tronco e a cauda têm alometria positiva, não sendo observado crescimento isométrico algum. Ao final de 90 dias, todos os filhotes que eclodiram foram levados ao local de origem para soltura, sob os cuidados da Polícia Florestal do Estado de São Paulo, Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRAZAITIS, P.; YAMASHITA, C.; REBELO, C. 1990. A summary report of the CITES central South American caiman study. Phase I: Brazil. p. 100-115. In: Crocodiles. Proc. 9th Work. Meet. Croc. Spec. Group. Vol. 1. IUCN - The World Conservation Union. Glan, Switzerland. p. 1-399.

BUSTARD, H.R.; SINGH, L.A.K. 1980. Growth in the gharial. British J. Herpet. 6(3) 107.

CARDEILHAC, P.T.; JOANEN, T. 1989. Reproduction, development and growth of the American alligator. p.1-4. In: Crocodilian Congress, production & marketing: strategies for the 1990’s. Tampa, Florida. :1-147.

CHABRECK, R.H.; JOANEN, T. 1979. Growth rates of American alligator in Louisiana. Herpetologica 35(1) :51-57.

DE VOS, A. 1982. A manual on crocodile conservation and management in India. FAO Project IND/82/003. Dehra Dun, India.

DIEFENBACH, C.O. 1979. Ampullarid gastropod - staple food of Caiman latirostris ?. Copeia (1) 1979:162- 163.

FERGUSON, M.W.J. 1985. Reproductive biology and embryology of the crocodilians. p. 329-491. In: GANS, C.; BILLETT, F.; MADERSON, P.F.A [Eds.]. Biology of the Reptilia. Vol. 14. Development A. John Wiley. New York. p. 1-763.

FERGUSON, M.W.J.; JOANEN, T. 1983. Temperatura-dependent sex determination in Alligator mississipiensis. J. Zool. Lond. 200:143-177.

FERGUSON, M.W.J. 1981. Extrinsic microbial degradation of the alligator eggshell. Science, N.Y. 214(4525):1135-1137.

GARNETT, S.T.; MURRAY, R.M. 1986. Parameters affecting the growth of the estuarine crocodile, Crocodylus porosus, in captivity. Australian J. Zool. 34(2) :211-223.

GROOMBRIDGE, B. 1982. IUCN Amphibia - Reptilia Red Data Book Part 1: Testudines, Crocodylia, Rhynchocephalia. IUCN Conservation Monitoring Centre. Cambridge.

IBAMA - INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. 2009. Portaria nº 1.522, de 19 de dezembro de 1.989. Disponível em: . Acesso em: 24 de junho de 2009.

IUCN. 2010. IUCN Red List of Threatened Species. Version 2010.3. Disponível em: . Acessado em 11 Octorber 2010.

LARRIERA, A. 1990. Observaciones sobre el crecimiento de Caiman latirostris (Daudin, 1802) nacidos en cautiverio. Peso y longitud a los 30 meses de edad (Crocodylia: Alligatoridae). Amphibia y Reptilia (conservación), mayo, 1(6): 118-119.

LEE, D.S. 1968. Possible communication between eggs of the American alligator. Herpetologica 24:88.

MAGNUSSON, W.E.; TAYLOR, J.A. 1981 Growth of juvenile Crocodylus porosus as effected by season of hatching. Journal Herpet. 15(2) :242- 245.

MANDARIN-DE-LACERDA, C. A. 1995. Métodos Quantitativos em Morfologia. EDUERJ.

MESSEL, H.; VORLICEK, G.C. 1984 A review of the growth of Crocodylus porosus in the Northern Australia. p.171-215. In:Proc. 6th work. meet. croc. spec. IUCN. Publs (NS) :1- 219.

MONTAGUE, J.J. 1982. Morphology, injury and growth analysis of Crocodylus novaeguineae from the Fly River drainage, Papua New Guinea. Dissertation Abstr. int. (B) 43(5)1315-1316.

PINHEIRO, M. S.; LAVORENTI, A. 2001. Growth of broad-nosed caiman, Caiman latirostris (Daudin, 1802) hatchlings, fed with diets of animal origin. Braz. J. Biol., 61(3): 421-429.

POUGH, H. F.; JANIS, C. M.; HEISER, J. B. 2008. A vida dos vertebrados. ed. 4. Atheneu. São Paulo. 739 p.

SCHMIDT-NIELSEN, K. 1984. Scaling: Why is Animal Size so Important? Cambridge University Press, Cambridge.

VERDADE, L. M. 1992. Manejo reprodutivo do jacaré-de-papo-amarelo, Caiman latirostris (Daudin, 1802) em cativeiro. Dissertação apresentada à Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, da Universidade de São Paulo, para obtenção do título de Mestre em Agronomia. Piracicaba, Brasil. p. 1-63.

VERDADE, L.M.; MOLINA, F.B. 1993. Studbook Regional do jacaré-de-papo- amarelo (Caiman latirostris) 1991/1992. ESALQ/USP, Piracicaba, Brasil.

VERDADE, L.M.; PERINA, S.K.; MOLINA, F.B.M. 1993. Studbook Regional do jacaré-de-papo-amarelo (Caiman latirostris) 1992/1993. ESALQ/USP, Piracicaba, Brasil.

VERDADE, L. M. 2000. Regression equations between body and head measurements un the broad-snouted caiman (Caiman latirostris). Rev. Brasil. Biol., 60(3): 469-482.

Downloads

Publicado

2017-03-28

Edição

Seção

Ciências Biológicas e da Saúde

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)