Obtenção e Caracterização da Celulose do Bagaço de Cana-de-Açúcar Pré- Tratado em Meio Ácido

Autores

  • George Jackson de Moraes Rocha Laboratório de Ciência e Tecnologia em Bioetanol - CTBE
  • Natasha K. Balkzó Escola de Engenharia de Lorena - USP
  • Daniella Regina Mulinari Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v7.n2%20(Esp.).1171

Palavras-chave:

Celulose, Bagaço de cana-de-açúcar, Pré-tratamento

Resumo

Este trabalho teve como objetivo a obtenção e caracterização da celulose do bagaço de cana-de-açúcar a ser utilizada na síntese da metilcelulose. O bagaço foi pré-tratado com solução de H2SO4 10% (reator de 350L a 120 ºC, 10 min), com a finalidade de separar as pentosanas. A celulignina obtida foi deslignificada com solução NaOH 1% (reator de 350L a 100 C, 1 hora) obtendo-se a polpa bruta, sendo parte dela branqueada com clorito de sódio. Efetuou-se a caracterização física e química do bagaço in natura e das frações: bagaço pré-tratado, bagaço deslignificado e polpa branqueada. Para as determinações de lignina e teor de carboidratos, as amostras foram hidrolisadas (H2SO4 72% a 45 ºC, 7min), seguido de pós hidrólise (H2SO4 3% a 127 ºC, 30 min) e filtração. A lignina Klason foi determinada por gravimetria e UV; e o filtrado analisado por CLAE. Os teores de celulose e polioses foram determinados a partir das concentrações de açúcares, empregando-se os respectivos fatores de conversão. Na etapa de pré-tratamento, o rendimento de biomassa foi 65% da massa inicial do bagaço (35% hidrolisados na forma de pentosanas) e na etapa de polpação o rendimento foi 47% em relação à massa inicial, sendo removida aproximadamente 95% de lignina. A porcentagem em massa da celulose decresceu de 45% para 36% após o processo de pré-tratamento, e seqüencialmente para 28% após a deslignificação. O teor de cinzas resultou numa média de 2%.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, CNA Balanço 2001 Disponível em: http://www.cna.org.br/ Informa%C3%A7oes01/Dezembro01/ art258.htm> Acesso em 10 agos. 2002.

GOLDSTEIN, I., S. Organic chemicals from biomass. CRC Press, Boca Raton, 1981.

FENGEL, D.; WEGENER, G. Wood Chemistry, Ultrastructure, Reactions. Walter de Gruyter, Berlin, 1989.

KLEMM, D.; PHILIPP, B.; HEINZE, T.; HEINZE, U.; WAGENKNECHT, W. Comprehensive Cellulose Chemistry. Wiley-VCH Ed., 1998.

PESSOA JR, A. Acid hydrolysys of hemicellulose from sugarcane bagasse. Brazilian Journal of Chemical Engineering, v. 14, n. 3, p. 291-297, 1997.

SILVA, F. T. Obtenção de insumos químicos a partir do aproveitamento integral do bagaço de cana. 1995, 172f. Tese (Doutorado em Ciências), Instituto de Química, Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Campinas, 1995.

BROWNING, B., L. “Methods of Wood Chemistry”, vol 2, Interscience Publishers, pp 395

ROCHA, G. J. M.; SILVA, F. T.; ARAÚJO, G. T.; CURVELO, A. A. S., A fast and Accurate Method for Determination of Cellulose and Polyoses by HPLC. In: Brazilian Symposium on the Chemistry of Lignin and Other Wood Components, 1997, Curitiba.

ROCHA, G. J. M. Deslignificação de Bagaço de Cana de Açúcar Assistida por Oxigênio. 2000, 136f. Tese (Doutorado em Físico Química), Instituto de Química, Universidade de São Paulo, USP, São Carlos, 2000.

TAPPI T230 om-94 Viscosity of pulp (capillary viscosymeter method), “TAPPI PRESS” (1994).

ASTM International - D1347-72 Standart Test Methods for Methylcellulose, Book of Standarts Vol. 06.03, p. 6-8, 1995.

Downloads

Publicado

30-03-2017

Como Citar

ROCHA, G. J. de M.; BALKZÓ, N. K.; MULINARI, D. R. Obtenção e Caracterização da Celulose do Bagaço de Cana-de-Açúcar Pré- Tratado em Meio Ácido. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, v. 7, n. 2 (Esp.), p. 59–65, 2017. DOI: 10.47385/cadunifoa.v7.n2 (Esp.).1171. Disponível em: https://revistas.unifoa.edu.br/cadernos/article/view/1171. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Especial Mestrado em Materiais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>