Produção coletiva da pessoa com deficiência: rastreando mediações

Autores

  • Julio Cesar de Almeida Nobre Centro Universitário de Volta Redonda http://orcid.org/0000-0002-9621-6046
  • Ivanete da Rosa Silva de Oliveira Centro Universitário de Volta Redonda
  • Nathan da Cunha Gonçalves Centro Universitário de Volta Redonda
  • Joseane de Almeida dos Santos Centro Universitário de Volta Redonda
  • Camila Fernandes da Silva Centro Universitário de Volta Redonda
  • Dyene Kelly Leopoldina Rodrigues da Silva Centro Universitário de Volta Redonda

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v13.n36.1513

Palavras-chave:

Inclusão. Pessoa com deficiência. Teoria Ator-rede.

Resumo

A concepção de pessoa com deficiência tem se revelado instável no tempo. Na Grécia antiga, crianças com deformidades físicas eram descartadas. No início da Era Cristã, apesar da deficiência estar articulada com a noção de pecado, despontam práticas de acolhimento, como as ocorridas em hospitas cristãos. Na Inquisição, agravou-se a articulação com o pecado e concebeu-se a deficiência como relacionamento com o demônio. Nas Cruzadas, porém, muitos passaram a possuir corpos mutilados derivados de guerras santas, esvaziando tal articulação. Com as teorias newtonianas e a medicina moderna, o corpo passa a ser compreendido como mecanismo regido por leis universais. Assim, uma deficiência começa a se produzir como erro no equilíbrio da máquina, no qual normal e patológico são opostos a disputar o corpo, sendo tal normalidade um objeto de contornos anatomofisiológicos bem definidos. Na atualidade, encontramos diferentes cenários a envolver a pessoa com deficiência. No modelo médico, tal deficiência é tratada como anormalidade, com práticas de cura. No modelo da Integração Social, existe a intenção de integração ao social, porém gerando ambientes segregados que simulam o cotidiano. Já no modelo Inclusivista, o social também busca se adaptar no sentido de incluir o diferente. E nesse cenário despontam controvérsias. Os modelos Médico e da Integração Social encontram-se superados? Utilizando-se do referencial da Teoria Ator-rede, objetiva-se analisar a controvertida rede que produz a “pessoa com deficiência” na atualidade, imbricada com mediadores diversos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julio Cesar de Almeida Nobre, Centro Universitário de Volta Redonda

Graduado em Psicologia, com formação em Terapia Centrada na Pessoa (CPP), mestrado e doutorado em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social (UFRJ), desenvolve pesquisas na área da produção de subjetividade e saberes a partir do referencial da Teoria Ator-rede. É docente do Centro Universitário de Volta Redonda desde 2004.

Ivanete da Rosa Silva de Oliveira, Centro Universitário de Volta Redonda

Doutora em Educação na área de concentração de Políticas Públicas (UERJ). Mestre em Educação Física na área de concentração de subjetividades e atividade física (UGF). Especialista em Gerontologia (UniFOA) e em Docência Superior (UGF). Licenciada em Pedagogia (UNIRIO), Licenciada e Bacharela em Educação Física (UniFOA). É docente do Centro Universitário de Volta Redonda desde 1997. 

Nathan da Cunha Gonçalves, Centro Universitário de Volta Redonda

Discente de bacharelado em Serviço Social do Centro Universitário de Volta Redonda

Joseane de Almeida dos Santos, Centro Universitário de Volta Redonda

Discente de bacharelado em Serviço Social do Centro Universitário de Volta Redonda

Camila Fernandes da Silva, Centro Universitário de Volta Redonda

Discente de bacharelado em Serviço Social do Centro Universitário de Volta Redonda

Dyene Kelly Leopoldina Rodrigues da Silva, Centro Universitário de Volta Redonda

Discente de bacharelado em Enfermagem do Centro Universitário de Volta Redonda

Referências

ARAÚJO, E. A. B. S.; FERRAZ, F. B. O conceito de pessoa com deficiência e seu impacto nas ações afirmativas brasileiras no mercado de trabalho. Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI. 2010. Disponível em: <http://www.publicadireito.com.br/conpedi/manaus/arquivos/anais/fortaleza/3348.pdf> Acesso em 02 de agosto de 2017.

BINI, F. Tyrion Lannister sob a perspectiva de um anão. Disponível em: <http://www.gameofthronesbr.com/2014/07/tyrion-lannister-sob-a-perspectiva-de-um-anao.html> Acesso em 10 de novembro de 2017.

BRASIL. LEI Nº 13.146. 2015. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm> Acesso em 18 de outubro 2017.

BRASIL. LEI Nº 10.754. 2003. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.754.htm#art1> Acesso em 18 de outubro 2017.

BRASIL. LEI Nº 8.989. 1994. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8989.htm> Acesso em 18 de outubro 2017.

_______. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

CABRAL, G. Estatuto gera polêmica entre deficientes e parlamentares. 2011. Disponível em < http://gutecabral.blogspot.com.br/2010/08/as-vagas-dos-portadores-de-deficiencia.html> Acesso em 05 de outubro de 2017.

____________. As vagas dos portadores de deficiência em concurso público e a polêmica sobre a sua percentagem. 2010. Disponível em <http://gutecabral.blogspot.com.br/2010/08/as-vagas-dos-portadores-de deficiencia.html> Acesso em 05 de outubro de 2017.

CÂMARA NOTÍCIAS. Então em vigor a Lei Brasileira de Inclusão. 2016. Disponível em <http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/DIREITOS-HUMANOS/502371-EM-VIGOR-DESDE-O-INICIO-DO-ANO,-LEI-BRASILEIRA-DE-INCLUSAO-JA-RECEBE-CRITICAS.html> Acesso em 20 de Agosto de 2017.

G1. Lei que garante táxis adaptados para deficientes físicos causa controvérsia. 2015. Disponível em <http://g1.globo.com/pi/piaui/noticia/2015/03/lei-que-garante-taxis-adaptados-para-deficientes-fisicos-causa-controversia.htm> Acesso em 05 de outubro de 2017.

IVIF. A vantagem de ser autista no League of Legends. In Fórum Comportamento do Jogador. 2017. Disponível em: <https://boards.br.leagueoflegends.com/pt/c/comportamento-do-jogador/PpHE8IpE-a-vantagem-de-ser-autista-no-league-of-legends> Acesso em 02 de agosto de 2017.

LATOUR, B. Reensamblar Lo Social: una introdución a la teoria del actor-red. Buenos Aires: Manantial, 2008.

___________. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

LEITÃO, T. Acessibilidade é o desafio para deficientes em todo país. 2012. Disponível em https://exame.abril.com.br/brasil/acessibilidade-e-desafio-para-deficientes-em-todo-o-pais/amp/ > Acesso em 12 de Agosto de 2017.

LUPION, B. O que é BPC, um dos itens mais polêmicos da reforma da Previdência. Nexo. 2017. Disponível em < https://www.nexojornal.com.br/expresso/2017/03/30/O-que-%C3%A9-o-BPC-um-dos-itens-mais-pol%C3%AAmicos-da-reforma-da-Previd%C3%AAncia> Acesso em 10 de novembro de 2017.

MARSH, S. The culture of hatred for the disabled comes from the top. The Guardian. 2011. Disponível em: <https://www.theguardian.com/commentisfree/2011/sep/16/disabled-hate-crime-government-benefits> Acesso em 16 de setembro de 2017.

MAVIGNIER, T. C. A deficiência física nas revistas Veja, Época e Isto É: um estudo de recepção. 2014. Disponível em <https://casperlibero.edu.br/wp-content/uploads/2014/04/Tancy-Costa-Mavignier.pdf > Acesso em 14 de outubro de 2017.

MORTIMER, C. Hate crime against disabled people rises 41 per cent in one year. Independent. 2015. Disponível: <http://www.independent.co.uk/news/uk/hate-crime-against-disabled-people-rises-41-per-cent-in-one-year-a6713546.html> Acesso em 16 de setembro de 2017.

MOURA, J. Estatuto gera polêmica entre deficientes e parlamentares. 2010. Disponível em < http://www.jb.com.br/pais/noticias/2007/12/02/estatuto-gera-polemica-entre-deficientes-e-parlamentares> Acesso em 05 de outubro de 2017.

NOBRE, J. C. A.; PEDRO, R. M. L. R. Reflexões sobre possibilidades metodológicas da Teoria Ator-Rede. Cadernos UniFOA. Volta Redonda, Ano V, n. 14, dezembro 2010. Disponível em: <http://www.unifoa.edu.br/cadernos/edicao/14/47.pdf> Acesso em 02 de agosto de 2017.

O GLOBO. Campanha com ‘atores paralímpicos’ gera polêmica; Cléo Pires se defende. 2016. Disponível em <https://www.google.com.br/amp/s/oglobo.globo.com/esportes/campanha-com-atores-paralimpicos-gera-polemica-cleo-pires-se-defende-19987262%3Fversao=amp> Acesso em 10 de Agosto de 2017.

PEREIRA, N. Redes sociais validam o ódio das pessoas, diz psicanalista. [10 de janeiro, 2017]. São Paulo: BBC Brasil. 2017. Disponível: < http://www.bbc.com/portuguese/brasil-38563773> Acesso em 18 de outubro 2017.

PEREIRA, R. Diversidade funcional: a diferença e o histórico modelo de homem-padrão. História, Ciências, saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.16, n.3, jul.set. 2009, p. 715-728. 2006. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702009000300009 > Acesso em 03 agosto 2017.

ROX, M. League of Legends deve lucrar R$ 5,65 bilhões em 2016, aponta estudo. TecMundo. 2016. Disponível em: <https://www.tecmundo.com.br/esports/110816-league-of-legends-deve-lucrar-r-5-65-bilhoes-2016-aponta-estudo.htm> Acesso em 16 de setembro de 2017.

SALGADO, I. M.; VALADARES, E. R. Para compreender a deficiência. Belo Horizonte: Rona Editora, 2000.

SASSAKI, R. K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 2010.

SENADO NOTÍCIAS. Lei Brasileira de Inclusão completa um ano com avanços na educação. 2016. Disponível em <https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2016/07/01/lei-brasileira-de-inclusao-completa-um-ano-com-avancos-na-educacao> Acesso em 05 de Agosto de 2017.

SERAFIM, I. Campanha de jogos paralímpicos com Cléo Pires e Paulo Vilhena causa polêmica. 2016. Disponível em < http://emais.estadao.com.br/noticias/moda-beleza,campanha-de-jogosA -paralimpicos-com-cleo-pires-e-paulinho-vilhena-causa-polemica-na-internet,10000071682 > Acesso em 12 de Agosto de 2017.

SNOWDON, K. Online Hate Crime To Be Taken As Seriously As Threats Made ‘Offline’, New CPS Guidelines Recommend. Huffington Post. 2017. Disponível em: <http://huffingtonpost.co.uk/entry/online-hate-crime-seriously-threats-offline-cps_uk_599a899ae4b0e8cc855e6d78> Acesso em 16 de setembro 2017.

SOUTO, L. Cresce o número de pessoas com deficiência no mercado, mas preconceito resiste. O Globo. 2016. Disponível em: <http://oglobo.globo.com/sociedade/cresce-numero-de-pessoas-com-deficiencia-no-mercado-mas-preconceito-persiste-20128635> Acesso em 18 de outubro de 2017.

SOUZA, L. A. V. Campanha da OAB SP usa o futebol para defender a inclusão. 2016. Disponível em <https://www.google.com.br/amp/brasil.estadao.com.br/blogs/vencer-limites/campanha-da-oab-sp-usa-o-futebol-para-defender-a-inclusao/%3famp> Acesso em: 20 de Agosto de 2017

THOMÉ, C. No País, 77% dos portadores de deficiência se sentem discriminados. O Estado de São Paulo. 2010. Disponível: < http://www.estadao.com.br/noticias/geral,no-pais-77-dos-portadores-de-deficiencia-se-sentem-desrespeitados-imp-,653356> Acesso em 18 de outubro de 2017.

VOGUE BRASIL. Somos Todos Paralímpicos: a campanha com Cleo Pires e Paulinho Vilhena. 2016. Disponível em <http://vogue.globo.com/moda/moda-news/noticia/2016/08/somos-todos-paralimpicos-campanha-com-cleo-pires-e-paulinho-vilhena.html.> Acesso em 20 de Agosto de 2017.

Downloads

Publicado

08-05-2018

Como Citar

NOBRE, J. C. de A.; OLIVEIRA, I. da R. S. de; GONÇALVES, N. da C.; SANTOS, J. de A. dos; SILVA, C. F. da; SILVA, D. K. L. R. da. Produção coletiva da pessoa com deficiência: rastreando mediações. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, v. 13, n. 36, p. 55–68, 2018. DOI: 10.47385/cadunifoa.v13.n36.1513. Disponível em: https://revistas.unifoa.edu.br/cadernos/article/view/1513. Acesso em: 29 nov. 2022.

Edição

Seção

Ciências Sociais Aplicadas e Humanas

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>