Olhares de obstetras e pediatras sobre a anencefalia em Volta Redonda-RJ

Autores

  • M. N. e Silva UniFOA – Centro Universitário de Volta Redonda
  • M. B. Vieira UniFOA – Centro Universitário de Volta Redonda
  • A. P. M. Bahia UniFOA – Centro Universitário de Volta Redonda
  • C. O. M. Silva UniFOA – Centro Universitário de Volta Redonda
  • J. C. S. Aragão UniFOA – Centro Universitário de Volta Redonda
  • M. Genestra UniFOA – Centro Universitário de Volta Redonda

Palavras-chave:

anencefalia, má-formação fetal, ausência de encéfalo

Resumo

A anencefalia é uma malformação congênita de aspecto multifatorial, que decorre da falência da fusão do tubo neural, caracterizando-se pela ausência total ou parcial do encéfalo e da calota craniana. O diagnóstico desta malformação, pode ser feito a partir de 12 semanas, através de equipamentos modernos de ultrassonografia (US) e/ ou ressonância nuclear magnética (RNM). Por se tratar de uma malformação incompatível com a vida, fato que nos levou a analisar a atitude, o grau de informação que médicos obstetras e pediatras possam ter diante deste caso. Foram analisadas as opiniões de 63 médicos de Volta Redonda, entre os meses de abril à junho de 2008. Sendo que 28 eram médicos obstetras e 35 eram médicos pediatras. Foi aplicado um método estruturado (questionário) enfocando o grau de informação sobre o assunto, os procedimentos médicos realizados, o exame diagnóstico mais solicitado e o esclarecimento da malformação para a família. O trabalho seguiu as normas éticas da Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde, via avaliação pelo Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos institucional. A maior adesão a pesquisa deu-se por parte dos médicos pediatras. No universo de 63(100%) pessoas, 26(40,87%) elegeram a RNM, 24(37,71%) o US e apenas 13(21,42%) escolheram RX fetal como primeiro exame diagnóstico. Em relação a adesão as manobras de reanimação executadas no anencéfalo 19(67,85%) dos obstetras e 24(65,71%) dos pediatras a fazem. As manobras de reanimação realizadas na sala de parto evidenciam a preocupação dos médicos em relação a preservação da vida, mesmo sendo a anencefalia uma malformação incompatível com a mesma. O US e a RNM estão em primeiro plano como diagnóstico comprobatório. O presente estudo mostrou que a ultrassonografia é um exame de baixo custo e de fácil acesso por parte da população, sendo capaz de diagnosticar com precisão a anencefalia. Porém a maioria dos obstetras pesquisados preferem a ressonância nuclear magnética como exame de diagnóstico. Ficou evidenciado que o direito pela vida está em primeiro plano, sobrepondo qualquer outra forma de atuação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

04-02-2019

Como Citar

SILVA, M. N. e; VIEIRA, M. B.; BAHIA, A. P. M.; SILVA, C. O. M.; ARAGÃO, J. C. S.; GENESTRA, M. Olhares de obstetras e pediatras sobre a anencefalia em Volta Redonda-RJ. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, v. 3, n. 1 esp, p. 69, 2019. Disponível em: https://revistas.unifoa.edu.br/cadernos/article/view/2801. Acesso em: 12 ago. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>