Docência na Atualidade Brasileira: rastreando controvérsias acerca do movimento Escola Sem Partido

Autores

  • Julio Cesar de Almeida Nobre Centro Universitário de Volta Redonda http://orcid.org/0000-0002-9621-6046
  • Ivanete da Rosa Silva de Oliveira Centro Universitário de Volta Redonda
  • Marcos Paulo dos Anjos Corrêa de Carvalho Centro Universitário de Volta Redonda
  • Amanda Braga dos Santos Centro Universitário de Volta Redonda
  • Matheus Pires Andrade Centro Universitário de Volta Redonda

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v14.n40.2872

Palavras-chave:

Escola Sem Partido. Docência. Teoria Ator-rede

Resumo

O movimento Escola sem Partido (ESP) teve sua origem por meio da veiculação de um site em 2004, porém, assumiu ampla visibilidade somente no ano de 2014 com os projetos de lei que passaram a tramitar no Congresso Nacional em sintonia com a respectiva temática. Em nome da defesa da liberdade de expressão, lideranças do ESP argumentam que o ensino deveria ser realizado exclusivamente com o objetivo da produção e difusão de conhecimento. Para tal, defendem a neutralidade nesse processo, argumentando pela abertura às diferentes abordagens investigativas e justificando seus posicionamentos com um suposto cenário da educação brasileira, onde um significativo número de docentes dotados de concepções políticas agiria com intenções de doutrinação dos seus discentes. O ESP divulga, em seu site, os diversos projetos de lei que tramitam pelo país com a respectiva temática. Tais projetos demonstram a abrangência do movimento na medida em que circulam nas dimensões federal, estadual e municipal. Parece que a atualidade da educação brasileira e, mais precisamente, os próprios contornos da docência, vivem momentos de intensa controvérsia. Qual seria o papel do professor na educação do país? Vemos controvérsias que circulam em um cenário que mistura mediadores diversos. Articulam-se a política, os professores, a grande mídia, pesquisas, alunos, o direito dentre outros. A fronteira da docência parece ser uma questão atual a ser respondida e definida por tal coletivo. O presente artigo, portanto, objetiva desenvolver uma cartografia descritiva da produção dos contornos daquilo que se entende por docência na atualidade brasileira. Busca-se evidenciar as redes heterogêneas de mediações que a produzem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julio Cesar de Almeida Nobre, Centro Universitário de Volta Redonda

Graduado em Psicologia, com mestrado e doutorado em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social, desenvolve pesquisas na área da produção de subjetividade e saberes a partir do referencial da Teoria Ator-rede. Docente do Centro Universitário de Volta Redonda.

Referências

AGÊNCIA ESTADO. Em São Paulo, projeto Escola Sem Partido vira mote de João Doria. Estadão. 2018. Disponível em:<https://noticias.r7.com/sao-paulo/em-sao-paulo-projeto-escola-sem-partido-vira-mote-de-joao-doria-07112018>. Acesso em: 7 nov. 2018.

ALESSI, G. ‘Bancada’ de promotores pró-Bolsonaro se articula em torno de Escola Sem Partido. El País. 2018. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2018/11/20/politica/1542730129_947596.html?%3Fid_externo_rsoc=FB_BR_CM>. Acesso em: 10 set. 2018.

BEDINELLI, T. A educação brasileira no centro de uma guerra ideológica. El País. 2016. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2016/06/22/politica/1466631380_123983.html> Acesso em: 25 jul. 2018.

BETTO, F. “Escola Sem Partido”? In: Ação Educativa Assessoria, Pesquisa e Informação (Org.). A ideologia do movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016. p. 65-69.

BOLDRINI, Angela. Escola Sem Partido avança na Câmara; texto proíbe termo ‘gênero’. Folha de São Paulo. 2018. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2018/05/escola-sem-partido-avanca-na-camara-texto-proibe-uso-do-termo-genero.shtml> Acesso em: 01 ago. 2018.

BRAUN, R. E. Movimento escola sem partido: uma análise crítica sob o âmbito jurídico e social. Conteúdo Jurídico. 2016. Disponível em: <http://www.conteudojuridico.com.br/?artigos&ver=2.56647&seo=1>. Acesso em: 14 set. 2018.

CATELLI JR, R. A criminalização ideológica dos livros didáticos: a quem serve? In: Ação Educativa Assessoria, Pesquisa e Informação (Org.). A ideologia do movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016. p. 83-92.

ESP, ESCOLA SEM PARTIDO. Faq. s/d. Disponível em: <https://www.programaescolasempartido.org/faq>. Acesso em: 10 jun. 2018.

ESP. ESCOLA SEM PARTIDO. PL Municipal. s/d. Disponível em: <https://www.programaescolasempartido.org/municipal>. Acesso em: 10 jun. 2018.

G1. Bolsonaro diz que 'questão ideológica' é grave como a corrupção e precisa ser combatida. G1. 2018. Disponível em: <https://g1.globo.com/politica/eleicoes/2018/noticia/2018/10/02/bolsonaro-diz-que-a-questao-ideologica-e-grave-como-a-corrupcao-e-precisa-ser-combatida.ghtml>. Acesso em: Acesso em: 28 nov. 2018.

GADOTTI, Moacir. Pensamento Pedagógico Brasileiro. 8. ed. São Paulo: Ática, 2006.

GIROTTO, E. Um ponto na rede: o Escola Sem Partido no contexto da escola do pensamento único. In: Ação Educativa Assessoria, Pesquisa e Informação (Org.). A ideologia do movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016. p. 69-76.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2011.

LATOUR, B. Reensamblar Lo Social: uma introdución a la teoria del actor-red. Buenos Aires: Manantial, 2008.

______. A Esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. Bauru: EDUSC, 2001.

______. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

LEMOS, A. A comunicação das coisas: teoria ator-rede e cibercultura. São Paulo: Annablume, 2013.

MORAIS, E. ‘Escola Sem Partido’ é rejeitada por 150 entidades de 87 países. Blog do Esmael. 2018. Disponível em: <https://www.esmaelmorais.com.br/2018/11/escola-sem-partido-e-rejeitada-por-150-entidades-de-87-paises/>. Acesso em: 10 set. 2018.

MORENO, A. C. Lei não resolve a questão, diz ministro sobre o 'Escola sem Partido'. G1. 2016. Disponível em: <https://g1.globo.com/educacao/noticia/lei-nao-resolve-a-questao-diz-ministro-sobre-o-escola-sem-partido.ghtml>. Acesso em: 22 nov. 2018.

MORENO, A. C.; TENENTE, L.; FAJARDO, V. ‘Escola sem Partido’: entenda a polêmica em torno do movimento e seus projetos de lei. G1. 2016. Disponível em: <https://g1.globo.com/educacao/noticia/entenda-a-polemica-em-torno-do-escola-sem-partido.ghtml> Acesso em: 10 set. 2018.

NOTÍCIAS STF. Suspensa lei alagoana que instituiu o programa Escola Livre. 2017. Disponível em: <http://m.stf.gov.br/portal/noticia/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=338884>. Acesso em: 10. Set. 2018.

NÓVOA, A. O processo histórico de profissionalização do professorado: In: Nóvoa A. (org.). Profissão: professor. 2. ed. Porto: Porto Editora, 1995. P. 13-33.

______. Concepções e práticas da formação contínua de professores: In: Nóvoa A. (org.). Formação contínua de professores: realidade e perspectivas. Portugal: Universidade de Aveiro, 1991.

O GLOBO. “O dia em resumo: Guru de Bolsonaro diz que Escola sem Partido é prematuro”. O Globo. 2018. Disponível em:<https://oglobo.globo.com/brasil/o-dia-em-resumo-guru-de-bolsonaro-diz-que-escola-sem-partido-prematuro-23256946>. Acesso em: 10 set. 2018.

PITOMBO, J. WILTEMBURG, L. 'Será uma coisa moderada', diz futuro ministro sobre projeto Escola sem Partido. Folha de São Paulo. 2018. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2018/11/sera-uma-coisa-moderada-diz-futuro-ministro-sobre-projeto-escola-sem-partido.shtml>. Acesso em: 10 set. 2018.

RACY, S. PSB ‘fecha questão’ nos Estados contra Escola sem Partido. Estadão. 2018. Disponível em:<https://cultura.estadao.com.br/blogs/direto-da-fonte/psb-fecha-questao-nos-estados-contra-escola-sem-partido/>. Acesso em: 10 set. 2018.

RIBEIRO, M. 5 opiniões sobre a Escola Sem Partido para você formar a sua. Revista Exame. 2016. Disponível em: < https://exame.abril.com.br/brasil/5-opinioes-sobre-a-escola-sem-partido-para-voce-formar-a-sua/> Acesso: 10 jun. 2018.

ROCHA, L. Deputado de MS apresenta projeto para combater "Escola sem Partido". Campo Grande News. 2018. Disponível em: <https://www.campograndenews.com.br/politica/deputado-de-ms-apresenta-projeto-para-combater-escola-sem-partido>. Acesso em: 10 set. 2018.

SÁ, T. T. A docência no Brasil: história, obstáculos e perspectivas de formação e profissionalização no século XXI. 2016. Disponível em: <http://revistas.ufac.br/revista/index.php/tropos/article/download/461/pdf>. Acesso em 10 set. 2018.

SCHREIBER, M. É possível governar sem ideologia, como promete Bolsonaro? BBC. 2018. Disponível em:<https://www.bbc.com/portuguese/brasil-46307711> Acesso em: 10 set. 2018.

SCHURER, H. A. Lei da Mordaça em São Lourenço do Sul é um atentado à escola pública. Sul21. 2018. Disponível em: < https://www.sul21.com.br/opiniaopublica/2018/07/lei-da-mordaca-em-sao-lourenco-do-sul-e-um-atentado-a-escola-publica-por-helenir-aguiar-schuerer/> Acesso: 10 jun. 2018.

TOLEDO, L. F.; CHADE, J. Relatores da ONU classificam 'Escola sem Partido' como 'censura'. Estadão. 2017. Disponível em: <https://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,relatores-da-onu-denunciam-escola-sem-partido-e-classificam-projeto-de-censura,70001737530>. Acesso em: 17 set. 2018.

TRAVINCAS, T. Liberdade de ensinar é condição para melhorar nosso debate democrático. São Paulo. El País. 2018. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2018/01/05/politica/1515162915_230395.html>. Acesso em: 15 nov. 2018.

VALADARES, J. Contra Escola sem Partido, governo do MA edita decreto por 'escola sem censura'. Folha de São Paulo. 2018. Disponível em:<https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2018/11/contra-escola-sem-partido-governo-do-ma-edita-decreto-por-escola-sem-censura.shtml>. Acesso em: 10 set. 2018.

VASCONCELOS, J. S. A escola, o autoritarismo e a emancipação. In: Ação Educativa Assessoria, Pesquisa e Informação (Org.). A ideologia do movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016. p. 77-82.

VINCK, D. Sociologie des Sciences. Paris: Armand Colin, 1995.

Downloads

Publicado

08/01/2019

Edição

Seção

Ciências Sociais Aplicadas e Humanas

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>