Governança das corporações listadas na B3: adequação as regras de cada nível

Autores

  • Ana Caroline Maciel Blanke Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) - Campus de Santo Ângelo
  • Rosane Maria Seibert Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) - Campus de Santo Ângelo
  • Raiziane Cássia Freire da Silva Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) - Campus de Santo Ângelo

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v15.n43.3258

Palavras-chave:

Governança corporativa. Mecanismos de controle. Níveis de governança corporativa.

Resumo

O presente estudo objetivou identificar se as corporações listadas no Brasil, Bolsa, Balcão (B3) demonstram seguir as regras necessárias para estarem enquadradas dentro de cada nível de governança corporativa. Trata-se de uma pesquisa descritiva e explicativa, utilizando-se de pesquisa bibliográfica, documental e de campo por meio de observação nas páginas eletrônicas de Internet de 346 corporações. Constatou-se a existência de algumas corporações em desconformidade com a totalidade das exigências da B3, necessárias para mantê-las enquadradas dentro dos respectivos níveis de governança corporativa, como por exemplo o baixo cumprimento da exigência de adesão à câmara de arbitragem do mercado. Destaca-se que este estudo não observou a totalidade de corporações listadas na B3 e nem em outros meios de divulgação. Nesse sentido, sugere-se que em pesquisas futuras sejam observados outros meios de evidenciação como os relatórios anuais e complementares, bem como outras corporações listadas. Também, se sugere que sejam feitos estudos semelhantes em outros países para efetuar comparações com os resultados desta pesquisa

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Caroline Maciel Blanke, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) - Campus de Santo Ângelo

Bacharela em Ciências Contábeis pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) - Campus de Santo Ângelo, RS, Brasil

Rosane Maria Seibert, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) - Campus de Santo Ângelo

Doutora em Ciências Contábeis pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Mestre em Administração de Empresa pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Professora do Departamento de Ciências Sociais Aplicada e do Programa de Pós-Graduação em Mestrado Profissional em Gestão Estratégica de Organizações, na Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI), Santo Ângelo/RS, Brasil.

Raiziane Cássia Freire da Silva, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) - Campus de Santo Ângelo

Contadora e Mestre em Gestão Estratégica de Organizações, pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI), Santo Ângelo/RS, Brasil.

Referências

ANDRADE, A.; ROSSETTI, J. P. Governança Corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. 7. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2014.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BM&FBOVESPA. Segmentos de listagem. Disponível em: <http://www.bmfbovespa.com.br>. Acesso em: 20 mar. 2017.

BRASIL, BOLSA, BALCÃO. Sobre segmentos de listagem. Disponível em: <http://www.b3.com.br/pt_br/produtos-e-servicos/solucoes-para-emissores/segmentos-de-listagem/sobre-segmentos-de-listagem/>. Acesso em: 20 jul. 2019

CADBURY COMMITTEE. The report of the committee on financial aspects of corporate governance. Londres: Cadbury Committee, Dec. 1992. Disponível em: <https://ecgi.global>. Acesso em: 23 out. 2017.

CVM – Comissão de Valores Mobiliários. Recomendações da CVM sobre Governança Corporativa. 2002. Disponível em: http://www.cvm.gov.br/export/sites/cvm/decisoes/anexos/0001/3935.pdf. Acesso em: 23 out. 2017.

IBGC. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Códigos das Melhores Práticas de Governança Corporativa. 5. Ed. São Paulo, 2015

______. Governança Corporativa. Disponível em: <http://www.ibgc.org.br>. Acesso em 10 out. 2017.

MORCK, R. K. A history of corporate governance around the world: Family business groups to professional managers. Chicago: University of Chicago Press, 2005. Disponível em: <https://www.nber.org/books/morc05-1>. Acesso em: 10. out. 2017.

OECD – Organization for Economic Co-operation and Development. Using the OECD principles of corporate governance: A Boardroom perspective. Paris: OECD Publications, 2008. Disponível em: <http://www.oecd.org/corporate/ca/corporategovernanceprinciples/40823806.pdf>. Acesso em: 25 fev. 2017.

SILVA, E. C. Governança Corporativa nas Empresas: guia prático de orientação para acionistas, investidores, conselheiros de administração e fiscal, auditores, executivos, gestores, analistas de mercado e pesquisadores. 3. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2012.

SILVA, R. C. F.; SEIBERT, R. M. Governança corporativa: história e tendências. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, v. 9, n. 3, p. 76-101, 2015.

______. Governança: os diferentes mecanismos de controle para organizações com e sem fins lucrativos. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI, v. 12, p. 168-186, 2016.

SILVA, R. L. M.; NARDI, P.C. C.; MARTINS, V. A.; BAROSSI FILHO, M. Os níveis de governança corporativa da BM&F Bovespa aumentam a liquidez das ações? BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, v. 13, n. 3, p. 248-263, 2016.

SUCHMAN, M. C. Managing legitimacy: strategic and institutional approaches. Academy of Management Review, v. 20, n. 3, p. 571-610, 1995.

VERGARA, S. C. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. 16. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2016.

Downloads

Publicado

2020-09-24

Edição

Seção

Ciências Sociais Aplicadas e Humanas