Dependência morfométrica de carapaça e plastrão de Phrynops geoffroanus (Schweigger, 1812)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v15.n43.3361

Palavras-chave:

Alometria, Chelidae, Osteodermos, Razão de crescimento

Resumo

Considerando a distribuição da espécie Phrynops geoffroanus (Schweigger, 1812) facilmente encontrada, foram capturados 20 espécimes com a utilização de armadilhas do tipo espera iscada, posteriormente foram depositados na coleção de História Natural da Universidade do Piauí (CNHNUFPI 0007 - 0026). O presente trabalho objetivou estabelecer razões alométricas entre a maturidade e crescimento do plastrão e carapaça, as medidas foram submetidas ao coeficiente de Pearson, quando os valores foram superiores (r= 0,80) submetemos à regressão univariada linear para o plastrão e exponencial para a carapaça, realizando 6 combinações possíveis. O valor de r ajustado ao coeficiente de determinação, quando igual ou superior a 0,80, consideramos a correlação forte positiva, dessa forma apresentando variáveis dependentes, as análises morfométricas indicaram a existência de correlação inferior a 0,80 apenas nas combinações CLCxLLC (r=0,7191) e LLCxCP (r=0,7364). Por meio da correlação de Pearson e o ajuste a equação linear e exponencial é possível utilizar a função para prever medidas das placas, tamanho, proporção e a dependência de crescimento entre as porções da carapaça ou plastrão na população amostral de Phrynops geoffroanus, estas predições foram confirmadas pelo teste de aderência χ2.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joara de Sousa Andrade, Universidade Federal do Piauí

Graduação; Universidade Federal do Piauí, Campus Amílcar Ferreira Sobral, Laboratório de Herpetologia, BR 343, Km 3,5 - CEP 64800-000, Floriano, PI, Brasil.

Antonio Nilberto Grangeiro de Abreu Junior, Universidade Federal do Piauí

Graduação; Universidade Federal do Piauí, Campus Amílcar Ferreira Sobral, Laboratório de Herpetologia, BR 343, Km 3,5 - CEP 64800-000, Floriano, PI, Brasil.

Diogo Brunno e Silva Barbosa, Universidade Federal do Piauí

Mestre; Universidade Federal do Piauí, Campus Amílcar Ferreira Sobral, Laboratório de Herpetologia, BR 343, Km 3,5 - CEP 64800-000, Floriano, PI, Brasil.

Jonas Pederassi, Associação Educacional Dom Bosco - AEDB

Doutor; Associação Educacional Dom Bosco - AEDB, Av. Prof. Cel. Antônio Esteves, 1, Campo de Aviação, 27523-000 Resende-RJ, Brasil.

Mauro Sérgio Cruz Souza Lima, Universidade Federal do Piauí

Doutor; Universidade Federal do Piauí, Campus Amílcar Ferreira Sobral, Laboratório de Herpetologia, BR 343, Km 3,5 - CEP 64800-000, Floriano, PI, Brasil.

Referências

BOTELHO, H. A. Determinação da curva de crescimento e alometria de pacu (Piaractus mesopotamicus), tambaqui (Colossoma macropomum) e seus híbridos. Revista Agrarian, v. 12, p. 97–103, 2019.

BOUR, R.; ZAHER, H. A new species of mesoclemmys, from the open formations of northeastern Brazil (Chelonii, Chelidae). Papeis Avulsos de Zoologia, v. 45, n. 24, p. 295–311, 2005.

BUJES, C. S. Os Testudines continentais do Rio Grande do Sul , Brasil : taxonomia , história natural e conservação. Iheringia - Série Zoologia, v. 100, n. 4, p. 413–424, 2010.

BURKE, A. C. The Development and Evolution of the Turtle Body Plan : Inferring Intrinsic Aspects of the Evolutionary Process from Experimental Embryology. American Society of Zoologists, p. 616–627, 1991.

CLARK, K; BENDER, G; MURRAY, B. P; PANFILIO, K; COOK, S; DAVIS, R; MURNEN, K; TUAN, R. S; GILBERT, S. F. Evidence for the Neural Crest Origin of Turtle Plastron Bones. Genesis, p. 111–117, 2001.

CARROLL, R. L. Problems of turtle ancestry. in: brinkman d., holroyd p., gardner j. (eds) morphology and evolution of turtles. vertebrate paleobiology and paleoanthropology. Springer, dordrecht 2013.

Costa, H.C. & R.S. Bérnils. 2018. Répteis do Brasil e suas Unidades Federativas: Lista de espécies. Revista de Herpetologia Brasileira, Piraquara-PR, 7 (1):11-42.

COSTA, J. DA S; FIGUEIRÓ, M. R; MARQUES, L. S; SCHIERHOLT, A. S; MARQUES, J. R. F. COMPORTAMENTO PRODUTIVO DE MUÇUÃS (Kinosternon scorpioides spp. Linnaeus, 1766) NA ILHA DE MARAJÓ, ESTADO DO PARÁ. Embrapa Amazônia Oriental, p. 1–4, 2015.

COSTA, J. S; MARQUES, L.C; SILVA, C. S; FIGUEIRÓ, M. R; SALES, R.L; DA SILVA FILHO, E; GUIMARÃES, D. A. A; MARQUES, J. R. F. Características produtivas de Kinosternon scorpioides nas fases de acasalamento, postura e eclosão, criados em cativeiro na Amazônia. Archivos de Zootecnia, p. 387–394, 2017.

FLEXA, C. E.; SILVA, K. C. A.; CINTRA, I. H. A. MORFOMETRIA DO CAMARÃO-CANELA, Macrobrachium amazonicum(HELLER, 1862), NO MUNICÍPIO DE CAMETÁ – PARÁ. Boletim Técnico Científico do CEPNOR, v. 5, n. 1, p. 41–54, 2005.

GILBERT, S. F; LOREDO, G. A; BRUKMAN, A; BURKE, A.C. Morphogenesis of the turtle shell: The development of a novel structure in tetrapod evolution. Evolution and Development, v. 3, p. 47–58, 2001.

GOMIERO, J. S. G. et al. CURVAS DE CRESCIMENTO MORFOMÉTRICO DE PIRACANJUBA (Brycon orbignyanus). Ciência e Agrotecnologia, v. 33, n. 3, p. 882–889, 2009.

KARDONG, KENNETH V. Vertebrados: anatomia comparada, função e evolução. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.

LIMA, M. S. C. S; PEDERASSI, J.; SOUZA, C. A. S. Avaliação do crescimento e alometria de Caiman latirostris (Crocodylia, Alligatoridae) em condições seminaturais de manejo. Cadernos UniFOA, v. 19, p. 73–80, 2012.

MANDARIM-DE-LACERDA, C. A. Métodos Quantitativos em Morfologia. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1995.

MATHER, K. Elementos de biometria; tradução de Álvaro Marchi e outros. S. Paulo, Polígon e Editôra da Universidade de São Paulo, 1968.

MEDEM, F. Contribuiciones al conocimiento sobre la ecologia y distribucion geografica de Phrynops (BATRACHEMYS) Dahli; (TESTUDINATA, PLEURODIRA, CHELIDAE). Caldasia, v. 9, p. 467–489, 1966.

MOLINA, F. DE B. Observações sobre o comportamento agnístico de cágados Phrynops geoffroanus (Schweigger, 1812) (Reptilia, Testudines, Chelidae) em cativeiro. Biotemas, p. 79–84, 1992.

OKTAVIANI, D; ANDAYANI, N; KUSRINI, M. D; NUGROHO, D. Identifikasi Dan Distribusi Jenis Labi-Labi. J. Lit. Perikan., v. 14, p. 145–157, 2008.

PIGNATI, M. T.; PEZZUTI, J. C. B. Alometria reprodutiva de Podocnemis unifilis (Testudines: Podocnemididae) na várzea do baixo rio Amazonas, Santarém, Pará, Brasil. Iheringia - Serie Zoologia, v. 102, n. 1, p. 48–55, 2012.

RODRIGUES, M. DE J. J; CARDOSO, E. DA C.; CINTRA, I. H. A.; SOUZA, R. F. C. Morfometria e redimento de carapaça de tartaruga-da-Amazônia, Podocnemis expansa (SCHWEIGGER, 1812) em ambiente natural. Revista Ciências Agrárias, p. 161–168, 2005.

SALERA-JUNIOR, G.; MALVASIO, A.; PORTELINHA, T. C. G. Avaliação de padrão irregular dos escudos do casco em Podocnemis expansa e Podocnemis unifilis (Testudines, Podocnemididae). Acta Amazonica, v. 39, p. 429–436, 2009.

Downloads

Publicado

2020-09-24

Edição

Seção

Ciências Biológicas e da Saúde

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)