Educação em Tempos Neoliberais: ferramentas para leitura da concepção de Educação Superior do Banco Mundial (Relatório de Novembro de 2017)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v16.n46.3550

Palavras-chave:

oliberalismo. Educação Neoliberal. Crise na Educação.

Resumo

Resumo: o presente texto tem o objetivo de oferecer um gradiente de leitura que permita compreender, analisar e criticar o relatório ‘Um Ajuste Justo: Análise da Eficiência e Equidade do Gasto Público no Brasil’, publicado no mês de novembro de 2017, pelo Grupo Banco Mundial. Acreditando que o relatório encontra-se fortemente permeado por uma lógica neoliberal, o artigo toma a noção de neoliberalismo como guia para a leitura do documento. São apresentados conceitos de autores como Ball (2004), Bauman e Bordoni (2016), Dardot e Laval (2016), Veiga-Neto (2002), dentre outros. O texto encontra-se estruturado em cinco partes: “Neoliberalismo: conhecer para combater”; “Estado em tempos neoliberais”; “O sujeito neoliberal”, “Educação em Tempos Neoliberais” e “Alguns apontamentos”. Neste último tópico são apresentadas algumas observações finais que auxiliam a compreender o relatório como parte de uma rede de interesses pautada pelo capital, situada dentro do modelo neoliberal, que entende os investimentos em educação não como investimentos, mas como gastos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Cristiano Hass da Silva, Doutorando em Educação na UNISINOS

Graduado (licenciatura e bacharelado) em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), doutorando em Educação na Unisinos.

Referências

BALL, S. J. Educação Global S.A. Novas redes políticas e o imaginário neoliberal. Editora UEPG, 2014.

BAUMAN, Z.; BORDONI, C. Estado de Crise. Rio de Janeiro: Zahar, 2016.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A Nova Razão do Mundo: ensaios sobre a sociedade Neoliberal, 2016.

LAVAL; DARDOT. El neoliberalismo es una forma de vida, no sólo una ideología o una política económica. In: Interferencias. Disponível. em: http://www.eldiario.es/interferencias/neoliberalismo-ideologia-politica-economica-forma_6_312228808.html.

LEWKOWICZ, I. Escuela y Cidadanía. In: COREA, Cristina; LEWKOWICZ, I. Pedagogía del Aburrido: Escuelas destituidas, familias perplejas. Buenos Aires: Paidós, 2010.

LIMA, L. A Educação faz tudo? Crítica ao Pedagogismo na ‘sociedade da aprendizagem’. Revista Lusófona de Educação, v. 15, p. 41-542010.

RELATÓRIO DO BANCO MUNDIAL. Um Ajuste Justo. Análise da Eficiência e Equidade do Gasto Público no Brasil. Novembro de 2017.

SIMONS, M.; MASSCHELEIN, J. Se nos hace creer que se trata de nuestra libertad: notas sobre la irinia del dispositivo de aprendizaje. Pedagogia y Saberes, nº 38, Universidad Pedagógica Nacional, Facultad de Educación, p. 93-102, 2013.

VEIGA-NETO, A. De geometrias, currículo e diferenças. Educação & Sociedade, ano XXIII, n° 79, agosto/ 2002.

Downloads

Publicado

2021-08-26

Edição

Seção

Ciências Sociais Aplicadas e Humanas