Conhecimento de profissionais de saúde do SUS acerca da paracoccidioidomicose no município de Valença-RJ.

Autores

  • Thaís Helena Cassarotti Faculdade de Medicina, Centro Universitário de Valença, UNIFAA
  • Thaynara Alves de Souza Maciel Faculdade de Medicina, Centro Universitário de Valença, UNIFAA
  • Luiz Henrique Conde Sangenis Faculdade de Medicina, Centro Universitário de Valença, UNIFAA, disciplina de Doenças Infecciosas e Parasitárias

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v0.n0.3579

Palavras-chave:

Paracoccidioidomicose. Doença endêmica. Profissional de saúde. Conhecimento. Sistema Único de Saúde.

Resumo

A paracoccidioidomicose é a micose sistêmica mais importante da América Latina. Representa importante problema de saúde pública por ter alto potencial incapacitante, principalmente para parcelas como os trabalhadores rurais, que apresentam grandes deficiências de acesso aos serviços de saúde. Apesar de muito comum, ainda é pouco conhecida, impondo uma série de desafios para o Sistema Único de Saúde no Brasil. O presente estudo objetivou investigar o conhecimento dos profissionais de saúde (médicos, odontólogos e enfermeiros) que atuam no SUS do município de Valença-RJ a respeito da paracoccidioidomicose. Cerca de 60% dos médicos responderam não estar aptos para diagnosticar e tratar a doença. Entre odontólogos e enfermeiros foi constatado grande desconhecimento acerca da doença. Entre os odontólogos 67% afirmaram já terem ouvido falar da paracoccidioidomicose, no entanto nenhum deles sabia como diagnosticar e tratar. Entre os enfermeiros, 75% nunca tinham ouvido falar da doença. Considerando o baixo conhecimento dos profissionais de saúde a respeito da paracoccidioidomicose revelados por este estudo e que o Brasil apresenta altas taxas de endemicidade, torna-se necessário investir no ensino e na capacitação de todos os profissionais de saúde que atuam no SUS para melhora da abordagem e do manejo da doença.    

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís Helena Cassarotti, Faculdade de Medicina, Centro Universitário de Valença, UNIFAA

Aluna de Iniciação Científica do Curso de Medicina de Valença, disciplina de Doença Infecciosas e Parasitárias.

Thaynara Alves de Souza Maciel, Faculdade de Medicina, Centro Universitário de Valença, UNIFAA

Aluna de Iniciação Científica do Curso de Medicina de Valença, disciplina de Doenças Infecciosas e Parasitárias

Luiz Henrique Conde Sangenis, Faculdade de Medicina, Centro Universitário de Valença, UNIFAA, disciplina de Doenças Infecciosas e Parasitárias

Professor Titular da disciplina de Doenças Infecciosas e Parasitárias da Faculdade de Medicina de Velença, UNIFAA; Professor Assistente da disciplina de Doenças Infecciosas e Parasitárias do Curso de Medicina do Centro Universitário de Volta Redonda, UNIFOA; Médico Infectologista do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, Fiocruz, Mestre e Doutor em Doenças Infecciosas e Parasitárias.

Referências

AMBRÓSIO, A.V.A.; CAMELO, C. C. S.; BARBOSA, C. V.; TOMAZATTI, F. G.; BRAZÕES, F. A. S.; VELOSO, J. M. et al. Paracoccidioidomicose (doença de Lutz-Splendore-Almeida): Propedêutica complementar, diagnóstico diferencial, controle de cura. Revista Médica de Minas Gerais, v.24, n.1, p. 81-92, 2014. doi: 10.5935/2238-3182.20140021

BARROS, L.; ASSIS, E. M.; GOMES, H. E.; SOUZA, P. E. A.; HORTA, M. C. R. Paracoccidioidomicose na mucosa oral: relato de caso. Revista Portuguesa de Estomatologia, Medicina Oral e Cirurgia Maxilofacial. v. 59, n. 3, p. 174-179, 2018. http://doi.org/10.24873/j.rpemd.2018.11.236

FIOCRUZ, Fundação Oswaldo Cruz. Doença rural negligenciada afeta 30 mil brasileiros. Agência Fiocruz de Noticias, 2013. Disponível em: <https://agencia.fiocruz.br/doen%C3%A7a-rural-negligenciada-afeta-30-mil-brasileiros>. Acesso em: 08 nov. 2019.

GIRARDI, F. M. SCROFERNEKER, M. L.; GAVA, V.; PRUINELLI, R. Head and neck manifestations of paracoccidioidomycosis: an epidemiological study of 36 cases in Brazil. Mycopathologia. v. 173, n. 2-3. p. 139-144, 2012. doi: 10.1007/s11046-011-9488-5

GONÇALVES, A. J.; Londero, A. T.; Terra, G. M.; Rozenbaum, R.; Abreu, T. F.; Nogueira, S. A. Paracoccidioidomycosis in children in the state of Rio de Janeiro (Brazil). Geographic distribution and the study of a "reservarea". Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo. n. 40, v.1, p. 11-13, 1998. doi: 10.1590/s0036-46651998000100003

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Valença (RJ)/ Cidades e Estados, 2020. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/rj/valenca.html>. Acesso em: 12 set. 2020.

IKUTA, C. R. S.; TIEGHI-NETO, V.; IMADA, T. S. N.; LIMA, H. G.; LARA, V. S.; SANTOS, P. S. S. Paracoccidioidomicose crónica: caraterísticas intraorais em um relato de caso clínico. Revista Portuguesa de Estomatologia, Medicina Oral e Cirurgia Maxilofacial. v. 56, n. 4, p. 246-250, 2015. http://dx.doi.org/10.1016/j.rpemd.2015.08.003

MACEDO, P. M.; ALMEIDA-PAES, R.; FREITAS, D.F.; VARON, A. G.; PAIXÃO, A. G.; ROMÃO A. R. et al. Acute juvenile Paracoccidioidomycosis: A 9-year cohort study in the endemic area of Rio de Janeiro, Brazil. PLoS Neglected Tropical Diseases. v. 11, n. 3, p. e0005500, 2017. doi: 10.1371/journal.pntd.0005500.

MILLINGTON, M. A.; NISHIOKA, S. A.; MARTINS, S. T.; SANTOS, Z. M. G. D.; LIMA-JÚNIOR, F. E. F.; ALVES, R. V. Paracoccidioidomicose: abordagem histórica e perspectivas de implantação da vigilância e controle. Epidemiologia e Serviços de Saúde. v. 27 n. esp, p. e0500002, 2018. doi: 10.5123/S1679-49742018000500002

PEREIRA, R. T. A.; FERREIRA, V. A consulta de enfermagem na Estratégia Saúde da Família. Revista UNIARA. v. 17, n. 1, p. 99-111, 2014.

SHIKANAI-YASUDA, M. A.; MENDES, R. P.; COLOMBO, A. L.; QUEIROZ-TELLES, F.; KONO, A. S. G.; PANIAGO, A. M. M. et al. Brazilian guidelines for the clinical management of paracoccidioidomycosis. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. v. 50, n. 5, p. 715-740, 2017. doi: 10.1590/0037-8682-0230-2017

VALLE, A. C. F.; MARQUES DE MACEDO, P.; ALMEIDA-PAES, R.; ROMÃO, A. R.; LAZÉRA, M. D. S.; WANKE, B. Paracoccidioidomycosis after Highway Construction, Rio de Janeiro, Brazil. Emerging Infectious Diseases. v. 11, p. 917-1919, 2017. doi: 10.3201/eid2311.170934

WANKE, B.; AIDÊ, M. A. Chapter 6 – Paracoccidioidomycosis. Jornal Brasileiro de Pneumologia. v. 35, n. 12, p. 1245-1249, 2009.

WANKE, B.; LONDERO, A. T. Epidemiology and paracoccidioidomycosis infection. In: Franco MF, Lacaz CS, Restrepo-Moreno A, Del Negro G, editors. Paracoccidioidomycosis. Boca Raton: CRC Press, 1994. p. 109-120.

WHO, World Health Oganization. First WHO report on neglected tropical diseases: working to overcome the global impact of neglected tropical diseases. Geneva, World Health Organization, 2010.

Downloads

Publicado

2021-09-06

Edição

Seção

Ciências Biológicas e da Saúde

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)