Condições bucais autorrelatadas e fatores associados em uma população adulta do Distrito Ferraria, Campo Largo, Paraná, Brasil

Autores

Palavras-chave:

Adultos. Epidemiologia. Estudos transversais. Saúde Bucal.

Resumo

Foram caracterizadas as condições de saúde bucal e fatores associados em uma população de com participação de 373 indivíduos, com 18 anos ou mais, de ambos os gêneros. Um questionário com 89 perguntas foi autoaplicado e contemplava variáveis sociodemográficas, de hábitos, comportamentos, moradia e segurança, e condições de saúde bucal. Dos participantes, 73,2% eram mulheres, das quais 57,1% eram chefes de família, com média de idade de 48,9 anos. Brancos compuseram 44% da amostra. Quanto à escolaridade 42,6% tinham 12 anos ou mais de estudo. A condição bucal autorrelatada foi “boa” para 41%. A extração ou perda dentária foi relatada por 78% dos pesquisados, com maior perda na arcada dentária inferior. Dos que afirmaram usar “dentadura” ou “chapa” (33%), 17% correspondiam à arcada superior, e a maior necessidade foi percebida para ambas as arcadas (13%). A autopercepção necessidade de tratamento para cárie dentária (33%) foi superior aos problemas gengivais (14%). Em relação à dor de dente, 84% indicaram ter tido um episódio algum momento da vida, e para 56,4% isso ocorreu nos últimos 12 meses. Para 60% não houve recebimento de orientação acerca de prevenção ou saúde bucal nos últimos 12 meses. Em conclusão, a população estudada apresentou problemas bucais relevantes que podem estar associados a um contexto menos favorável, portanto são necessárias estratégias voltadas para a melhoria da condição de vida dos sujeitos que resultem em impactos positivos também na saúde bucal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ellyslaine Coimbra Oliveira, Universidade Positivo

Escola de Ciências da Saúde

Vanessa Moraes de Oliveira, Universidade Positivo

Escola de Ciências da Saúde.

Luiza Foltran de Azevedo Koch, Universidade Positivo

Escola de Ciências da Saúde

Pablo Guilherme Caldarelli, Universidade Positivo

Escola de Ciências da Saúde

Marilisa Carneiro Leão Gabardo, Universidade Positivo

Escola de Ciências da Saúde

Referências

ANDERSEN, R. M National health surveys and the behavioral model of health services use. Medical Care, v. 46, n. 7, p. 647-653, 2008.

BARBATO, P. R.; PERES, K. G. Contextual socioeconomic determinants of tooth loss in adults and elderly: a systematic review. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 18, n. 2, p. 357-371, 2015.

BARROS, M. B. A. Inquéritos domiciliares de saúde: potencialidades e desafios. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 11(Supl. 1), p. 6-19, 2008.

BASTOS, J. L. et al. Periodontal outcomes and social, racial and gender inequalities in Brazil: a systematic review of the literature between 1999 and 2008. Cadernos de Saúde Pública, v. 27(Supl. 2), p. 141-153, 2011.

BATISTA, M. J.; SILVA, D. D.; SOUSA, M. L. R. Oral health in an adult population in a municipality of Paulínia, São Paulo. Revista de Odontologia da UNESP, v. 39, n. 4, p. 185-191, 2010.

BOING, A. F. et al. Determinantes sociais da saúde e cárie dentária no Brasil: revisão sistemática da literatura no período de 1999 a 2010. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 17(Supl. 2), p. 102-115, 2014.

BOING, A. F. et al. Estratificação sócio-econômica em estudos epidemiológicos de cárie dentária e doenças periodontais: características da produção na década de 90. Cadernos de Saúde Pública, v. 21, n. 3, p. 673-678, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Departamento de Assistência e Promoção à Saúde. Coordenação de Saúde Bucal Diretrizes da Política Nacional de Saúde Bucal. Brasília: Ministério da Saúde, 2004b. 16 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Divisão Nacional de Saúde Bucal. Levantamento Epidemiológico em Saúde Bucal: Brasil, zona urbana. Brasília: Ministério da Saúde, 1986. 137 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Departamento de Assistência e Promoção à Saúde. Coordenação de Saúde Bucal. Levantamento Epidemiológico em Saúde Bucal: 1.ª etapa – cárie dental – projeto. Brasília: Ministério da Saúde, 1996.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Projeto SB Brasil 2003: condições de saúde bucal da população brasileira 2002-2003. Resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde, 2004a. 68 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. SB Brasil 2010: Pesquisa Nacional de Saúde Bucal: resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 116 p.

BRITO, F. S. Mulher chefe de família: um estudo de gênero sobre a família monoparental feminina. Revista Urutágua, v. 15, p. 42-52, 2006.

CAVALCANTE, F. T. et al. Prevalência de dificuldade na mastigação e fatores associados em adultos. Ciência & Saúde Coletiva, v. 24, n. 3, p. 1101-1110, 2019.

CAVENAGHI, S.; ALVES, J. E. D. Mulheres chefes de família no Brasil: Avanços e desafios. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Seguros, 2018 Disponível em: https://www.ens.edu.br/arquivos/mulheres-chefes-de-familia-no-brasil-estudo-sobre-seguro-edicao-32_1.pdf. Acesso em: 27 mar. 2020.

COSTA, S. M. et al. Socioeconomic factors and caries in people between 19 and 60 years of age: An update of a systematic review and meta-analysis of observational studies. International Journal of Environmental Research and Public Health, v. 15, n. 8, p. 1775, 2018.

CREMONESE, C. et al. Neighborhood sociodemographic and environmental contexts and self-rated health among Brazilian adults: a multilevel study. Cadernos de Saúde Pública, v. 26, n. 12, p. 2368-2378, 2010.

CHOUN, T. T. A. et al. Avaliação do conhecimento e comportamento dos pacientes em tratamento odontológico em relação à cárie, doença periodontal e higiene bucal. RPG, Revista de Pós-Graduação, v. 18, n. 3, p. 140-147, 2011.

DE ANDRADE, F. R.; NARVAI, P. C. Inquéritos populacionais como instrumentos de gestão e os modelos de atenção à saúde. Revista de Saúde Pública, v. 47(Supl. 3), p. 154-160, 2013.

ELDERTON, R. J. Preventive (evidence-based) approach to quality general dental care. Medical Principles and Practice, v. 12(Supl. 1), p. 12-21, 2003.

FERREIRA, R. C. et al. Education and income-based inequality in tooth loss among Brazilian adults: does the place you live make a difference? BMC Oral Health, v. 20, n. 1, p. 246, 2020.

FRAGA, G. J.; DIAS, J. Taxa de desemprego e a escolaridade dos desempregados nos estados brasileiros: estimativas dinâmicas de dados em painéis. Economia Aplicada, v. 11, n. 3, p. 407-424, 2007.

GABARDO, M. C. et al. Multilevel analysis of self-perception in oral health and associated factors in Southern Brazilian adults: a cross-sectional study. Cadernos de Saúde Pública, v. 31, n. 1, p. 49-59, 2015.

GERRITSEN, A. E. et al. Tooth loss and oral health-related quality of life: a systematic review and meta-analysis. Health and Quality of Life Outcomes. v. 8, p. 126, 2010.

HAIKAL, D. S. et al. O acesso à informação sobre higiene bucal e as perdas dentárias por cárie entre adultos. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 1, p. 287-300, 2014.

HAIKAL, D. S. et al. Validade da autopercepção da presença de cárie dentária como teste diagnóstico e fatores associados entre adultos. Cadernos de Saúde Pública, v. 33, n. 8, p. e00053716, 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico. Campo Largo, 2018a. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/campo-largo/panorama. Acesso em: 06 maio 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: síntese de indicadores. Segundo Trimestre de 2018, 2018b. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/2421/pnact_2018_2tri.pdf. Acesso em: 18 nov. 2020.

JEPSEN, S. et al. Prevention and control of dental caries and periodontal diseases at individual and population level: consensus report of group 3 of joint EFP/ORCA workshop on the boundaries between caries and periodontal diseases. Journal of Clinical Periodontology, v. 44(Supl. 18), p. S85-S93, 2017.

KOGA, D. Medidas de cidades: entre territórios de vida e territórios vividos. 2 ed. São Paulo: Cortez Editora, 2003.

MEDEIROS, J. J. et al. Edentulismo, uso e necessidade de prótese e fatores associados em município do Nordeste brasileiro. Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada, v. 12, n. 4, p. 573-578, 2012.

MOREIRA, R. S. et al. A saúde bucal do idoso brasileiro: revisão sistemática sobre o quadro epidemiológico e acesso aos serviços de saúde bucal. Cadernos de Saúde Pública, v. 21, n. 6, p. 1665-1675, 2005.

MORETTO, A. J.; PRONI, M. W. O desemprego no Brasil: Análise da trajetória recente. Revista Economia e Desenvolvimento, v. 10, n. 1, p. 7-29, 2011

MOURA, R. G.; LOPES, P. L.; SILVEIRA, R. C. Gênero e família: a mulher brasileira chefe de família. Que mulher é esta?. Volta Redonda. Cadernos UniFOA, v. 32, p. 55-66, 2016.

MOYSÉS, S. J. et al. Avanços e desafios à Política de Vigilância à Saúde Bucal no Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 47(Sup. 3), p. 161-167, 2013.

NARVAI, P. C. Avanços e desafios da Política Nacional de Saúde Bucal no Brasil. Revista Tempus Actas de Saúde Coletiva, v. 5, n. 3, p. 21-34, 2011.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO LARGO. Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente. Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano. Plano Diretor do Município de Campo Largo 2016-2026. Processo de Revisão, 2015. Disponível em: http://planodiretor.campolargo.pr.gov.br. Acesso em: 10 jul. 2019.

PUCCA JR., G. A. A política nacional de saúde bucal como demanda social. Ciência & Saúde Coletiva, v. 11, n. 1, p. 243-246, 2006.

RONCALLI, A. G.; CÔRTES, M. I. S.; PERES, K. G. A. Perfis epidemiológicos de saúde bucal no Brasil e os modelos de vigilância. Cadernos de Saúde Pública, v. 28(Sup.), p. 58-68, 2012.

RONCALLI, A. G. et al. Aspectos metodológicos do Projeto SBBrasil 2010 de interesse para inquéritos nacionais de saúde. Cadernos de Saúde Pública, v. 28(Supl), p. s40-s57, 2012.

SISTEMA ESTADUAL DE ANÁLISE DE DADOS (SEADE). Mulheres e arranjos familiares na metrópole. São Paulo: SEADE, 2020. Disponível em: https://www.seade.gov.br/wp-content/uploads/2020/03/Pesquisa-SEADE_Mulheres-chefes-fam%C3%ADlia_ok-1.pdf. Acesso em: 18 nov. 2020.

SILVA-JUNIOR, M. F. et al Condição de saúde bucal e motivos para extração dentária entre uma população de adultos (20-64 anos). Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, n. 8, p. 2693-2702, 2017.

SILVA, J. V.; OLIVEIRA, A. G. R. C. Individual and contextual factors associated to the self-perception of oral health in Brazilian adults. Revista de Saúde Pública, v. 52, 29, 2018.

SILVA JUNIOR, M. G.; PINHEIRO, D. N.; RODRIGUES, H. D. I. Perfil socioepidemiológico das famílias atendidas em uma Estratégia de Saúde da Família. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, v. 6, n. 3, p. 2525-2537, 2015.

VETTORE, M. V.; AQEELI, A. The roles of contextual and individual social determinants of oral health-related quality of life in Brazilian adults. Quality of Life Research, v. 25, n. 4, p. 1029-1042, 2016.

Downloads

Publicado

31-03-2022

Como Citar

OLIVEIRA, E. C.; DE OLIVEIRA, V. M.; KOCH, L. F. de A.; CALDARELLI, P. G.; GABARDO, M. C. L. Condições bucais autorrelatadas e fatores associados em uma população adulta do Distrito Ferraria, Campo Largo, Paraná, Brasil. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, 2022. Disponível em: https://revistas.unifoa.edu.br/cadernos/article/view/3711. Acesso em: 29 nov. 2022.

Edição

Seção

Ciências Biológicas e da Saúde