Programa habitacional e moradias longínquas: acesso ou retrocesso ao direito à cidade?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v17.n49.3914

Palavras-chave:

Cidade. Moradia. Periferia. Mulheres. Mulheres Negra.

Resumo

O presente artigo apresentará reflexões sobre a localidade do Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV) e os seus impactos para os proprietários da “casa própria”. A Política Pública Habitacional do referido projeto buscou reparar um fosso habitacional histórico, mas, perdeu-se para a especulação imobiliária e os proponentes passaram a ser mercadorias do capitalismo. Note-se, ademais, que os moradores do PMCMV foram relegados as periferias da cidade, o direito à cidade foi cerceado e os serviços públicos ofertados de maneira tímida. É cabível, salientar que as regiões centrais dos municípios possuem toda estrutura para atender aos moradores na sua plenitude. Diante disso, o objetivo do estudo é abordar se os empreendimentos do PMCMV têm os mesmos serviços ofertados pelo Estado às regiões centrais e entender qual o público mais impactado com o desserviço do governo. A metodologia utilizada neste artigo refere-se a revisão bibliográfica, perpassando por questões sobre o direito à cidade, localidade PMCMV e o público impactado com essa política habitacional. Vimos que os movimentos sociais neste contexto, são de extrema importância, pois através deles que a sociedade se fortalece e as pautas são levadas as autoridades do Estado. Os órgãos governamentais precisam assumir essa responsabilidade de rechaçar a segregação habitacional, propiciar serviços dignos aos moradores da periferia de forma a diminuir os percalços sofridos cotidianamente pelas mulheres, principalmente as mulheres negras. Assim, a sociedade deve ter a preocupação em construir um mundo mais plural, igual e que todas as formas de discriminação de gênero, raça e etnia sejam afastadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Barbosa dos Santos Lima, Unigranrio

Mestrando em Humanidades, Cultura e Artes

Referências

BRASIL. Lei 11.977, de 07 de julho de 2009. Dispõe sobre o Programa Minha Casa, Minha Vida. Brasília- DF, Diário Oficial da União.

BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Constituição Federal de 1988. Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 12 jan. 2022.

CARDOSO, A. L.; ARAGÃO, T. A.; ARAUJO, F. S. Habitação de interesse social: política ou mercado? Reflexos sobre a construção do espaço metropolitano. XIV Encontro Nacional da ANPUR. Rio de Janeiro, maio de 2011.

CARVALHO, A. W. B.; STEPHAN, I. I. C. Eficácia social do Programa Minha Casa Minha Vida: discussão conceitual e reflexões a partir de um caso empírico. Cad. Metrop., São Paulo, v. 18, n. 35, p. 283-307, abr. 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/2236-9996.2016-3513

DOSSIÊ: MULHERES NEGRAS E JUSTIÇA REPRODUTIVA 2020 - 2021. Instituto da Mulher Negra e Criola, 2020/2021. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1eHGSM3DmKx1m9NbXEqrFBKRQQnZgeoBx/view. Acesso em: 10 jan. 2022.

DOSSIÊ MULHERES NEGRAS. A situação dos direitos humanos das mulheres negras no Brasil: violências e violações. Geledés Instituto da Mulher Negra e Criola, 2016. Disponível em: https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2016/11/Dossie-Mulheres-Negras-PT-WEB3.pdf. Acesso em: 10 jan. 2022.

GIST, N. P.; FAVA, S. F. La Sociedad Urbana. Barcelona, Espanha: Ediciones Omega, 1968.

HELENE, D. Gênero e direito à cidade a partir da luta dos movimentos de moradia. Cad. Metrop., São Paulo, v. 21, n. 46, p. 951-974, set./dez. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/2236-9996.2019-4612

HOFF, T. R. Mulher, segregação urbana e redes de sociabilidade.Uma alternativa de (re)ação feminina? VIII Seminário Internacional sobre Desenvolvimento Regional. Santa Cruz do Sul, RS, (2017). Disponível em: https://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/sidr/article/view/16734/4389. Acesso em: 12 jan. 2022.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. Tradução de Rubens Eduardo Frias. São Paulo: Centauro, 2001.

LIMA, L. S. et al. O fenômeno do espraiamento urbano e seus impactos na acessibilidade ao trabalho em fortaleza. 33º ANPET – Congresso de pesquisa e ensino em transportes, Santa Catarina, p. 1-12, nov. 2019.

LIMA, D. F. A.A política de titularidade residencial feminina no contexto da política pública habitacional. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual do Ceará, 2012.

MADARIAGA, I. S. Urbanismo com perspectiva de género. Sevilla: Instituto Andaluz de laMujer/Junta de Andalucía/Fondo Social Europeo, 2004. Disponível em:http://www.generourban.org/documentos/98.pdf.Acesso em: 12 jan. 2022.

MASCARENHAS, F. O pedaço sitiado: cidade, cultura e lazer em tempos de globalização. Rev. Bras. Cienc. Esporte, Campinas, v. 24, n. 3, p. 121-143, maio 2003.

MASTRODI, J.; BATISTA, W. M. O dever de cidades includentes em favor das mulheres negras. Revista de Direito da Cidade, UERJ, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 1-25, 2018. DOI: https://doi.org/10.12957/rdc.2018.31664

MELO, H. P. Gênero e pobreza no Brasil. Relatório Final do projeto Governabilidad Democratica de Género en America Latina y el Caribe. CEPAL/SPM. Brasília, 2005. Disponível em: http://portal.mte.gov.br/data/files/ FF8080812BAFFE3B012BCB0B9B4B1EBA/ GEneroPobreza_Brasil04.pdf. Acesso em: 20 mar. 2022.

MILANO, J. Z.; BONADIO, M. G. Centro versus periferia: a produção periférica de habitação social na cidade modelo brasileira. Cuadernos de Vivivenda y Urbanismo, v. 6, p. 140-155, 2013.

NERY, D. S. P.O programa minha casa minha vida como estratégia de enfrentamento à situação de violência doméstica contra a mulher: considerações sobre a experiência das assistentes sociais da subsecretaria de habitação do município de Duque de Caxias (RJ). CBAS - Anais do 16º Congresso Brasileiro de Assistentes Sociais, Brasília, p. 1-12, out. / nov. 2019.

ONU. Organizações das Nações Unidas. The New Urban Agenda, 2016. Disponível em: http://habitat3.org/the-new-urban-agenda. Acesso em: 13 jan. 2022.

PAGANI, E. B. S.; ALVES, J. M. Impactos socioeconômicos do programa minha casa, minha vida. VIII Jornada Internacional Políticas Públicas. São Luís, MA. 2015. Disponível em: http://www.joinpp.ufma.br/jornadas/joinpp2015/pdfs/eixo11/impactossocioeconomicos-do-programa-minha-casa-minha-vida.pdf. Acesso em: 12 jan. 2022.

QUEIROZ, M. M. S. Trilogia Institucional na Aplicação de Diretrizes Operacionais para a Habitação Popular: Sociedade, Poder Municipal e Universidade Pública. VI Projetar 2013.Projeto como Instrumento da Materialização da Arquitetura: ensino, pesquisa e prática, Salvador, 2013.

RAUL, J. M. Mulheres negras, movimento sociais e direito à cidade. Revista Eletrônica de Estudos Urbanos e Regionais, n. 22, p. 46-53, set. 2015.

REIS, É. V. B.; VENÂNCIO, S. R. O direito à cidade e a participação popular no planejamento urbano municipal. Revista de Direito e Desenvolvimento, João Pessoa, v. 7, n. 2, p. 222-247, 2016. Disponível em: https://periodicos.unipe.br/index.php/direitoedesenvolvimento/article/view/326” t “_new. Acesso em: 13 jan. 2022. DOI: https://doi.org/10.26843/direitoedesenvolvimento.v7i2.326

RETRATO DAS DESIGUALDADES DE GÊNERO E RAÇA. IPEA – Instituto de pesquisa econômica aplicada com a participação de Organização das Nações Unidas – ONU mulheres; Secretaria de políticas para as mulheres e Secretaria de políticas de promoção da igualdade racial. Brasília, 2011. Disponível em:http://www.ipea.gov.br/retrato/pdf/revista.pdf. Acesso em: 12 jan. 2022.

SANTOS, D. P.; FERREIRA, I. M. A segregação espacial e residencial na cidade contemporânea. Disponível em: https://openaccess.blucher.com.br/article-details/a-segregacao-espacial-e-residencial-na-cidade-contemporanea-19953. Acesso em: 11 jan. 2021.

SCOTT, J. Gender: a useful category of historical analyses. New York: Columbia University Press, 1989. Traduzido por DABAT, Christine e ÁVILA, Maria B. Disponível em: http://www.observem.com/upload/935db796164ce35091c80e10df659a66.pdf. Acesso em: 12 jan. 2022.

SENNETT, R. Carne e Pedra. São Paulo: Record, 2003.

SOUZA-LOBO, E. A classe trabalhadora tem dois sexos. Trabalho, dominação e resistência. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2011.

SPOSITO, M. E. B. Novas formas comerciais e redefinição da centralidade intraurbana. In: SPOSITO, M. E. B. (Org.). Textos e contextos para a leitura geográfica de uma cidade média. Presidente Prudente: GAsPERR/FCT/UNESP, p. 235-254, 2001.

Downloads

Publicado

02-08-2022

Como Citar

LIMA, D. B. dos S. .; BARROS, G. dos S. Programa habitacional e moradias longínquas: acesso ou retrocesso ao direito à cidade?. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, v. 17, n. 49, p. 111–121, 2022. DOI: 10.47385/cadunifoa.v17.n49.3914. Disponível em: https://revistas.unifoa.edu.br/cadernos/article/view/3914. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

Ciências Sociais Aplicadas e Humanas