Representação feminina nas animações “O laboratório de Dexter” e “Johnny Test”

uma análise discursiva

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v19.n54.4803

Palavras-chave:

Desenho animado, feminino, discurso patriarcal, imaginário

Resumo

Tendo como base teórico-metodológica a Análise de Discurso Materialista, o objetivo da pesquisa consistiu em contribuir para os estudos sobre o imaginário construído para o feminino sob o pano de fundo da ciência. A partir do recorte de cenas extraídas dos desenhos Laboratório de Dexter e Johnny Test, buscamos compreender como os desenhos animados infantis representam imaginariamente o gênero feminino na relação com a ciência. Para isso, mobilizamos as noções de imaginário, discurso e formação discursiva Como resultado, a análise permitiu compreender que, embora haja uma tendência à estereotipia da mulher, desqualificando-a do contexto científico, há momentos de deslocamentos que agitam as redes de filiações históricas, permitindo outros sentidos para o feminino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabela Dorigatti Nery , Universidade Federal de São Carlos

Aluna do curso de Administração da Universidade Federal de São Carlos, campus Lagoa do Sino. 

Ilka de Oliveira Mota, Universidade Federal de São Carlos

Mestre em Linguística e doutora em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas. É professora associada III da Universidade Federal de São Carlos, campus Lagoa do Sino. Além disso, tem atuado como professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, campus Três Lagoas.

Referências

CHASSOT, A. A ciência é masculina? É, sim senhora! Contexto e Educação. Editora Unijui, nº 71/72. 2004.

CORACINI, M. J. R. F. “O olhar da ciência e a construção da identidade do professor de língua”. In: Maria José Rodrigues Faria Coracini e Ernesto Sérgio Bertoldo. (orgs.). O desejo da teoria e a contingência da prática. Discursos sobre-na sala de aula de língua materna e língua estrangeira. Campinas, SP: Mercados de Letras, p. 193-210, 2003.

COURTINE, J. J. Définition d’orientations théoriques et construction de procédures en analyse du discours. Philosophiques, Québec, v. 9, n. 2, p. 239-264, oct. 1982. DOI: https://doi.org/10.7202/203194ar

FOUCAULT, M. Arqueologia do saber. Petrópolis; Lisboa: Centro do Livro Brasileiro, 1972.

FRANZÃO, C. R. S. A Intertextualidade Geradora de Sentido no Gênero Desenho Animado de Núcleo Familiar “Os Simpsons”. Universidade Estadual Paulista (UNESP), 2009.

FREUD, S. El Chiste e su Relación con lo Inconciente. In: Obras Completas, volumen 8. Traducción directa del alemán de José L. Etcheverry. Buenos Aires: Amorrortu. 2ª ed., 1ª reimpressão, 1905, [1989].

MARINHO, C. C. A. Signos em Animação – uma introdução à linguagem do desenho animado. Dissertação de Mestrado. PPG em Comunicação e Semiótica – PUCSP. 1992. 170p.

MOTA, I. O.; NOBRE, Y. O. M. Representações sobre ciência e cientista em Pokemon e Lilo & Stitch. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 23, n. 46, p. 180–199, 2020. DOI: https://doi.org/10.20396/lil.v46i46.8661634

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso: Princípios & Procedimentos. Campinas, Pontes, 1999.

ORLANDI, E. P. Segmentar ou recortar. In: Série Estudos. Nº 10. Faculdades Integradas de Uberaba (Linguística: Questões e Controvérsias), 1984. p. 9-26.

ORLANDI, E. P. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. 4ª. Ed., 2ª. reimpressão. Campinas, SP: Pontes, 1983 [2001].

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. 2ª. Ed. Trad. Eni Puccinelli Orlandi. Campinas, SP: Editora Pontes, 1983 [1990].

PISCITELLI, A. Re-criando a (categoria) mulher? Textos Didáticos, Campinas: IFCH/UNICAMP, n. 48 (A prática feminista e o conceito de gênero), p. 7-42, 2002. Número organizado por Leila Mezan Algranti.

RAEL, C. C. Gênero e sexualidade nos desenhos da Disney. In: LOURO, G. L.; FELIPE, J.; GOELLNER, S. V. (Orgs). Corpo, Gênero, Sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Editora Vozes, 2013, p. 160-171.

SAFFIOTI, H. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo, SP: Perseu Abramo, 2004.

SILVA, F. F.; RIBEIRO, P. R. C. Trajetórias de mulheres na ciência: “ser cientista” e “ser mulher”. Ciênc. Educ., Bauru, v. 20, n. 2, p. 449-466, 2014. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/1516-73132014000200012>. Acesso em: 08 ago. de 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/1516-73132014000200012

SILVA, T. M. S. Patriarcado e capitalismo: uma relação simbiótica. Temporalis, Brasília (DF), ano 15, n. 30, jul./dez. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/10969/8406. Acesso em: 10 out. de 2023. DOI: https://doi.org/10.22422/2238-1856.2015v15n30p475-494

Downloads

Publicado

21-03-2024

Como Citar

DORIGATTI NERY , Isabela; DE OLIVEIRA MOTA, Ilka. Representação feminina nas animações “O laboratório de Dexter” e “Johnny Test”: uma análise discursiva. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, v. 19, n. 54, p. 1–14, 2024. DOI: 10.47385/cadunifoa.v19.n54.4803. Disponível em: https://revistas.unifoa.edu.br/cadernos/article/view/4803. Acesso em: 24 maio. 2024.

Edição

Seção

Ciências Sociais Aplicadas e Humanas

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.