Corpo e sexualidade: os processos de normalização na dança

Autores

  • Carla Oliveira Santos Centro Universitário de Volta Redonda – UniFOA.
  • Aline Menezes de Oliveira Centro Universitário de Volta Redonda – UniFOA.
  • Marcelo Paraíso Alves Centro Universitário de Volta Redonda – UniFOA

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v8.n1%20(Esp.).84

Palavras-chave:

Dança, sexualidade, biopoder e normalização.

Resumo

O presente trabalho busca como centralidade a discussão da prática da dança por meninos dentro dos processos normalizadores, apropriando-se da história da sexualidade para explicar como surgiu a concepção de que homens que dançam são gays e explicitando conceitos como biopoder e normalização. A produção desta pesquisa partiu de um Projeto da Fundação Geração Futura, o Projeto COMUNI (Comunidade Unida) onde ministrávamos aulas de dança. A experiência no projeto mencionado nos permitiu refletir sobre alguns aspectos: dança é uma modalidade voltada apenas para meninas? Por que as turmas de dança, mais precisamente a do Projeto COMUNI existe a predominância de garotas? Por que há uma evasão tão grande de meninos nas turmas de dança? Existe um processo que normatiza, regula e controla os comportamentos do homem e da mulher? Qual a origem deste processo de normatização? O intuito do trabalho é possibilitar um debate acerca da sexualidade, mais especificamente discutindo os conflitos e tensões vivenciados no cerne do projeto citado. O artigo pretende inicialmente aproximar o leitor do espaço do Projeto COMUNI, contextualizando o espaço vivenciado pelos autores do trabalho. No segundo momento, o artigo se propõe a discutir a constituição histórica do processo de regulação e controle da sexualidade, bem como o conceito de biopoder. Posteriormente, buscou-se pensar o corpo a partir da corporeidade permitindo compreender a complexa rede que constituí o processo de subjetividade, dentre eles a questão de gênero. Por fim, perspectivaremos possíveis discussões acerca do papel do profissional de Educação Física frente aos processos exclusórios que emergem dos referidos processos de normatização. É relevante ressaltar que optou-se pela pesquisa bibliográfica descritiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACHAR, D. Ballet: uma arte. Rio de Janeiro: Ediouro, 1998. 354p.

ANDREOLI, G. S. Representações de masculinidades na dança contemporânea. 2010. 158 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2010.

BADIALI, M. F. Marias: biopolítica, vida nua e resiliência. 2009. 124 f. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2009.

BANDEIRA, E.; DOMINGUES, J. V. Entre malhas, sapatilhas e corpos esguios: as masculinidades do ballet clássico em Rio Grande. In: CONGRESSO SULBRASILEIRO DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, 5., 2010, Itajaí, Anais eletrônicos. Disponível em: http://www.rbceonline.org.br/congressos/index.php/sulbrasileiro/vcsbce/paper/viewFile/2129/1028. Acesso em: 25 mar. 2012.

BARBOSA, M. J. S. Chorar, verbo transitivo. Cadernos Pagu, v. 11, p. 321-343, 1998.

BRAGA, D. S. Vidas na fronteira - corpos, gêneros e sexualidades:estranhando a normalidade do sexo. In: 33ª Reunião Anual da ANPEd, Caxambu 2010. Disponível em: <http://www.anped.org.br/33encontro/app/webroot/files/file/Trabalhos%20em%20PDF/GT23-6128--Int.pdf>. Acesso em: 22 ago. 2011.

BRAGA, S. R. Os usos políticos da tecnologia, o biopoder e a sociedade de controle: considerações preliminares. Revista eletrônica de geografia e ciências sociais, v. VIII, n. 170, 2004.

CERVO, A. L. et al. Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007. 162 p.

CUPELLO, P. C. Loucura e Gênero no Hospital Nacional de Alienados (1920-1930). In: XIV Encontro da Associação Nacional de História. 2010. Disponível em: <http://www.encontro2010.rj.anpuh.org/resources/anais/8/1276709452_ARQUIVO_LLoucuraeGeneronoHospitalNacionaldeAlienado.pdf>. Acesso em: 07 jan. 2012.

DUARTE, A. Sobre a biopolítica: de Foucault ao século XIX. 2008. Disponível em: <http://www.revistacinetica.com.br/cep/andre_duarte.pdf >. Acesso em: 17 out. 2011.

FERREIRA, J. Humanismo, Biopoder e Soberania: Elementos para uma Discussão das Biotecnologias Contemporâneas. Revista Ciência e Cultura. v. 60, n.1, p. 32-35, 2008.

FRAGA, A. B. Corpo, identidade e bom-mocismo: cotidiano de uma adolescência bem comportada. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: edições Graal, 1979. 152p.

______. Microfísica do poder. 26. ed. São Paulo: Graal, 2008. 295p.

______. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 1989. 277p.

GOELLNER, S. V. A produção cultural do corpo. In: LOURO, Guacira Lopes et al(org). Corpo, gênero e sexualidade. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

KASPER, K. M. Dos corpos sentados aos gestos em fuga: corpos em processo de formação. Revista da Faculdade de Educação. ano IX, n. 15, p. 79-95, 2011.

LOURO, G. L. Gênero e sexualidade: as múltiplas “verdades” da contemporaneidade. In: GARCIA, Regina Leite. Diálogos cotidianos. Rio de Janeiro: DP et al., 2010. 357 p.

______. Gênero, sexualidade e educação. Petrópolis: Vozes, 1997.

______.Gênero, sexualidade e educação: das afinidades políticas às tensões teórico-metodológicas. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/edur/n46/a08n46.pdf>. Acesso em: 07/01/2012.

______. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. 168 p.

______. Teoria queer: uma política pós-identitária para a educação. 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ref/v9n2/8639.pdf >. Acesso em: 06/01/2012.

______. Um corpo estranho: ensaios sobre a sexualidade e teoria queer. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. 90 p.

MAIA, Antônio. Do biopoder à governamentalidade: sobre a trajetória da genealogia do poder. Currículo sem Fronteiras. v.11, n.1, p. 54-71, 2011.

MENDES, C. L. O corpo em Foucault: superfície de disciplinamento e governo. Revista de Ciências Humanas. n. 39, p. 167-181, 2006.

MONDARDO, M. L. O Corpo enquanto “primeiro” território de dominação: O biopoder e a sociedade de controle. Biblioteca On-line de Ciências da Comunicação. Disponível em: < http://www.bocc.ubi.pt>. Acesso em: 07 abr. 2012.

MORAES, P. P. et al. Do dispositivo das sexualidades ao dispositivo de gênero: um percurso de estudo. In: Encontro de Psicologia – Anais eletrônicos. 2006. Disponível em: <http://www.assis.unesp.br/encontrosdepsicologia/ANAIS_DO_XIX_ENCONTRO/111_PALOMA_PRISCILA_DE_MORAES.pdf>. Acesso em: 08 jan. 2012.

NEGREIROS, T. C. G. M.; CARNEIRO, T. F. Masculino e feminino na família contemporânea. Periódicos eletrônicos em Psicologia. v. 2004, n. 1, 2004, Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1808-42812004000100004&script=sci_arttext&tlng=pt> Acesso em: 09 jan. 2012.

NOLASCO, S. A desconstrução do masculino. Rio de Janeiro: Racco, 1995. 165p.

SANTOS, A. R. Metodologia científica: a construção do conhecimento. 6. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006. 166 p.

SANTOS, E. C. Um jeito masculino de dançar: Pensando a produção das masculinidades de dançarinos de Hip-hop. 2009. 124p. Dissertação (mestrado) – Universidade Rio Grande do Sul, 2009.

SILVA, D. P. M. Gênero e sexualidade nos pcn’s: uma proposta desconhecida. In: 31ª Reunião Anual da ANPEd, Caxambu 2008. Disponível em: <http://www.anped.org.br/reunioes/30ra/trabalhos/GT23-2871--Int.pdf>. Acesso em: 22/08/2011.

SILVA JUNIOR, P. M. Corpos, escola & sexualidades: um olhar sobre um programa deorientação sexual. In: 32ª Reunião Anual da ANPEd, Caxambu 2009. Disponível em: <http://www.anped.org.br/reunioes/32ra/arquivos/trabalhos/GT23-5302--Int.pdf>. Acesso em: 22 ago. 2011.

SOUZA, J. F. Gênero e sexualidade nas pedagogias culturais: implicações para a educação infantil.In: 22ª Reunião Anual da ANPEd, Caxambu, 1999. Disponível em: <http://cce.udesc.br/titosena/Arquivos/Artigos_gensex/SexualidadeInfantil.pdf> acesso em: 07/01/2012.

WEEKS, J. O corpo e a sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. 168 p.

Downloads

Publicado

05/20/2013

Edição

Seção

Ciências Biológicas e da Saúde

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)