O uso não prescrito de metilfenidato entre acadêmicos de Medicina

Autores

  • Samara Guerra Carneiro Discente do curso de medicina do Centro Universitário de Volta Redonda
  • Airton Salviano Teixeira Prado Discente do curso de medicina do Centro Universitário de Volta Redonda
  • Eliane Camargo de Jesus Araujo Docente do curso de medicina do Centro Universitário de Volta Redonda
  • Hermiton Canedo Moura Discente do curso de medicina do Centro Universitário de Volta Redonda
  • João Francesco Strapasson Discente do curso de medicina do Centro Universitário de Volta Redonda
  • Natália Ferreira Rabelo Discente do curso de medicina do Centro Universitário de Volta Redonda
  • Tiago Turci Ribeiro Discente do curso de medicina do Centro Universitário de Volta Redonda

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v8.n1%20(Esp.).87

Palavras-chave:

Metilfenidato, automedicação, estudantes de Medicina.

Resumo

O metilfenidato é um fármaco do grupo dos anfetamínicos. A potencialização do desempenho cognitivo apresentado pelo medicamento atrai pessoas saudáveis que buscam melhora de sua performance. Esse estudo teve como objetivo analisar a prevalência do uso não prescrito do metilfenidato entre os estudantes de Medicina. Estudo transversal no qual obtivemos informações a partir de um questionário aplicado aos alunos do 1° ao 8 ° períodos do curso de Medicina. Encontramos uma prevalência de 23,72% para o uso indiscriminado desse estimulante entre os acadêmicos. Não houve diferença significativa de consumo entre homens e mulheres. Dentre as pessoas que fazem o uso indiscriminado, 64,86% informaram ter apresentado efeitos colaterais. Desses 23,72%, 13,51% usam o fármaco  para estudar para todas as provas do período letivo, e 10,81% tiveram que aumentar a dose da droga para tentar obter o mesmo efeito de quando iniciaram o uso. Por outro lado, 86,49% dos que usam indiscriminadamente relataram aumento do poder de concentração e ainda 54,05% observaram uma melhora do rendimento acadêmico.  Observamos um relevante aumento do uso com o decorrer do curso pois a distribuição dos 37 participantes que já fizeram uso do metilfenidato de forma indiscriminada se deu entre o 3º e 8º períodos, sendo a maior distribuição no último período analisado. Por fim, existe a necessidade de melhor compreender os diferentes fatores envolvidos na resposta e na adaptação ao estresse inerente ao curso de Medicina para poder ajudar na prevenção do uso inadequado de metilfenidato pelos futuros médicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARRIA, A.M.; CALDEIRA, K.M.; VICENTE, K.B.; OGRADY, K.E.; WISH, E.D. Perceived harmfulness predicts nonmedical use of prescription drugs among college students: interactions with sensation-seeking. Journal Prevention Science, v. 9, p. 191–201, 2008.

BABCOCK, Q.; BYRNE, T. Student perceptions of methylphenidate abuse at a public liberal arts college. Journal of American College Health, v. 49, p. 143–145, 2000.

BARROS, D.B.; ORTEGA, F. Metilfenidato e aprimoramento cognitivo farmacológico: representações sociais de universitários. Revista Saúde e Sociedade, v. 20, p. 176–182, 2011.

BASSOLS, A.M.; SORDI, A.O.; EIZIRIK, C. L.; SEEGER, G.M.; RODRIGUES, G.S.; RECHE, M. A prevalência de estresse em uma amostra de estudantes do curso de medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Revista HCPA, v. 28, p.153–157, 2008.

COCCARO, E.F.; LAWRENCE, T.; TRESTMAN, R.; GABRIEL, S.; KLAR, H.M.; SIEVER, L.J. Growth hormone response to intravenous clonidine challenge correlate with behavioral irritability in psychiatric patients and health volunteers. Psychiatry Research, v. 39, p. 129–139, 1991.

CRUZ, T.C.S.C.; JUNIOR, E.P.S.B.; GAMA, M.L M.; MAIA, L.C.M.; FILHO, M.J.X.M.; NETO, O.M.; COUTINHO, D.M. Uso não-prescrito de metilfenidato entre estudantes de medicina da Universidade Federal da Bahia. Gazeta Médica da Bahia, v. 81, n. 1, p. 3–6, 2011.

DESANTIS, A.D.; WEBB, E.M.; NOAR, S.M. Illicit use of prescription ADHD medications on a college campus: a multimethodological approach. Journal of American College Health, v.57, p. 315–324, 2008.

MCCABE, S.E.; KNIGHT, J.R.; TETER, C.J.; WECHSLER, H. Non-medical use of prescription stimulants among US college students: prevalence and correlates from a national survey. Adiction, v. 99, p. 96–106, 2005.

MENDONZA, D.Z.U. Consumo de Substâncias psicoativas em Estudiantes de Especialidades Médicas, Bogotá 2011. Revista de Salud Pública, v. 4, n. 1, p. 59–73, 2002.

PASTURA, G.; MATTOS, P. Efeitos colaterais do metilfenidato. Revisão de Literatura. Revista de Psiquiatria Clínica, v. 31, p. 100–104, 2004.

TEIXEIRA, M. Notícia preliminar sobre uma tendência contemporânea:o “aperfeiçoamento cognitivo”, do ponto de vista da pesquisa em neurociências. Revista Latino-americana de Psicopatologia Fundamental, v. 10, p. 495–503, 2007.

TETER, C.J.; MCCABE, S.E.; LAGRANGE, K.; CRANFORD, J.A.; BOYD, C.J. Illicit use of specific prescription stimulants among college students: prevalence, motives, and routes of administration. Pharmacotherapy, v. 26, p. 1501–1510, 2006.

WILENS, T.E.; ADLER, L.A.; ADAMS, J.; SGAMBATI, E.; ROTROSEN, J.; SAWTELLEER, R.; UTZINGER, L.; FUSILLO, S. Misuse and diversion of stimulants prescribed for ADHD: a systematic review of the literature. Journal of the American Academy of Child and Adolescent Psychiatry, v. 47, p. 21–31, 2008.

Downloads

Publicado

10-05-2013

Como Citar

CARNEIRO, S. G.; PRADO, A. S. T.; DE JESUS ARAUJO, E. C.; MOURA, H. C.; STRAPASSON, J. F.; RABELO, N. F.; RIBEIRO, T. T. O uso não prescrito de metilfenidato entre acadêmicos de Medicina. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, v. 8, n. 1 (Esp.), p. 53–59, 2013. DOI: 10.47385/cadunifoa.v8.n1 (Esp.).87. Disponível em: https://revistas.unifoa.edu.br/cadernos/article/view/87. Acesso em: 4 out. 2022.

Edição

Seção

Ciências Biológicas e da Saúde

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)