Associativismo e Percepção do Mercado de Trabalho: uma amostra desta relação entre fisioterapeutas

Autores

  • Maria Cristina de Carvalho Tommaso Centro universitário de volta redonda Unifoa
  • Elidiane Aparecida da Silva
  • Gildelice Stival Poloniato

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v3.n5.895

Palavras-chave:

associativismo, profissionalismo, mercado de trabalho.

Resumo

Este artigo pretende identificar o grau de associativismo entre fisioterapeutas e a percepção do mercado de trabalho na região sulfluminense para estes profissionais. Para FREIDSON (1994) o grau de associativismo reflete uma categoria organizada, que controla seu trabalho e quem a ele pode se credenciar. Este estudo mostra como fisioterapeutas  percebem que o aumento do número de profissionais repercute-se no mercado de trabalho, o médio grau de associativismo entre os entrevistados, o grau de satisfação com os órgãos que os representam e suas expectativas para mercado de trabalho na região em que estão. A pesquisa aponta ainda, que as profissões mais antigas são modelo de profissionalismo. Enquanto isso, estudos de orientação de escolha profissional revelam a importância do comportamento dos profissionais na formação da identidade profissional. Portanto, de que forma estes sentimentos norteiam comportamentos e podem influenciar jovens que pretendem ingressar ou ingressaram recentemente na profissão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

WOOLCOCK, M e NARAYAN, D. Capital social: implicaciones para la teoria, la investigación y las políticas sobre desarrollo. Washington, D.C : Banco Mundial, 2000.

FREIDSON, Eliott. Renascimento do Profissionalismo: teoria, profecia e política. São Paulo: EDUSP, 1994.

_________ Professionalization and the Organization of Middle-Class Labour in Postindustrial Society. In Paul Halmos (org.), Professionalization and Social Change. Staffordshire, The University of Keele, 1973.

_________ La Profesion Médica. Un Estudio de Sociología del Conocimiento Aplicado. Tradução de Maria Isabel Hirsch. Barcelona, Ediciones Península, 1984.

LARSON, Magali Sarfatti. The Rise of Professionalism: a sociological analysis. Berkeley: University of California Press, 1977

TOMMASO. M.C.C. A relação entre escolha e satisfação por uma profissão: o caso da fisioterapia. Anais do II Congresso Brasileiro de Coordenadores de Curso de Fisioterapia. ABENFISIO. Vitória, 2003.

ABBOTT, Andrew. The System of Professions: Na Essay on the Division of Expert Labor. Chicago: University of Chicago Press, 1989.

BOHOSLAVSKY, Rodolfo. Orientação Vocacional: A estratégia clínica. São Paulo: Martins Fontes, 1977.

TOCQUEVILLE, Alexis de. A Democracia na América. 4 ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1998

KERSTENETZKY, Celia Lessa. Sobre associativismo, desigualdades e democracia. Rev. Brasileira de Ciências. Sociais. v.18 n.53 São Paulo out. 2003

BANCO MUNDIAL. Questionário Integrado para Medir Capital Social (QI-MCS). Woolcock et alli. 2003.

MACHADO, M.H. Os médicos e sua prática profissional: as metamorfoses de uma profissão. Tese apresentada ao Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro – IUPERJ, 1996

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COMPLEMENTARES

BARBOSA, Maria Lígia de Oliveira. As Profissões no Brasil e sua Sociologia.

_________ A Sociologia das Profissões: em torno da legitimidade de um objeto. BIB. N. 36, 2o. semestre, 1993. p.3-30.

BOCK, Ana Mercês Bahia…(et al.). A Escolha Profissional em Questão. 2 ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1995.

BURRAGE, Michael & TORSTENDAHL, Rolf. Professions in Theory and History: rethinking the study of the professions.

COELHO, Edmundo Campos. As Profissões Imperiais no Brasil: Medicina, Engenharia e Advocacia no Rio de Janeiro. 1822-1930. Rio de Janeiro: Record, 1999.

CARNEIRO, João Marinônio Aveiro. Metodologia do Ensino Superior. Rio de Janeiro: Folha Carioca, 2000.

MARINHO, Marcelo Jacques M. da Cunha. Profissionalização e Credenciamento: a política das profissões. Rio de Janeiro: SENAI/DN/DPEA, 1986.

MACHADO, Maria Helena. Profissões de Saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1995.

RODRIGUES, Maria de Lurdes. Sociologia das Profissões. São Paulo: Celta, 2004.

SCHWARTZMAN, Simon. Os Desafios da Educação no Brasil. São Paulo: EDUSP, 1997.

STARR, Paul. La Transformación Social a la Medicina en los Estados Unidos de América.

SENETT, Richard. A Corrosão do Caráter. Rio de Janeiro: Record, 1999.

WILLIAM, Bridges. Um Mundo sem Empregos: os desafios da sociedade pós-industrial. São Paulo: Makron Books, 1995.

Downloads

Publicado

2017-03-23

Edição

Seção

Ciências Biológicas e da Saúde