A interface entre a Administração e as Relações Internacionais: uma abordagem emergente, coesa e necessária

Betina Magalhães Bitencourt, Marília Bortoluzzi Severo, Shalimar Gallon

Resumo


O estudo das Relações Internacionais tem sido abordado de forma insuficiente no campo da Administração, em que pese o caráter imprescindível de sua análise no mundo dos negócios. A pesquisa científica em Administração, salvo poucas exceções, ainda não dá um tratamento adequado ao campo de estudo das Relações Internacionais, de forma a considerar o cenário internacional como uma variável que permeia e dinamiza as questões empresariais. Por meio de uma revisão acerca das principais noções que interligam as áreas da Administração e das Relações Internacionais, o presente estudo busca sinalizar as interfaces entre esses dois campos do conhecimento. Para tal, traz-se para o campo da Gestão Internacional a dimensão política inerente aos estudos de Relações Internacionais. Desse modo, objetiva-se contribuir para uma compreensão do mundo dos negócios que envolva o cenário internacional como um fator fundamental a ser considerado. O propósito do presente artigo é, pois, ampliar a interface e a compreensão das inter-relações entre os campos da Administração e das Relações Internacionais, como áreas do conhecimento que se auto-influenciam, sinalizando como a dinâmica das relações globais e os diversos atores presentes no cenário internacional afetam também o mundo dos negócios.


Palavras-chave


Administração; relações internacionais; gestão internacional.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUZZOLI, R. L.; LENGLER, J. F. B.; MANFREDINI, V. O Estágio de internacionalização e sua influência sobre a gestão de pessoas. In: XXXI Encontro da ANPAD, 31, 2007, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, 2007.

ANDERSON, E.; GATIGNON, H. Modes of entry: a transactions cost analysis and propositions. Journal of International Business Studies. Washington, v.17, n.3, p.1-26, 1986.

ARRIGHI, G. O longo século XX: dinheiro, poder e as origens de nosso tempo. Rio de Janeiro: Contraponto; São Paulo: Editora UNESP, 1996.

ARRIGHI, G. A ilusão do desenvolvimento. Petrópolis: Vozes, 1997.

ARRIGHI, G. Adam Smith em Pequim: origens e fundamentos do século XXI. São Paulo: Boitempo, 2008.

BILKEY, W. J.; TESAR, G. The Export Behavior of Small-Sized Winsconsin Manufacturing Firms. Journal of International Business Studies, 1977.

BRUCAN, S. La disolución del poder: sociologia de las relaciones internacionales y políticas. Espanha: Siglo Veintiuno Editores, 1983.

CHU, R.; WOOD JR., T. Cultura organizacional brasileira pós-globalização: global ou local? Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro v.42, n.5, p.969-991, 2008.

DERESKY, H. Administração Global Estratégica e Interpessoal. Porto Alegre: Bookman, 2004.

DOWNLING, P.; WELCH, D. International Human Resource Management. 4 ed. Mason: Thompson, 2005.

DUNNING, J. The Ecletic Paradigm of International Production: a restatement and some possible extensions. Journal of International Business Studies. v.19, n.1. 1988.

DUNNING, J.; HOESEL, R.; NARULA, R. Explaining the “New” wave of Outward FDI Developing Countries: The Case of Taiwan and Korea. International Business Review, 1997.

FERNANDES, C.; MELLO, R. O Papel dos Recursos Políticos no Processo de Internacionalização de Empresas. In.: XXXIVI Encontro da ANPAD, 34, 2010, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, 2010.

GILPIN, R. War and Change in International Politics. Cambridge: Cambridge University Press, 1981.

HAASS, R. The Age of Nonpolarity: what will follow U.S. dominance. Foreign Affairs, May/June 2008.

IKENBERRY, G. The rise of China and the future of the West: can liberal system survive? Foreign Affairs, January/February 2008.

JOHANSSON, J.; VAHLNE, J. The Internationalization Process of the Firm – a model of knowledge development and increasing foreign market commitments. Journal of International Business Studies, 1977.

KEOHANE, R.; NYE, J. Power and interdependence. 3.ed. New York: Longman, 2001.

LEGGE, K. Human Resource Management. Rhetorics and Realities. New York: Palgrave Macmillan, 2005.

LESSA DE BARROS, F. Redes sociais em campos políticos internacionais-globais para o desenvolvimento - perspectivas a partir da experiência brasileira. Revista de Estudos e Pesquisas sobre as Américas, v.4, n.2, 2010. p.65-84.

MARIOTTO, F. Estratégia internacional da empresa. São Paulo: Thomson Learning, 2007.

MENDENHALL, M. E.; JENSEN, R. J.; BLACK, J. S.; GREGERSEN, H. B. Human Resource Management Challenges in the Age of Globalization. Organizational Dynamics, v.32, n.3, p.261–274, 2003.

OSTERHAMMEL, J.; PETERSSON, N. Globalization: a short history. Princeton University Press, 2009.

PAIVA, E.; HEXSEL, A. Contribuição da Gestão de Operações para a Internacionalização de Empresas. Revista de Administração Contemporânea, v.9, n.4, 2005, p. 73-95.

POLANYI, K. A Grande Transformação: As origens da nossa época, 9ª Ed., Editora Campus, Rio de Janeiro, 2000.

RAMONET, I. Geopolítica do caos. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

RICHEY, B.; WALLY, S. Strategic Human Resource Strategies For Transnationals in Europe. Human Resource Management, v.8, n.1, p.79-97, 1998.

SCHULER, R. S.; DOWLING, P. J.; DE CIERI, H. An integrative framework of strategic international human resource management. Journal of Management. v.19, n.2, p.419-459, 1993.

SCHULER, R. S. The internationalization of human resource management. Journal of International Management, v.6, p.239-260, 2000.

SMALE, A. Global HRM integration: a knowledge transfer perspective. Personnel Review, v.37 n.2, p.145-164, 2008.

SOUSA SANTOS, B. Para Além do Pensamento Abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. SOUSA SANTOS, B.; MENESES, M, P. (Orgs.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Edições Almedina, 2009.

SPOHR, N.; FLEURY, M. T. L. O Processo Repatriação na Visão de Profissionais Repatriados Brasileiros. In: XXXV Encontro da ANPAD, 35, 2011, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, 2011.

TANURE, B.; EVANS, P. PUCIK, V. A Gestão de Pessoas no Brasil. Virtudes e Pecados Capitais. Estudos de Caso. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

TODD, E. Depois do império: a decomposição do sistema americano. Rio de Janeiro: Record, 2003.

VANCE, C. M.; PAIK, Y. Managing a Global Workforce: Chanlleges and Opportunities in International Human Resource Management. New York: M. E. Sharpe, 2006.

VIZENTINI, P. F. As Guerras Mundiais (1914-1945): O desafio germano-japonês à ordem anglo-americana. Porto Alegre: Leitura XXI, 2003.

WALLERSTEIN, I. The politics of the world economy: The states, the movements, and the civilizations. Cambridge, Great Britain: Cambridge University Press, 1991.

WALLERSTEIN, I. Capitalismo histórico e Civilização capitalista. Rio de Janeiro: Contraponto, 2001.

ZAKARIA, F. The future of American Power: how America can survive the rise of the rest. Foreign Affairs, May/June 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



Cadernos UniFOA

Campus Três Poços - Av. Paulo Erlei A. Abrantes, 1325 - Três Poços
Prédio 3 - Sala 2 (Casarão)
Volta Redonda - RJ - CEP: 27240-560
Tel.: (24) 3340-8400 – Ramal: 8350

Indexado em:





  • Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.