Tempo resposta no SAMU – 192 e suas implicações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v17.n49.3343

Palavras-chave:

Serviços Médicos de Emergência.Medicina de Emergência.SAMU.Tratamento de Emergência.Ambulância.

Resumo

O Atendimento Pré-Hospitalar é o atendimento emergencial extra-hospitalar. Através de veículos especializados, o SAMU-192 presta atendimento precoce às vítimas que tenham sofrido agravos. Este tema tem sido cada vez mais relevante, devido à necessidade de garantir menor tempo-resposta e melhor regulação dos fluxos de atendimento. O objetivo deste trabalho é analisar o tempo-resposta e suas variáveis nas ocorrências despachadas pela central de regulação do SAMU - CISDESTE, com sede reguladora no município de Juiz de Fora – MG. Trata-se de um estudo descritivo de caráter transversal e retrospectivo, onde a coleta de dados foi baseada na análise dos prontuários eletrônicos do banco de dados do CISDESTE, analisando o tempo-resposta dos atendimentos e suas variáveis no período de novembro de 2014 a outubro de 2015. Totalizaram-se 42.963 ocorrências. Foram montados gráficos para cada etapa analisada no processo e em sua maioria, com exceção do tempo de despacho (RO), o tempo de duração foi maior que o preconizado e esperado para o serviço baseado em dados nacionais e internacionais, mostrando uma falha no atendimento neste período. Diante dos resultados, o tempo-resposta foi consideravelmente abaixo do preconizado, tornando-se necessário investir em qualificação profissional nesta área a fim de aprimorar o atendimento do SAMU-192.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helton Luis Ayello Forastieri Filho, Programa de Pós-graduação lato sensu da FCMS/JF.

Medico Residente em Cirurgia Geral pelo Hospital São João Batista, Volta Redonda - RJ (2019-2021)

Pós-graduação lato sensu em Medicina Intensiva da FCMS/JF, Juiz de Fora - MG (2014-2016)

Médico graduado pelo Centro Universitario de Volta Redonda - UniFOA, Volta Redonda - RJ (2006-2012)

Higner Luis Costa Forastieri, Hospital João XIII - Belo Horizonte

Medico Residente em Cirurgia Plástica pelo Hospital João XIII, Belo Horizonte - MG (2020-2022)

Cirurgião Geral pelo Hospital Regional do Vale do Paraíba de Taubaté -SP (2018-2019)

Médico graduado pela Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora - SUPREMA (FCMS-JF/SUPREMA), Juiz de Fora - MG (2011-2017)

Referências

BATTISTI, Gabriela Reginatto et al. Perfil de atendimento e satisfação dos usuários do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, v. 40, e20180431, 2019 . DOI: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2019.20180431

BONFIM, C. V. et al. Análisis de la distribución espacial de los accidentes de transporte terrestre atendidos por el Servicio Móvil de Urgencia (SAMU-192), en un municipio de la región nordeste de Brasil. Salud colect., Lanús, v. 14, n. 1, p. 65-75, mar. 2018.

CABRAL, A. P. DE S.; SOUZA, W. V. DE. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU): análise da demanda e sua distribuição espacial em uma cidade do Nordeste brasileiro. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 11, n. 4, p. 530–540, dez. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-790X2008000400002

Colégio Americano de Cirurgiões. ATLS: suporte avançado de vida no trauma para médicos. 8. ed. 2008, 351 p.

Consórcio Intermunicipal de Saúde da Região Sudeste (CISDESTE) - Juiz de Fora/MG. Disponível em: <https://www.cisdeste.com.br/area-de-atuacao/>. Acesso em: 28 nov. 2018.

FELIX, Y. T. M.; ARAUJO, A. J. S.; MAXIMO, T. A. A concepção de cooperação das equipes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). Laboreal, Porto, v. 15, n. 1, p. 1-24, jul. 2019. DOI: https://doi.org/10.4000/laboreal.1269

GHOLIPOUR, C. et al. Success Rate of Pre-hospital Emergency Medical Service Personnel in Implementing Pre Hospital Trauma Life Support Guidelines on Traffic Accident Victims. Turkish Journal of Emergency Medicine, v. 14, n. 2, p. 71–74, jun. 2014. DOI: https://doi.org/10.5505/1304.7361.2014.50103

MALVESTIO, M. A. A.; SOUSA, R. M. C. DE. Suporte avançado à vida: atendimento a vítimas de acidentes de trânsito. Revista de Saúde Pública, v. 36, n. 5, p. 584–589, out. 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102002000600007

MINAYO, M. C. S.; DESLANDES, S. F. Análise da implantação do sistema de atendimento pré-hospitalar móvel em cinco capitais brasileiras. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 8, p. 1877-1886, Aug. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000800016

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Política Nacional de Atenção às Urgências. Brasília: Editora MS, 2003, p. 7-11.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Política Nacional de Atenção às Urgências. Brasília: Editora MS, 2003, p. 37-42.

MOORE, E. E.; FELICIANO, D. V.; MATTOX, K. L. Trauma. Editora MGRAW HILL Education. 8. ed. 2017.

MYAT, A.; SONG, K.-J.; REA, T. Out-of-hospital cardiac arrest: current concepts. The Lancet, v. 391, n. 10124, p. 970–979, 2018. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(18)30472-0

NEHME Z., ANDREW E., SMITH K. Factors influencing the timeliness of emergency medical service response to time critical emergencies. Prehosp Emerg Care v. 20, p.1-9. 2016. DOI: https://doi.org/10.3109/10903127.2016.1164776

O’DWYER, G. et al. O processo de implantação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência no Brasil: estratégias de ação e dimensões estruturais. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 33, n. 7, e00043716, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00043716

OLIVEIRA, C. C. M. et al. Effectiveness of the Mobile Emergency Medical Services (SAMU): use of interrupted time series. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 53, p. 99, 2019. DOI: https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2019053001396

SAMU. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência | Coordenação Geral do SAMU Piauí. 2013. Disponível em: <http://samu.pi.gov.br/unidades-de-suporte-avancado>. Acesso em: 22 abr. 2020.

SCHROEDER, P. H. et al. Relative Mortality Analysis Of The “Golden Hour”: A Comprehensive Acuity Stratification Approach To Address Disagreement In Current Literature. Prehospital emergency care: official journal of the National Association of EMS Physicians and the National Association of State EMS Directors, v. 23, n. 2, p. 254–262, abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.1080/10903127.2018.1489021

Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192). Disponível em: <https://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/servico-de-atendimento-movel-de-urgencia-samu-192>. Acesso em: 28 nov. 2018.

Downloads

Publicado

02-08-2022

Como Citar

FORASTIERI FILHO, H. L. A.; FERRAZ DE ARAUJO, C. M.; MENDONÇA JUNIOR, A. de S.; FORASTIERI, H. L. C. Tempo resposta no SAMU – 192 e suas implicações. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, v. 17, n. 49, p. 173–183, 2022. DOI: 10.47385/cadunifoa.v17.n49.3343. Disponível em: https://revistas.unifoa.edu.br/cadernos/article/view/3343. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

Ciências Biológicas e da Saúde

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)