Mal-estar na infância: por uma perspectiva da desmedicalização do sofrimento infantil

Luciana Jaramillo Caruso Azevedo

Resumo


A progressiva patologização e medicalização dos sofrimentos psíquicos, principalmente aqueles que recaem sobre a infância, tem sido uma tônica contemporânea. Na busca de respostas eficazes para a eliminação radical do mal-estar, dos sofrimentos e dos dissabores da vida, a infância tornou-se alvo de massivas intervenções medicamentosas profiláticas com vistas a extinguir qualquer vestígio de anormalidade. Entretanto, a excessiva obsessão por detectar indicadores de anomalias, diagnosticar precocemente tudo aquilo que foge ao roteiro da normalidade pode também suprimir as diferenças e capturar as diversas formas de ser criança. Se, por um lado, constatamos a proliferação massiva de critérios diagnósticos, por outro, a partir da clínica, observamos o enclausuramento das crianças nos imperativos contemporâneos de sucesso, saúde perfeita e bem-estar. Nesse sentido, torna-se necessário interrogar qual é o espaço designado ao mal-estar infantil na atualidade. Com vistas a aprofundar essas reflexões teóricas, este estudo visa discutir fatores que estão jogo na tessitura do mal-estar na infância como as noções de medicalização, os paradigmas contemporâneos e a transformação do sofrimento em adoecimento psíquico.


Palavras-chave


: psicanálise, desmedicalização, mal-estar, sofrimento

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, Adriano. A psiquiatria no divã: entre as ciências da vida e a medicalização da existência. Rio de Janeiro, RJ: Relume Dumará, 2004.

BIRMAN, Joel. Muitas felicidades?! O imperativo de ser feliz na contemporaneidade. Ser feliz hoje: reflexões sobre o imperativo da felicidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, p. 27-47, 2010.

BIRMAN, Joel. Genealogia da clínica. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, v. 21, n. 3, p. 442-464, 2018.

BRANT, L. C., & MINAYO-GOMES, C. A transformação do sofrimento em adoecimento: do nascimento da clínica a psicodinâmica do trabalho. Ciência e Saúde Coletiva, v. 9, p. 213-223, 2004.

DOLTO, Françoise. Prefácio. In: A primeira entrevista em psicanálise. 6. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2004.

EHRENBERG, Alain. O culto da performance: da aventura empreendedora à depressão nervosa. Aparecida: Ideias e Letras, 2010.

FLESLER, Alba. A psicanálise de crianças e o lugar dos pais. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

FREUD, Sigmund. (1909). Análise de uma fobia em um menino de cinco anos: o pequeno Hans. Rio de Janeiro, RJ: Imago, 1976.

FREUD, Sigmund. (1914). Sobre o narcisismo: uma introdução. Edição Standard brasileira das obras completas de Freud, v. XIV. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

FREUD, Sigmund (1920). Além do princípio do prazer. Edição Standard brasileira das obras completas de Freud, v. XIV. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

.

GAUDENZI, Paula.; ORTEGA, Francisco. O estatuto da medicalização e as interpretações de Ivan Illich e Michel Foucault como ferramentas conceituais para o estudo da desmedicalização. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, v. 16, n.40, p. 21-34, 2012.

GUARIDO, Renata. A medicalização do sofrimento psíquico: considerações sobre o discurso psiquiátrico e seus efeitos na educação. Educação e Pesquisa, v. 33, n.1, p.151-161, 2007.

GUARIDO, Renata. A biologização da vida e algumas implicações do discurso médico sobre a educação. In Conselho Regional de Psicologia de São Paulo & Grupo Interinstitucional Queixa Escolar (Orgs.), Medicalização de crianças e adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doenças de indivíduos (pp. 27-39). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo, 2010.

JERUSALINSKY, Julieta. A melancolização na infância contemporânea: entre o linchamento virtual e a política do “no touch”. Cadernos de Psicanálise – SPCRJ, v. 34, n. 1, p. 26-33, 2018.

LACAN, Jacques. Outros escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1969.

LIMA, Rossano Cabral. Somos todos desatentos?: o TDA/H e a construção das bioidenti¬dades. Rio de Janeiro: Relumé Dumará, 2005.

LIPOVETSKY, Gilles. O império do efêmero. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

ROUDINESCO, Elisabeth. A família em desordem. Zahar, 2000.

TENÓRIO, Fernando. Desmedicalizar e subjetivar: A especificidade da clínica da recepção. Cadernos IPUB, v.6, n.17, p. 79-91, 2000.

TENÓRIO, Fernando. Psicose e esquizofrenia: efeitos das mudanças nas classificações psiquiátricas sobre a abordagem clínica e teórica das doenças mentais. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 23, n. 4, p. 941-963, 2016.

WHITAKER, R. A anatomia de uma epidemia. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Cadernos UniFOA

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Cadernos UniFOA

Campus Três Poços - Av. Paulo Erlei A. Abrantes, 1325 - Três Poços
Prédio 3 - Sala 2 (Casarão)
Volta Redonda - RJ - CEP: 27240-560
Tel.: (24) 3340-8400 – Ramal: 8350

Indexado em:





  • Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.