Música na escola: possíveis intervençõesna corporeidade

Autores

  • Bárbara de Souza Viana Graduanda em Educação Física - Bacharelado e Licenciatura – Centro Universitário de Volta Redonda – UniFOA.
  • Flávio Roberto Vieira Pereira Graduando em Educação Física - Bacharelado e Licenciatura – Centro Universitário de Volta Redonda – UniFOA.
  • Marcelo Paraíso Alves Professor do Instituto Federal do Rio de Janeiro campus Volta Redonda e do Centro Universitário de Volta Redonda. Integrante do Grupo de pesquisa: Redes de conhecimentos e práticas emancipatórias no cotidiano escolar e pós doutorando no PROPED/UERJ orientado pela Professora Doutora Inês Barbosa de Oliveira.

Palavras-chave:

Música. Escola. Corporeidade.

Resumo

O estudo buscou discutir as contribuições da educação musical para a corporeidade e em decorrência ao campo da linguagem corporal, utilizando como pressuposto a perspectiva desta (COLETIVO DE AUTORES, 1992). Diante disso, optou-se por trabalhar com o conceito de “Corporeidade” a partir do que Najmanovich (2001) considera como sujeito encarnado. Partimos do pressuposto de que estamos imersos em uma tessitura fluente de relações que implicam em estarmos comprometidos com uma dinamização de correlação com o ambiente. Assim, a corporeidade constitui-se na dependência do mundo vivencial, portanto, atraés da multiplicidade de percepção do sujeito encarnado. Ao aceitar esta multidimensionalidade da experiência, nos vinculamos à ideia de que a dicotomia-corpo e mente é algo totalmente diferente da concepção de sujeito encarnado, pois, a enação é a expressão que emerge ao focalizar a diversidade experimental corporalizada que está entretecida pelos territórios plurais constituídos através das múltiplas vivências. Na intenção de atingir o objetivo proposto, o estudo opta pela pesquisa bibliográfica, pois segundo Cervo e Bervian (1996) a pesquisa bibliográfica permite “recolher informações e conhecimentos prévios acerca de um problema para o qual se procura uma resposta” (p. 48).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para assuntos jurídicos. Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm>. Acesso em: 23/03/2011.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para assuntos jurídicos. Leis Ordinárias de 2008. Lei n 11.769/2008. Altera a lei n 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996, Lei de Diretrizes e Basesda Educação para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino de música na educação básica. Brasília, 2008. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007- 2010/2008/Lei/L11769.htm>. Acesso em: 23/03/2011.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia Científica. 4 ed. São Paulo: Makron Books, 1996.

CHIQUETO, M. R. Música na educação básica, uma experiência com sons alternativos. PDE, 2008.

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino da educação física, São Paulo, Cortez, 1992.

FERNANDES, J. N. Normatização, estrutura, e organização da música, nas escolas de educação básica do Brasil: LDBN/96, PCN e currículos oficiais em questão, Revista da ABEM, Porto Alegre, v.10, 75-87, 2004.

FREITAS, G. G. O. Esquema corporal, a Imagem Corporal, a Consciência Corporal e a Corporeidade. 1 ed. Ijuí: Unijuí, 1999.

FLORISBELO, F.; PINHEIRO, M. do C. M. “Corpo do som” no “som do corpo”: música e filosofia nos interstícios do Barbatuques. In I Seminário Nacional Corpo e Cultura, 2007, Vitória-ES. Anais do I Seminário Nacional Corpo e Cultura: possíveis abordagens, possíveis diálogos. Vitória-ES: CBCE-Colégio Brasileiro Ciências do Esporte, 2007. v.1. p. 329-334.

GALINARI, M.M. A Era Vargas no Pentagrama: dimensões político-discursivas do canto linguístico. Minas Gerais. 2007. 363f. Tese (Doutorado em Linguística)-Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais. Minas Gerais: UFMG, 2007.

GOLDEMBERG, R. Educação Musical: a experiência do canto orfeônico no Brasil. Proposições, v.6, n.3, p.103-109, nov. 1995.

______. Educação Musical: a experiência do canto orfeônico no Brasil. Proposições, v.6, n.3, p.103-109, nov. 1995.

HUMMES, J. M. Por que é importante o ensino de música? Considerações sobre as funções da música na sociedade e na escola. Revista da ABEM, Porto Alegre, v. 11, 17-25, set. 2004.

MOREIRA, M. A. Teorias de aprendizagem. São Paulo: EPU, 1999.

NAJMANOVICH, D. O sujeito encarnado: questões para pesquisa no/do cotidiano. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

PENNA, M. Caminhos para a conquista de espaços para a música na escola: uma discussão em aberto. Revista da ABEM, Porto Alegre, v. 19, 57-64, mar. 2008.

PEREIRA M. C. M.; AMARAL, S. T. Música pela música: a lei 11.769/08 e a educação musical no Brasil. ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Faculdades Integradas Antônio Eufrásio Figueiredo, v.6, n.6, 2010.

SANTOS, B. S. “Para além do Pensamento Abissal: Das linhas globais a uma ecologia de saberes”, in Santos, Boaventura de Sousa e Meneses, Maria Paula (Orgs.), Epistemologias do Sul. São Paulo: Editora Cortez, 2010.

______. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

SILVA, Valéria Carvalho. Os saberes da corporeidade: um caminho para reencantar a educação musical, ICTUS–Periódico do PPGMUS/UFBA, v.7, 209-2019, 2006.

SOBREIRA, Sílvia. Reflexões sobre a obrigatoriedade da música nas escolas públicas. Revista da Abem, Porto Alegre, v. 20, 45-52, set. 2008.

SOUZA, P. da S. de S.; SANTOS, M. C. O corpo na música, a musica no corpo, a comunidade em um processo de integração. EXTENSIO: Revista eletrônica de extensão. Ano 6. jul. 2009.

TARGAS, K. de M.; JOLY, I. Z. L. Canções, diálogos e educação: uma experiência em busca de uma prática escolar humanizadora. Revista da ABEM, Porto Alegre, v.21, 113-123, 2009.

Downloads

Publicado

2018-06-04

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)