Utilização do V.D.R.L. para o diagnóstico da sífilis no município de Valença e seus distritos

Autores

  • G. C. S. Júnior UGB – Centro Universitário Geraldo Di Biase
  • F. A. M. da Rocha UGB – Centro Universitário Geraldo Di Biase
  • M. S. G. de Sousa UGB – Centro Universitário Geraldo Di Biase
  • M. S. Nascimento UGB – Centro Universitário Geraldo Di Biase
  • R. L. Castilho UGB – Centro Universitário Geraldo Di Biase
  • J. L. L. Oliveira UGB – Centro Universitário Geraldo Di Biase
  • C. Figueredo-Freitas UGB – Centro Universitário Geraldo Di Biase

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v7.n1%20Esp.2026

Palavras-chave:

DST, sífilis, V.D.R.L., prevenção

Resumo

Campanhas preventivas contra doenças sexualmente transmissíveis (DST) não expõem os dados da pesquisa para a população, deste modo não evidenciando o real acometimento da doença nas pessoas deste Município. Os dados coletados servirão de alerta para prevenção e tratamento da população, disponibilizando informações sobre os mesmos, além de mostrar o levantamento de dados de pessoas infectadas na cidade. Durante o período de janeiro a agosto de 2010 foram realizados exames de VDRL em 1175 pessoas (93 homens e 1.082 mulheres) com idade entre 0 e 55 anos e de 56 anos em diante, do município de Valença e seus distritos. Para a realização dos exames foi utilizado o Kit V.D.R.L. test, que é simples de se utilizar, necessitando apenas do reagente e do soro extraído do sangue do paciente. Após a realização dos testes foi observado que as mulheres estão muito mais propensas a ter sífilis do que os homens, já que os resultados demonstram que há duas mulheres infectada para cada homem infectado. Com isso observamos que o número de mulheres que se submeteram ao exame é absurdamente maior do que o de homens, e com esses dados pode-se fazer uma melhor campanha para a prevenção desta doença, já que agora possuímos números para justificar tais afirmações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-10-30