Comparação experimental da eficácia entre duas técnicas de antissepsia das mãos para procedimentos cirúrgicos

Autores

  • J. F. Guedes UniFOA - Centro Universitário de Volta Redonda
  • E. C. Jesus UniFOA - Centro Universitário de Volta Redonda
  • A. N. Norberg UniFOA - Centro Universitário de Volta Redonda
  • S. A. S. Lustosa UniFOA - Centro Universitário de Volta Redonda
  • J. T. Cavaliere UniFOA - Centro Universitário de Volta Redonda

Resumo

Atualmente há grande divergência em relação às técnicas de antissepsia da mãos. Diversos estudos avaliaram a microbiota das mãos demonstrando colonização po estafilococos, bactérias gram-negativas e fungos, apontando íntima relação entr disseminação de infecções nosocomiais e as mãos dos profissionais de saúde. Objetivos Comparação da eficácia entre escovação clássica e lavagem química das mãos se escovação. Metodologia: Amostras digitais de 28 acadêmicos divididos em dois grupos escovação clássica (técnica A) com degermante (PVPI) e lavagem química com PVPI se escovação (técnica B), foram coletadas em placas de Petri antes e após a realização da referidas técnicas, com posterior cultura, contagem de colônias e avaliação comparativ da eficácia. Resultados: A média de colônias antes da antissepsia foi de 107 e 14 colônias para as técnicas A e B, respectivamente, e após, média de 4 e 3 colônia respectivamente, a redução no número de colônias bacterianas foi de 96% na técnica A 98% na B, não havendo diferença estatisticamente significante na eficácia entre o grupos. Conclusão: A escovação clássica e a lavagem das mãos sem escovaçã apresentaram eficácia semelhante em relação à diminuição do número de colônia bacterianas da microbiota das mãos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

02/11/2019

Como Citar

GUEDES, J. F.; JESUS, E. C.; NORBERG, A. N.; LUSTOSA, S. A. S.; CAVALIERE, J. T. Comparação experimental da eficácia entre duas técnicas de antissepsia das mãos para procedimentos cirúrgicos. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, v. 2, n. 1 esp, p. 14, 2019. Disponível em: https://revistas.unifoa.edu.br/cadernos/article/view/2860. Acesso em: 1 jul. 2022.