Influência da dismenorreia primária na vida de universitárias

Autores

  • Maria Clara Conceição da Silva Graduada em Fisioterapia pelo Centro Universitário de Barra Mansa (UBM), Barra Mansa - RJ https://orcid.org/0000-0001-7995-4605
  • Jose Henrique de Lacerda Furtado Doutorando em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Rio de Janeiro - RJ. Técnico Administrativo em Educação/Enfermagem no Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ), Pinheiral - RJ https://orcid.org/0000-0003-2257-3531
  • Isabelly da Silva Palmeira Graduanda em Fisioterapia pelo Centro Universitário de Barra Mansa (UBM), Barra Mansa - RJ https://orcid.org/0000-0002-6445-1463
  • Gabriela Bezerra Oliveira Graduanda em Fisioterapia pelo Centro Universitário de Barra Mansa (UBM), Barra Mansa - RJ https://orcid.org/0000-0002-7299-5567
  • Ariela Torres Cruz Doutoranda em Ciências da Reabilitação pela Universidade de São Paulo (USP), São Paulo - SP. Docente do Centro Universitário de Barra Mansa (UBM), Barra Mansa - RJ. https://orcid.org/0000-0002-0518-3964

Palavras-chave:

Dismenorreia, Dor, Epidemiologia

Resumo

A dismenorreia primária é a queixa ginecológica mais comum entre mulheres, constituindo-se em um grave problema de saúde pública. Diante disso, este artigo tem como objetivo verificar a influência da dismenorreia primária na vida acadêmica de universitárias. Participaram desse estudo 111 universitárias, com idade entre 18 e 33 anos que responderam a um questionário on-line desenvolvido para esse estudo, contendo dados sociodemográficos, ginecológicos e obstétricos, queixas de dismenorreia, sintomas associados e a influência destes em seu cotidiano. As universitárias tinham idade média de 21,76 (±2,64) anos, sendo que 36 (32%) apresentavam dor menstrual moderada e 72 (65%) grave. De acordo com 90 (81%) participantes a dismenorreia primária interfere na sua produtividade acadêmica e/ou nas atividades propostas, sendo que 49 (44%) participantes relataram inclusive, já terem interrompido alguma atividade acadêmica devido à cólica menstrual. Diante do exposto, conclui-se que a dismenorreia primária influencia negativamente na vida dessas universitárias as quais, referiram redução do rendimento acadêmico e dificuldade de concentração nos estudos e, até mesmo, ausência nas aulas devido à dor, o que contribui para o aumento do absenteísmo discente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Clara Conceição da Silva, Graduada em Fisioterapia pelo Centro Universitário de Barra Mansa (UBM), Barra Mansa - RJ

Graduada em Fisioterapia pelo Centro Universitário de Barra Mansa (UBM), Barra Mansa - RJ

Jose Henrique de Lacerda Furtado, Doutorando em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Rio de Janeiro - RJ. Técnico Administrativo em Educação/Enfermagem no Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ), Pinheiral - RJ

Doutorando em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Rio de Janeiro - RJ. Mestre em Educação Profissional em Saúde pela Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Rio de Janeiro - RJ. Técnico Administrativo em Educação/Enfermagem no Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ), Pinheiral - RJ

Isabelly da Silva Palmeira, Graduanda em Fisioterapia pelo Centro Universitário de Barra Mansa (UBM), Barra Mansa - RJ

Graduanda em Fisioterapia pelo Centro Universitário de Barra Mansa (UBM), Barra Mansa - RJ

Gabriela Bezerra Oliveira, Graduanda em Fisioterapia pelo Centro Universitário de Barra Mansa (UBM), Barra Mansa - RJ

Graduanda em Fisioterapia pelo Centro Universitário de Barra Mansa (UBM), Barra Mansa - RJ

Ariela Torres Cruz, Doutoranda em Ciências da Reabilitação pela Universidade de São Paulo (USP), São Paulo - SP. Docente do Centro Universitário de Barra Mansa (UBM), Barra Mansa - RJ.

Doutoranda em Ciências da Reabilitação pela Universidade de São Paulo (USP), São Paulo - SP. Mestre em Bioengenharia pela Universidade do Vale do Paraíba, UNIVAP, Brasil. Docente do Centro Universitário de Barra Mansa (UBM), Barra Mansa - RJ.

Referências

ARAÚJO, I. M.; LEITÃO, T. C.; VENTURA, P. L. Estudo comparativo da eficiência do calor e frio no tratamento da dismenorreia primária. Revista Dor, v. 11, n. 3, p. 218-221, 2010.

BALBI, C. et al. Influence of menstrual factors and dietary habits on menstrual pain in adolescence age. European Journal of Obstetrics & Gynecology and Reproductive Biology, v. 91, n. 2, p. 143-8, 2000. doi: 10.1016/S0301-2115(99)00277-8.

BORGES, P. C. G. et al. Dismenorréia e endométrio. Femina, p. 789-795, 2007.

BOTTEGA, F. H.; FONTANA, R. T. A dor como quinto sinal vital: utilização da escala de avaliação de dor por enfermeiros de um hospital geral. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 283-90, 2010. doi: 10.1590/S0104-07072010000200009.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Disponível em: <http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf.>. Acesso em: 10 out. 2021.

BREIVIK, H. et al. Assessment of pain. British Journal of Anaesthesia, v. 101, n. 1, p. 17–24, 2008. doi:10.1093/bja/aen10.

BRITO, S. A. et al. Prevalence of dysmenorrhea in undergraduate health courses at an institution of higher education. Journal of Nursing, v. 6, n. 6, p. 1386-94, 2012. Acesso em: 30 out.2021. doi: 10.5205/reuol.2365-18138-1-LE.0606201216.

CANÁRIO, M. B.; GILLY, D. Efeitos da terapia craniossacral e a mobilização uterina no alívio da dismenorreia primária: um estudo piloto. Revista FisiSenectus, v. 7, n. 2, p. 12-22, 2019. doi: https://doi.org/10.22298/rfs.2019.v7.n2.5050.

CARVALHO, V. C. P. et al. Repercussões do transtorno disfórico pré-menstrual entre universitárias. Revista Brasileira Psiquiatria, v. 2, p. 105-11, 2009. doi: https://doi.org/10.1590/S0101-81082009000200004.

CARVALHO, V. C. P. et al. Prevalência da síndrome de tensão pré-Menstrual e do transtorno disfórico pré-menstrual entre estudantes universitárias. Neurobiologia. v. 73, p. 41-53, 2010.

CARVALHO, Lino. Dismenorreia primária: uma abordagem homeopática ambulatorial. 2010. Monografia (Pós-graduação lato sensu em Homeopatia) - Instituto Hahnemanniano do Brasil, Rio de Janeiro, 2010.

DIEGOLI, M. S. C.; DIEGOLI, C. A. Dismenorréia. Revista Brasileira de Medicina, São Paulo, v. 64, n. 3, p. 81-87, mar, 2007.

FERREIRA, C. H. J. Fisioterapia na Saúde da Mulher: Teoria Prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

FONSECA, A. M.; BAGNOLI, V. R.; ARIE, W. M. Y. A Dúvida do ginecologista: prescrever ou não hormônios na mulher no climatério? Revista da Associação Médica Brasileira, v. 55, n. 5, p. 507-507, 2009.

FRARE, J. C.; TOMADON, A.; SILVA, J. R. Dismenorreia: Prevalência e efeito na qualidade de vida. Revista de Atenção à Saúde, v. 12, n. 39, p. 15-20, 2014.

GERZSON, L. R. et al. Fisioterapia na dismenorreia primária: revisão de literatura. Revista Dor, São Paulo, v. 15, n. 4, p. 290-295, 2014. Acesso em: 07 jul. 2020. doi: 10.5935/1806-0013.20140063.

GIUDICE, L. C. Clinical practice. Endometriosis. New England Journal of Medicine, v. 362, n. 25, p. 2389-2398, 2010. doi: 10.1056/NEJMcp1000274

HAILEMESKEL, S.; DEMISSIE, A.; ASSEFA, N. Primary dysmenorrhea magnitude, associated risk factors, and its effect on academic performance: evidence from female university students in Ethiopia. International Journal of Women’s Health, v. 8, p. 489-96, 2016. doi: 10.2147/IJWH.S112768.

HETTWER, M. I. et al. Consequências da tensão pré-menstrual na vida feminina. Congresso Internacional em Saúde, v. 8, 2021.

JENSEN, M. P. et al. Comparative reliability and validity of chronic pain intensity measures. Pain, v. 83, n. 2, p. 157–162, 1999. doi: 10.1016 / s0304-3959 (99) 00101-3.

LIRA, M. O. S. C.; CARVALHO, M. F. A. A. Dor aguda e relação de gênero: diferentes percepções em homens e mulheres. Revista Médica Sinergia. v. 14, n. 1, p. 71-81, 2013.

NIKKHAH, S. et al. Effects of boron supplementation on the severity and duration of pain in primary dysmenorrhea. Complementary Therapies in Clinical Practice. v. 21, n. 2, p. 79-83, 2015.

NUNES, J. M. O. et al. Prevalência de dismenorreia em universitárias e sua relação com absenteísmo escolar, exercício físico e uso de medicamentos. Revista Brasileira Promoção à Saúde, Fortaleza, jul./set., v. 26, n. 3, p. 381-386, 2013. doi: 10.5020/18061230.2013.p381.

OLIVEIRA, R. G. C. Q. et al. TENS de alta e baixa frequência para dismenorreia primária: estudo preliminar. ConScientiae Saúde, v. 11, n. 1, p. 149-158, 2012. doi: https://doi.org/10.5585/conssaude.v11n1.2722.

PASSOS, R. B. F. et al. Prevalência de dismenorreia primária e seu impacto sobre a produtividade em mulheres brasileiras – Estudo DISAB. Revista Brasileira de Medicina, v. 65, n. 8, p.250-8, 2008.

POLDEN, M.; MANTLE, J. Fisioterapia em ginecologia e obstetrícia. São Paulo: Santos, v.2, 2000.

QUINTANA, L. M. et al. Influência do nível de atividade física na dismenorréia. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, v. 15, n. 2, p. 101-104, jan/mar., 2010.

RODRIGUES, A. C. et al. Dismenorreia em adolescentes e jovens adultas: prevalência, factores associados e limitações na vida diária. Acta Médica Portuguesa, v. 24, n. 2, p. 383-92, 2011.

SANCTIS, V. et al. Primary Dysmenorrhea in Adolescents: Prevalence, Impact and Recent Knowledge. Pediatric Endocrinology Reviews, v.13, n.2, p. 465-473, 2015.

SANCTIS, V. et al. Dysmenorrhea in adolescents and young adults: a review in different country. Acta Biomedica Brasiliensia, v. 87, n. 3, p. 233-46, 2016.

SANTOS, G. K. A.; SILVA, N. C. O. V.; ALFIERI, F. M. Efeitos da compressa fria versus quente sobre a dor em universitárias com dismenorreia primária. Brazilian Journal of Pain, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 28-28, 2020. doi: 10.5935/2595-0118.20200006.

SHARMA, S.; DEUJA, S.; SAHA, C. G. Menstrual pattern among adolescent girls of Pokhara Valley: a cross sectional study. BMC Womens Health, v. 16 n. 1, p. 74 2016. doi: 10.1186/s12905-016-0354-y.

SILVA, B. C. P. et al. Estimulação elétrica nervosa transcutânea no tratamento da dor pélvica causada pela dismenorréia primária. ConScientiae Saúde, v. 15, n. 4, p. 650- 656, 2016.

SILVANO, T. G. O Efeito da Cinesioterapia, Eletroterapia e massoterapia em pacientes com Dismenorréia – estudo de casos. 7º Simpósio de Ensino de Graduação, 2009.

SOARES, Natália Barbosa. Recursos fisioterapêuticos utilizados para o tratamento da dismenorreia primária: revisão de literatura. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Pós-graduação lato sensu em Fisioterapia em Reabilitação do Assoalho Pélvico) - Centro Universitário de Brasília, Brasília, 2018. Disponível em: <https://repositorio.uniceub.br/jspui/bitstream/235/12273/1/51500733.pdf>. Acesso em 05 de nov. 2021.

STALLBAUM, J. H. et al. Efeitos da bandagem funcional elástica sobre a dismenorreia primária em universitárias. Fisioterapia Brasil, v. 17, n. 6, 2016. doi: 10.33233/fb.v17i6.691.

STRASBURGER, V. C. Ginecologia da adolescente. Pediatric Clinics of North America, v. 3, p. 573-80, 1989.

TERZI, R.; TERZI, H.; KALE, A. Avaliação da relação entre síndrome pré-menstrual e dismenorreia primária em mulheres com fibromialgia. Revista Brasileira de Reumatologia, São Paulo, v. 4, n. 55, p. 334-339, 2015.

URBINA, V. G.; GUTIÉRREZ, M. T.; ARCE, V. R. Dismenorrea primaria en las adolescentes. Revista Médica Sinergia, v. 11, n. 4, p. 296-310, 2019. doi: 10.31434/rms.v4i11.296.

WIDMAIER, E.; RAFF, H.; STRANG, K. Fisiologia Humana: os mecanismos das funções corporais. 12. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

ZHAO, H. et al. Prevalence and Risk Factors Associated with Primary Dysmenorrhea among Chinese Female University Students: A Cross-sectional Study. Journal of Pediatric & Adolescent Gynecology, v. 33, ed. 1, p. 15-22, 2019. doi: https://doi.org/10.1016/j.jpag.2019.09.004.

Downloads

Publicado

24-08-2022

Como Citar

SILVA, M. C. C. da; FURTADO, J. H. de L.; PALMEIRA, I. da S.; OLIVEIRA, G. B.; CRUZ, A. T. Influência da dismenorreia primária na vida de universitárias. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, 2022. Disponível em: https://revistas.unifoa.edu.br/cadernos/article/view/3913. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Ciências Biológicas e da Saúde