Dextrose, Maltodextrina e Waxy Maize: principais diferenças na composição, mecanismo de ação e recomendações para o desempenho esportivo

Autores

  • Mariana Cardoso Centro Universitário de Volta Redonda
  • Thais Tavares Pereira Seabra UNIVERSO - Universidade Salgado de Oliveira
  • Elton Bicalho de Souza Centro Universitário de Volta Redonda

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v12.n33.426

Palavras-chave:

Suplementos dietéticos, Carboidrato, Índice glicêmico

Resumo

Os suplementos energéticos para atletas têm como principal ingrediente o carboidrato, sendo este o principal fornecedor de energia para o organismo. Dentre os diferentes tipos de suplementos energéticos, destacam-se a dextrose, a maltodextrina e o waxy maize, tendo cada um uma característica distinta em sua composição e função. Estas diferenças geram dúvidas no momento da escolha, visto que cada um possui um tipo de resposta glicêmica. Em virtude deste fato, o presente estudo teve como objetivo descrever, de acordo com a literatura, as principais diferenças entre estes três suplementos, demonstrando em qual momento seria mais indicado a utilização dos mesmos. Trata-se de um estudo de revisão de literatura, em que o levantamento dos dados foi realizado por meio de livros da área de Nutrição, Fisiologia e Bioquímica, bem como artigos publicados nos últimos 10 anos nos portais Google Acadêmico® e Scielo®.Foi possível concluir que a dextrose e a maltodextrina, apesar de serem tipos distintos de carboidratos, possuem respostas glicêmicas semelhantes e, em contrapartida, o waxy maize possui uma resposta glicêmica mais lenta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BERG, J.M; TYMOCZKO, J.L; STRYER, L. Bioquímica. 7 ed. Guanabara koogan, 2014. p. 321-330.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Resolução CFN nº 390. Regulamenta a Prescrição Dietética de Suplementos Nutricionais pelo Nutricionista e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 27 de Outubro de 2006.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Resolução RDC nº 18. Regulamento Técnico sobre Alimentos para Atletas. Diário Oficial da União, Brasília, 27 de Abril de 2010.

CORRADINI, E; LOTTI, C; MEDEIROS, E.S; CARVALHO, A.J.F; CURVELO, A.A.S; MATTOSO, L.H.C. Estudo comparativo de amidos termoplásticos derivados do milho com diferentes teores de amilose. Ciência e tecnologia, v. 15, n 4, p. 168-173, 2005.

COUTINHO, V.F; MENDES, R.R; ROGERO, M.M. Bioquímica e metabolismo dos carboidratos. In: CHEMIN S.M.S.S; MURA S.D.P . Tratado de alimentação, nutrição e dietoterapia. São Paulo: Roca, 2010. p. 23 – 41.

Nacional Institutes of Health. Office of Dietary Supplements. Dietary Supplements Health and Education Act. Public Low. US Government, 1994, p. 103-417.

HERNANDEZ A.J; NAHAS R.M. Modificações dietéticas, reposição hídrica, suplementos alimentares e drogas: comprovação de ação ergogênica e potenciais de riscos para a saúde. Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte. v. 15, n. 3, p. 4-5, 2009.

KENNEDY J.F; KNILL C.J; TAYLOR D.W, Maltodextrins. In: DIEDZIC S.Z; KERASLEY M.W. Handbook of Starch Hydrolysis Products and their Derivatives. p.65-82, Blackie Academic & Professional, London, 1995.

FONTAN, J.S; AMADIO, M.B. O uso de carboidratos antes da atividade física como recurso ergogênico: revisão sistemática. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. v. 21, n. 2, p. 154-156, 2015.

FOX, S.I. Fisiologia humana. 7 ed. São Paulo: Manole, 2007.

FRANÇA, V.F. Efeito da suplementação com cafeína e maltodextrina no desempenho físico agudo de ratos wistar. Tese (mestrado). Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2010.

GALLAGHER M.L. Ingestão: os nutrientes e seu metabolismo. In: MAHAN, L.K; ESCOTT – STUMP, S.; RAYMOND, J.L. Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 13. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012. P.: 33 – 39.

HENRIQUES, G.S; LOPÉS, C.V.A; SIMEONE, M.L.F; BINDA, C.C. Aplicação do método de índice glicêmico em modelo de ratos: padronização utilizando fórmula enteral de composição definida para animais normais e feitos diabéticos por aplicação de estreptozotocina. Revista do Médico Residente. v. 12, n. 2, p. 67-8. 2010.

HISCHBRUCH, M.D; CARVALHO, J.R. Nutrição esportiva. 2 ed. São Paulo: Manole, 2008.

LEVIN R.J, Carboidratos. In: SHILS M.E; OLSON J.A; SHIKE M; ROSS A.C. Tratado de nutrição moderna na saúde e na doença. 9ª edição, vol: 1. São Paulo: Manole, 2003. p. 55-69.

MAMUS, R.T; SANTOS, M.G; CAMPBELL, B; KREIDER, R. Biochemical effects of carbohydrate supplementation in a simulated competition of short terrestrial duathlon. Journal of the International Society of Sports Nutrition, v. 3, n. 6, p. 11, 2006.

MENEZES, E.W; LAJOLO, F.M. Carbohidratos em alimentos regionales Iberoamericanos. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas. v. 42, n. 4, p. 309-312. São Paulo, 2006.

NELSON, D.L; COX, M.M. Princípios de bioquímica de Legninger. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

PADILHA H.G; RODRIGUES T, Carboidratos. In: LONGO S. Manual de nutrição para o exercício físico. São Paulo: Atheneu, 2014. p. 73-75.

PEREIRA, K.D. Amido resistente, a última geração no controle de energia e digestão saudável. Ciência e Tecnologia de Alimentos. v. 27, p. 88-91. Campinas, 2007.

RODNICK, K.J et al. Immunocytochemical and biochemical studies of GLUT 4 in rat skeletal muscle. 1992. In: RIBEIRO, H.Q.T; CAMARGO, R.G; LIMA, W.P; ZANUTO, R; JUNIOR, L.C.C. Adaptações agudas promovidas por exercícios no aumento gênico, conteúdo e translocação da proteína GLUT-4 no músculo esquelético e melhora na responsividade à insulina. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício. v. 10, n. 2, p. 107-109, 2011.

SANDS, A.L; LEIDY, H.J; HAMAKER, B.R; MAGUIRE, P; CAMPBELL, W.W. Consumption of the slow-digesting waxy maize starch leads to blunted plasma glucose and insulin response but does not influence energy expenditure or appetite in humans. Department of Foods and Nutrition, Purdue University. USA, 2009.

SAPATA, K.B; FAYH, A.P.T; OLIVEIRA, A.R. Efeitos do consumo prévio de carboidratos sobre a resposta glicêmica e desempenho. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. v. 12, n. 4, p. 190-193 , 2006.

THOMAS, D.E; BROTHERHOOD, J.R; MILLER, B. Plasma glucose levels after prolonged strenuous exercise correlate inversely with glycemic response to food consumed before exercise. Internetional Journal of Sport Nutrition, v. 4, p. 361-373, 2006.

VOET, D; VOET, J. Bioquímica. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2013.

VOET, D.; VOET, J.G; PRATT, C.W. Fundamentos de bioquímica. 4ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

WAITZBERG, D.L. Nutrição oral, enteral e parenteral na prática clínica. 4. ed. São Paulo: Atheneu, 2009.

WEBER, F.H; COLLARES-QUEIROZ, F.P; CHANG, Y.K. Caracterização físico-química, reológica, morfológica e térmica dos amidos de milho normal, ceroso e com alto teor de amilose. Ciência e Tecnologia dos Alimentos, v. 29, n. 4, p. 748-753, 2009.

ZHANG, G; VENKATACHALAM, M; HAMAKER, BR. Slow digestion property of native cereal starches. Biomacromolecules. v. 7, n. 11, p. 3252-3258, 2006.

Downloads

Publicado

05-05-2017

Como Citar

CARDOSO, Mariana; SEABRA, Thais Tavares Pereira; DE SOUZA, Elton Bicalho. Dextrose, Maltodextrina e Waxy Maize: principais diferenças na composição, mecanismo de ação e recomendações para o desempenho esportivo. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, v. 12, n. 33, p. 101–109, 2017. DOI: 10.47385/cadunifoa.v12.n33.426. Disponível em: https://revistas.unifoa.edu.br/cadernos/article/view/426. Acesso em: 19 maio. 2024.

Edição

Seção

Ciências Biológicas e da Saúde

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)