Vulnerabilidades sociais do território e os impactos na saúde mental

revisão integrativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v18.n52.4433

Palavras-chave:

Saúde Mental. Vulnerabilidade Social. Territorialidade.

Resumo

A Organização Mundial da Saúde nos últimos anos enfatizou a injustiça social como causa para as desigualdades que afetam direta e indiretamente as condições de saúde e doença das populações em esfera global. O objetivo geral deste estudo foi refletir como as vulnerabilidades sociais do território impactam no processo saúde/doença dos sujeitos em saúde mental. Trata-se de uma revisão integrativa de abordagem qualitativa, orientada pelo método da Prática Baseada em Evidências (PBE). Foi realizada uma análise bibliográfica norteada por seis etapas: definição da questão de pesquisa para o desenvolvimento da revisão; busca na literatura dos estudos primários; extração dos dados; avaliação dos estudos primários; interpretação dos resultados; apresentação da revisão. Assim, emergiram três eixos de discussões: principais características locais dos grupos em situações de vulnerabilidade social; processo saúde-doença dos sujeitos em vulnerabilidades sociais atrelados à saúde mental; principais barreiras de acesso aos serviços de saúde. Portanto, é necessário difundir o assunto no âmbito social e acadêmico, pois desconsiderar as condições de vida como fator impactante na saúde mental dos sujeitos é negar a existência de um problema. Partindo da premissa de um cuidado em saúde mental integral e de base comunitária, é imprescindível analisar as condições que esses sujeitos possuem para viver dignamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise Pessoa, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Mestranda em Planejamento e Dinâmicas Territoriais no Semirárido (PLANDITES). Graduada em Enfermagem pela Universidade do Estado do Rio grande do Norte - UERN

Themis Cristina Mesquita Soares , Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Doutora em Ciências Da Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Graduada em Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Referências

ARAÚJO, W. C. O. Recuperação da informação em saúde: construção, modelos e estratégias. 2020. DOI: https://doi. org/1033467/conci. v3i2, 2020. DOI: https://doi.org/10.33467/conci.v3i2.13447

ATHIÉ, K. et al. Experiências de mulheres ansiosas e deprimidas sobre sofrimento emocional e busca de cuidado em uma favela do Rio de Janeiro. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, n. 1, p. 75-86, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232017221.11732016. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232017221.11732016

BATISTA, L. E.; MONTEIRO, R. B.; MEDEIROS, R. A. Iniquidades raciais e saúde: o ciclo da política de saúde da população negra. Saúde em Debate, v. 37, p. 681-690, 2013. Recuperado de https://www.scielo.br/j/sdeb/a/spQ7FXCVNsJsKyHn8JzWMvj/abstract/?lang=pt. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-11042013000400016

CAMARGO, F. C. et al. Competências e barreiras para prática baseada em evidências na enfermagem: revisão integrativa. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 71, p. 2030-2038, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0617. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0617

CARDOSO, F. M.; CAMPOS, G. W. S. Aprendendo a clínica do sofrimento social: narrativas do internato na Atenção Primária à Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 25, p. 1251-1260, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232020254.10852019. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232020254.10852019

CARMO, M. E; GUIZARDI, F. L. O conceito de vulnerabilidade e seus sentidos para as políticas públicas de saúde e assistência social. Cadernos de Saúde Pública, v. 34, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00101417. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00101417

COMITÊ INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA (CICV). Acesso mais seguro para serviços públicos essenciais - relatório Brasília, 2021. Disponível em: https://www.icrc.org/pt/publication/acesso-mais-seguro-para-servicos-publicos-essenciais-brasil. Acesso em: 08 jan 2023.

DANTAS, C. M. B. et al. Território e determinação social da saúde mental em contextos rurais. Athenea digital, v. 20, n. 1, 2020. DOI: https://doi.org/10.5565/rev/athenea.2169. DOI: https://doi.org/10.5565/rev/athenea.2169

DIMENSTEIN, M. et al. Iniquidades sociais e saúde mental no meio rural. Psico-USF, v. 22, p. 541-553, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-82712017220313. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-82712017220313

FIGUEIREDO, E. B. G.; SAWAIA, B. B. Psicologia social e o estudo da desigualdade: reflexões para o debate. Psicologia em Revista, v. 25, n. 2, p. 659-670, 2019. DOI: https://doi.org/10.5752/P.1678- 9563.2019v25n2p659-670. DOI: https://doi.org/10.5752/P.1678-9563.2019v25n2p659-670

ILHA, S. et al. Vínculo profissional-usuário em uma equipe da estratégia saúde da família. Ciência, Cuidado e Saúde, v. 13, n. 3, p. 556-562, 2014. DOI: https://doi.org/10.4025/ciencuidsaude.v13i3.19661. DOI: https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v13i3.19661

JACOB, E. Qualitative research: A defense of traditions. Review of educational research, v. 59, n. 2, p. 229-235, 1989. DOI: 10.3102/00346543059002229. DOI: https://doi.org/10.3102/00346543059002229

JORDAN, D. Contemporary methodological approaches to qualitative research: A review of the Oxford handbook of qualitative methods. The Qualitative Report, v. 23, n. 3, p. 547-556, 2018. DOI: 10.46743/2160-3715/2018.3448. DOI: https://doi.org/10.46743/2160-3715/2018.3448

JORGE, B. M. et al. Determinantes Sociais de Saúde na vida de usuários de cateterismo urinário. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 71, p. 1928-1933, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0282. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0282

LANA, L. D.; SCHNEIDER, R. H. Síndrome de fragilidade no idoso: uma revisão narrativa. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 17, p. 673-680, 2014.DOI: https://doi.org/10.1590/1809-9823.2014.12162. DOI: https://doi.org/10.1590/1809-9823.2014.12162

MENDES, K. D. S.; SILVEIRA, R. C. C. P.; GALVÃO, C. M. Uso de gerenciador de referências bibliográficas na seleção dos estudos primários em revisão integrativa. Texto & Contexto-Enfermagem, v. 28, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-265X-TCE-2017-0204. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-265x-tce-2017-0204

MOHER, D. et al. Preferred reporting items for systematic reviews and meta-analyses: the PRISMA statement. Annals of internal medicine, v. 151, n. 4, p. 264-269, 2009. DOI: https://doi.org/10.7326/0003-4819-151-4-200908180-00135. DOI: https://doi.org/10.7326/0003-4819-151-4-200908180-00135

MORAES, E. N. Atenção à saúde do idoso: aspectos conceituais. 2012. Disponível em: https://bibliodigital.unijui.edu.br:8443/xmlui/bitstream/handle/123456789/5574/aten%C3%A7%C3%A3o%20a%20saude%20do%20idoso.pdf?sequence=1.

PINTO, A. G. A. et al. Vivências na Estratégia Saúde da Família: demandas e vulnerabilidades no território. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 70, p. 920-927, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2015-0033. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2015-0033

RIBEIRO, E. G. et al. Autopercepção de saúde e vulnerabilidade clínico-funcional de idosos de Belo Horizonte/Minas Gerais. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 71, p. 860-867, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0135. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0135

ROGERS, A. et al. Peoples’ understandings of a primary care-based mental health self-help clinic. Patient education and counseling, v. 53, n. 1, p. 41-46, 2004. DOI: 10.1016/S0738-3991(03)00114-9. DOI: https://doi.org/10.1016/S0738-3991(03)00114-9

SANGHERA, J. et al. Human rights in the new global strategy. bmj, v. 351, 2015. DOI: https://doi.org/10.1136/bmj.h4184. DOI: https://doi.org/10.1136/bmj.h4184

SANTANA, P. Introdução à geografia da saúde: território, saúde e bem-estar. Imprensa da Universidade de Coimbra/Coimbra University Press, 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.14195/978-989-26-0727-6. DOI: https://doi.org/10.14195/978-989-26-0727-6

SOUZA ARAÚJO, R. L. M. et al. Condições de vida, saúde e morbidade de comunidades quilombolas do semiárido baiano, Brasil. Revista Baiana de Saúde Pública, v. 43, n. 1, p. 226-246, 2019. DOI: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2019.v43.n1.a2988. DOI: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2019.v43.n1.a2988

TESSER, C. Medicalização social e atenção à saúde no SUS. In: Medicalização social e atenção à saúde no SUS. 2010. p. 247-247. Recuperado de https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/int-2430.

Downloads

Publicado

21-06-2023

Como Citar

PESSOA, Denise; SOARES, Themis. Vulnerabilidades sociais do território e os impactos na saúde mental: revisão integrativa. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, v. 18, n. 52, 2023. DOI: 10.47385/cadunifoa.v18.n52.4433. Disponível em: https://revistas.unifoa.edu.br/cadernos/article/view/4433. Acesso em: 18 maio. 2024.

Edição

Seção

Ciências Biológicas e da Saúde

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.