Meio Ambiente – Na Perspectiva do Criador e da Criatura

Autores

  • Marcos Bella Cruz Silva
  • Rosana Ravaglia Centro Universitário de Volta Redonda (UNIFOA)

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v3.n6.951

Resumo

Este ensaio procura utilizar o livro de Gênesis apenas como um marco referencial da história da humanidade, sem a obrigatoriedade de vínculo, tanto de cunho religioso como de profissão de fé. (AMEM!). Os livros utilizados como referências foram: Livro de Gênesis, capítulo 1, versículos 1, 3, 4, 6, 7, 26, 29 (Gn1,1; Gn3,4;Gn6,7; Gn 26; Gn29). Gênesis significa nascimento, origem da vida e da história. O livro de Gênesis está inserido dentro do chamado Pentateuco, palavra derivada do grego que significa “cinco livros”. Esta palavra é utilizada para indicar os cinco primeiros livros da Bíblia Sagrada: São eles, Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio. Muito embora Sua Santidade João Paulo II em seu livro “Cruzando o Limiar da Esperança” ao ser perguntado sobre a certeza do credo em que a cada missa repete e professa, respondeu (resumidamente). “Não tenham medo do mistério de Deus; não tenham medo do Seu amor; e não tenham medo da fraqueza do homem nem de sua grandeza!”. Em contrapartida, na perspectiva da criatura, a problemática ambiental será baseada nos sintomas de uma crise de civilização contemporânea referendada atualmente, pelo capitalismo exploratório e injusto, através da globalização direcionada fincada nos pilares da modernidade e regida principalmente pelo predomínio desenvolvimentista com razões tecnológicas tornando míope o sistema de organização da natureza. Recentemente foi lançado nos Estados Unidos, o livro chamado “Deus, um delírio”. Seus autores Alister Mc Grath e Richard Dawkins possuem trajetórias profissionais bastante parecidas. Ambos são cientistas e professores universitários em Oxford, estudiosos das ciências naturais, ambos mantêm uma relação de amizade apenas de cordialidade. São abertos a novas formas de pensar, desde que as evidências os levem a isso. A diferença é que o raciocínio lógico levou Dawkins a pregar o ateísmo e Mc Grath a acolher a fé.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bíblia Sagrada. Edição Pastoral, São Paulo: Paulus, 1990.

PAPA, João Paulo II; Cruzando o Limiar da Esperança, 1 ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 209pp.,1994.

LEEF, Enrique; Saber Ambiental; Petrópolis: Vozes, 343pp., 2001.

BOFF, Leonardo; Ecologia Grito da Terra Grito dos Pobres, São Paulo: Ática, 339pp.,2000.

BOFF, Leonardo; Espiritualidade um Caminho de Transformação, 2ed. Rio de Janeiro: Sextante, 94pp., 2001

TRIGUEIRO, André (coordenador); Meio Ambiente no Século 21, Rio de janeiro: Sextante, 367pp., 2003.

www.folha.com.br; A crise dos Alimentos e o Brasil, acesso em 10 de Maio de 2008

BOHR, Niels; Física e Conhecimento Humano, Rio de janeiro: Contraponto, 140pp.,1995.

BRAUN, Ricardo; Desenvolvimento ao Ponto Sustentável; Petrópolis: Vozes, 173pp.,2001.

RAVAGLIA, Rosana; Desenvolvimento Sustentável: Apostila Interdiciplinar em Políticas de Educação em Saúde, 2003.

BREDARIOL, Celso; VIEIRA, Liszt; Cidadania e Política Ambiental; Rio de Janeiro: Record, 171pp., 1998.

MARIANO, Rubem; A polêmica sobre a fome mundial e os biocombustíveis, www.google.com.br; acesso em 10 de Maio de 2008.

BOFF, Leonardo; Ética e Moral, Petropolis: Vozes, 125pp.,2003.

ALIER, Joan Martinez; Da Economia Ecológica ao Ecologismo Popular; Blumenau: FURB, 402pp.,1998.

KONDER, Leandro; Vida e Obra – Marx; São Paulo: Paz e Terra, 154pp.,1999.

LEFF, Enrique; Epistemologia Ambiental; São Paulo: Cortez, 240pp., 2006.

Downloads

Publicado

27-03-2017

Como Citar

SILVA, Marcos Bella Cruz; RAVAGLIA, Rosana. Meio Ambiente – Na Perspectiva do Criador e da Criatura. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, v. 3, n. 6, p. 11–18, 2017. DOI: 10.47385/cadunifoa.v3.n6.951. Disponível em: https://revistas.unifoa.edu.br/cadernos/article/view/951. Acesso em: 23 jun. 2024.

Edição

Seção

Ensaio