Prevalência de Estreptococos do Grupo B em Gestantes no Município de Valença

Elisabeth Valente Carvalho, Flávia de Paula Costa, Rosimeri Amaral Jacintho dos Santos, Carolina Bastos Myrrha, Renata de Freitas Garbero, Maelcio Silva de Andrade, Cintia Valéria Galdino, Márcia Ribeiro Braz

Resumo


O Streptococcusagalactiae ou estreptococo do grupo B (EGB) é uma bactéria encontrada na mulher, como saprófita vaginal. Cerca de 10 a 30% das grá- vidas têm o trato vaginal e o reto, colonizadas por EGB. Esse agente etiológico é atualmente considerado um dos principais acusadores de infecção neonatal precoce, podendo causar o óbito em cerca de 25% dos casos. Diante da importância em se prevenir tais infecções tem crescido o interesse dos pesquisadores brasileiros sobre o assunto. Os dados disponíveis sobre a prevalência sugerem que a investigação de gestantes poderia ser adotada. Assim, nossos objetivos foram verificar a prevalência de colonização EGB em gestantes, a partir do terceiro trimestre de gestação, e avaliar as variáveis associadas à colonização, como: aborto espontâ- neo e gestações prévias. Para isso, foi aplicado um questionário e realizada cultura de material vaginal e retal para identificação de EGB em gestantes atendidas no Hospital Escola Luiz Gioseff Jannuzzi. Participaram do estudo 75 gestantes, atendendo os critérios de elegibilidade. Os resultados mostraram que 12 (16%) das análises foram positivas para a colonização de EGB. Não houve associação entre as variáveis analisadas e a prevalência da infecção. Após resultados microbiológicos, as gestantes foram comunicadas e encaminhadas para tratamento no HELGJ. Este estudo contribuirá para a prevenção de sepse neonatal por EGB em Valença.

Palavras-chave


Gestantes. Estreptococos do grupo B. Infecção neonatal.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ, J R et al. Duration of antimicrobial prophylaxis for group B streptococcus in patients with preterm premature rupture of membranes who are not in labor. American Journal Of Obstetrics And Gynecology, New Jersey, v. 197, n. 4, p.391-394, out. 2007.

AMARAL, E. Estreptococo do grupo B: rastrear ou não rastrear no Brasil? Eis a questão. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, São Paulo, v. 27, n. 4, p.165-167, jan. 2005. Disponível em: . Acesso em: 09 jun. 2015.

AZEVEDO, J.c. et al. Prevalence and mechanisms of macrolide resistance in invasive and noninvasive group B streptococcus isoltates from Ontario, Canadá. Antimicrob Agentes Chemother, Canadá, v. 45, n. 12, p.3504-3508, dez. 2001. Disponível em: . Acesso em: 09 jun. 2015.

BAKER, C J; MORVEN, e S. Group B streptococcal infections. In: REMINGTON, J S; KLEIN, J O. Infectious disease of the fetus and the newborn infant. 5. ed. Philadelphia: Saunders, 1998. p. 1091-10156.

BERALDO et al. Prevalência da Colonização Vaginal e Anorretal por Estreptococo do Grupo B em Gestantes do Terceiro Trimestre 2004

BEREK, J S. BereK & Novar : Tratado do Ginecologia. 14. ed. Rio de Janeiro: Gauanbara Koogan, 2008. 1223 p.

CARVALHO, Rui Lara de. Colonização de gestantes por estrepctococos do grupo B: prevalência, fatores associados e cepas virulentas. 2009. 48 f. Tese (Mestrado em Pediatria e SAúde da Criança) - Curso de Medicina, Pontifícia da Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

CDC. Centers for Disease control Prevention . Laboratory pratices for prenatal group B Streptococcal screening-seven states. 23. ed. Atlanta: Departament of Health And Human Service, 2004. 03 p. Disponível em: . Acesso em: 09 jun. 2015.

______. Centers For Disease Control And Prevention. Prevention of perinatal group B Streptococcal disease: a public health perspective. Atlanta: Departament Of Health And Human Service, 1996. 24 p. Disponível em: . Acesso em: 09 jun. 2015.

______. Centers For Disease Control and Prevention . Prevention of Perinatal Group B Streptococcal Disease: Revised Guidelines from CDC, 2010. Atlanta: Departament Of Health And Human Service, 2010. 32 p. Disponível em: . Acesso em: 09 jun. 2015.

COSTA, H P F; RICHTMAN, R; VACILOTO, e. Estreptococos do Grupo B: Emergente ou velho desconhecido? SOGESP. São Paulo, p. 24-26. jan. 2001.

COSTA, Adriana Lima dos Reis et al . Prevalência de colonização por estreptococos do grupo B em gestantes atendidas em maternidade pública da região Nordeste do Brasil.Rev. Bras. Ginecol. Obstet., Rio de Janeiro , v. 30, n. 6, p. 274-280, June 2008 . Available from . access on 01 Nov. 2017.

EL BEITUNE, P.; DUARTE, G.; MAFFEI, C. M. L. Colonization by Streptococcus agalactiae During Pregnancy: Maternal and Perinatal Prognosis. Brazilian Journal Infectious Diseases, Salvador, v. 9, n. 3, p. 276-282, 2005.

FETALMED. CDC: Prevenção da Infecção Neonatal pelo Estreptococo do Grupo B. Disponível em: . Acesso em: 09 jun. 2015.

MIURA, E; MARTINI, M C. Group B Streptococcal neonatal Infections in Rio Grande do Sul. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, São Paulo, v. 45, n. 5, p.243-246, set. 2001. Bimensal

MONEY, D M; DOBSON, S.. The prevention of early-onset neonatal group B streptococcal disease. Royal College Of Obstetricians And Gynaecologists. London, p. 826-840. 01 jul. 2012. Disponível em: . Acesso em: 09 jun. 2015.

MONEY, D M et al. An evaluation of a rapid real time polymerase chain reaction assay for detection of group B streptococcus as part of a neonatal group B streptococcus prevention strategy. J Obstet Gynaecol Can. Vancouver, p. 770-775. set. 2008.

NOMURA, M L et al. Colonização materna e neonatal por estreptococo do grupo B em situações de ruptura pré-termo de membranas e no trabalho de parto prematuro. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Rio de Janeiro, v. 31, n. 8, p.397-403, ago. 2009.

POGERE, A et al. Prevalência da colonização pelo estreptococo do grupo B em gestantes atendidas em ambulatório de pré-natal. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 27, n. 4, p.174-180, abr. 2005.

REZENDE, C et al. Pesquisa de Streptococcus agalactiae na secreção vaginal e anal de gestantes de um município do Noroente Paulista. Revista Uniara, São Paulo, v. 13, n. 2, p.194-201, dez. 2010.

SCHRAG, S J; VERANI, J R; MCGEE, L. Prevention of Perinatal Group B Streptococcal Disease: Revised Guidelines from CDC. 59. ed. Atlanta: Departament Of Heath And Human Service, 2010. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2010.

SIMÕES, J et al. Braz J. Phenotypic Characteristics Of The Group B Streptococcus In Parturientes. Infect Dis. São Paulo, p. 261-266. abr. 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2015.

TAMINATO, M. et al. Rastreamento de Streptococcus do grupo B em gestantes: revisão sistemática e metanálise. Rev Lat Am Enfermagem. Ribeirão Preto. V. 19, n.6, nov/dez. 2011.

VACILOTO, E et al. A survey of the incidence of neonatal sepsis by group B Streptococcus during a decade in a Brazilian maternity hospital. Brazilian Journal of Infectious Diseases. Salvador, p. 55-62. abr. 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Cadernos UniFOA



Cadernos UniFOA

Campus Três Poços - Av. Paulo Erlei A. Abrantes, 1325 - Três Poços
Prédio 3 - Sala 2 (Casarão)
Volta Redonda - RJ - CEP: 27240-560
Tel.: (24) 3340-8400 – Ramal: 8350

Indexado em:





  • Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.