Educação Patrimonial como forma de Educação Informal: Uma reflexão

Simone Pereira Taguchi Borges, Fábio de Padua Nakano, Cristhian Cera de Matos, Sara Jeiéle Leone Rosa, Rosinei Ribeiro Batista, Luiz Antônio Borges Júnior

Resumo


A “Educação Patrimonial” é um processo permanente e sistemático de trabalho educacional centrado no Patrimônio Cultural como fonte primária de conhecimento e enriquecimento individual e coletivo. Essa metodologia engloba inúmeras estratégias utilizadas para levar às comunidades ao contato direto com as evidências e manifestações da cultura, em todos seus múltiplos aspectos, sentidos e significados, que são produzidos nas pesquisas arqueológicas. Normalmente, são realizadas atividades de campo, visitas monitoradas a laboratórios de arqueologia, design e engenharia, aulas expositivas, oficinas, dentre outros, com o objetivo de envolver a comunidade com o sítio arqueológico. Essas ações afirmativas trazem novos padrões de cultura à comunidade e indiretamente altera o perfil educacional e comportamento social da região, levando a um processo ativo de conhecimento, apropriação e valorização de sua herança cultural.


Palavras-chave


Educação Patrimonial, sítio arqueológico, cerâmicas indígenas

Texto completo:

PDF

Referências


(1) ORIÁ, Ricardo. Educação patrimonial: conhecer para preservar. Portal Educacional, (S.l.:entre 1999 e 2009). Disponível em . Acesso em: 30 agosto 2009.

(2) CRUZ, A. V. Uma análise pluralista do cooperativismo como proposta de proteção aos bens culturais: novas perspectivas para os acervos arqueológicos com identidade indígena. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná, Paraná, 2006.

(3) HARTOG, F., Tempo e patrimônio. In: ______. Varia historia, Belo Horizonte, 2006, v. 22, n. 36, p.261-273.

(4) Força Aérea Brasileira. Em Dia Com O Que Acontece Na Fab. Disponível em:

www.fab.mil.br/portal/acontecefab/mostra_conversapol. php?id=92>. Acesso em: 30 agosto 2009.

(5) BELISÁRIO, Roberto. Carbono-14 não é único método de datação. Arqueologia. Com Ciência, Campinas, UNICAMP, n. 47, setembro de 2007, Disponível em:

. Acesso em: 30 agosto 2009

(6) NUNES K. P.; TOYOTA. R. G.; OLIVEIRA P. M. S.; NEVES E. G.; MUNITA C. S. Estudo dos elementos traço nas cerâmicas do sítio arqueológico Hatahara. In: ENCONTRO LATINO AMERICANO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 12, e ENCONTRO LATINO AMERICANO DE PÓS-GRADUAÇÃO, 8. São José dos Campos: Universidade do Vale do Paraíba, 2008.

(7) MACHADO, N. T. G.; SCHNEIDER, P.; SCHNEIDER, F. Análise parcial sobre a arqueológica do Vale do Taquari-RS. Revista Cerâmica, n. 54, p. 103-109, 2008.

(8) PROUS. A. Arqueologia. Revista Ciência Hoje, Rio de Janeiro, v. 36, n. 213, p. 22-28, 2005. Disponível em: http://cienciahoje.uol.com.br/controlPanel/materia/resource/ download/41398. Acesso em: 30 agosto 2009.

(9) BORNAL, W. G., QUEIROZ, C. M. Relatório das escavações do sítio Caninhas. Jacarei: Fundação Cultural de Jacarehy. 2005. 36. p.

(10) MATOS, C.C.; NAKANO, F. P.; TAGUCHI, S. P., RIBEIRO, R. B.; ROSA, S. J. L., CAMARGO-VERNILLI, D., Comparação da microestrutura e da composição de cerâmicas indígenas provenientes do sítio arqueológico caninhas, com as obtidas atualmente na região. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CERÂMICA,53, 2009, Guarujá. Anais... Guarujá, 2009.

(11) NAKANO, F. P.; RIBEIRO, R. B.; ROSA, S. J. L.; BORNAL, W. G.; QUEIROZ, C. M.; TAGUCHI, S. P. Análise microestrutural, composicional e propriedades mecânicas das ceramicas indígenas do sítio arqueológico Caninhas/SP. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CERÂMICA,53, 2009, Guarujá. Anais... Guarujá, 2009.

(12) SARA, J. L.; NAKANO, F. P.; MATOS, C. C.; QUEIROZ, C. M.; TAGUCHI, S. P.; RIBEIRO, R. B. Linguagem multidisciplinar: da Ciência à comunidade. In: OLIVEIRA, N. A. A. de. Comunicação sob múltiplos olhares. Lorena: Grafist, 2009. p. 232-241.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Praxis

Campus Três Poços - Av. Paulo Erlei A. Abrantes, 1325 - Três Poços
Prédio 3 - Sala 2 (Casarão)
Volta Redonda - RJ - CEP: 27240-560
Tel.: (24) 3340-8400 – Ramal: 8350

Indexado em: