Consumo da merenda escolar por alunos de duas escolas públicas das regiões nordeste e sudeste do Brasil.

Georgianna Silva dos Santos, Maria de Fátima Alves de Oliveira

Resumo


O Brasil tem vivenciado uma transição nutricional muito grande, levando ao surgimento de sobrepeso e obesidade nas diferentes classes sociais. Dados da coordenação da Política Nacional de Alimentação e Nutrição (PNAN) informam que, ao mesmo tempo em que se observa o aumento de calorias per capita e da participação de alimentos de origem animal na mesa do brasileiro, constata-se a substituição de cereais, frutas, verduras e legumes por gorduras em geral e açúcares. Neste estudo investigamos os alimentos consumidos na merenda escolar pelos alunos do Ensino Fundamental de duas escolas públicas situadas na região nordeste e sudeste do Brasil. Utilizamos um questionário denominado de Agenda Alimentar que foi preenchida por eles com os alimentos consumidos enquanto estavam na escola durante uma semana. Também foram coletados dados de alguns alunos, através de uma entrevista semi estruturada, de modo aleatório. Os resultados mostraram que os alunos pesquisados da região nordeste consomem os alimentos da merenda e não fazem seleção entre os mesmos, enquanto os alunos selecionados da região sudeste fazem escolhas dentre os alimentos oferecidos.


Palavras-chave


alunos, merenda escolar, atividades diferenciadas.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, M. Alimentação escolar: combate à desnutrição e ao fracasso escolar ou direito da criança e ato pedagógico. In: Brasil, Ministério da Educação e do Desporto, SEDIA/INEP. Em aberto: merenda escolar. 67:5-20. 2005.

ALVES - OLIVEIRA, M. F., “Construindo o conhecimento sobre nutrientes no Ensino Fundamental: elaboração e a avaliação de atividades investigativas e sua influência nos hábitos alimentares dos alunos do Rio de Janeiro (Brasil)”. Tese de doutorado. Instituto Oswaldo Cruz. Fundação Oswaldo Cruz. 160 p. 2008.

CAVALCANTI. L. A. Efeitos de uma intervenção em escolares do ensino fundamental I, para a promoção de hábitos alimentares saudáveis. Dissertação de Mestrado. Universidade Católica de Brasília. 92p. 2009.

COELHO. R. et al. Excesso de peso e obesidade: Prevenção na escola. Acta Med Port. 21(4): 341-344.

COSTA. R. Artigo publicado pela revista ISTOÉ. n. 2140; 17/11/2010.

DE LAVOR, A. Alimentação no Brasil: Um padrão bem pouco saudável. RADIS Comunicação em Saúde. Rio de Janeiro. n. 56, abril, p.18-24, 2007.

EMBRAPA (ARROZ E FEIJÃO). http://enpaf.embrapa. br/ parperfeito/feijão/composição.htm. Acesso em 13/12/2010.

FELICE. M. M. et al. Análise do lanche escolar consumido por adolescentes. Saúde Revista. Piracicaba. 9 (22): 7 -14, 2007.

FLÁVIO. E. F. et al. Avaliação química e aceitação da merenda escolar de uma escola estadual de Lavras- MG. Ciências Agrotécnicas, Lavras, v. 28, n. 4, p. 840-847, jul./ago., 2004.

JUNQUEIRA, E. O Triunfo do Hambúrguer. Revista Época, São Paulo, p. 54-60, 24 de abril de 2000.

LEVY-COSTA, R.B., et al. Disponibilidade de alimentos no Brasil: distribuição e evolução (1974-2003). Revista Saúde Publica. 39(4):530-40. 2005.

OCHSENHOFER, K. et al. O papel da escola na formação da escolha alimentar: merenda escolar ou cantina? Nutrire: ver. Soc.Bras. Alim. Nutr. J.Brazilian Soc. Food. Nutr., São Paulo, SP,v.31,n.1,p.1-16,abr. 2006.

PIPITONE, M. A. P. et al. Atuação dos conselhos municipais de alimentação escolar na gestão do programa nacional de alimentação escolar. Revista de Nutrição, v.16, n.2, p.143-154, jun. 2003.

SALGADO, J. M. Ensine seu filho a comer corretamente. São Paulo. Disponível em: Acesso em: 21 jan.2011. 2007.

SILVA. B. P. & NEUTZLING. M. Freqüência de consumo de frutas e hortaliças em escolares adolescentes do município de Pelotas - RS. XVI Congresso de Iniciação Científica. Universidade Federal de Pelotas – RS. 2007.

SPINELLI, M. A. S. & CANESQUI, A. M. Descentralização do programa de alimentação escolar em Cuiabá: 1993-1996. Revista de Nutrição. Campinas, 17(2): 151-165, abr/jun.2004.

STURION, G. L. e cols. Fatores condicionantes da adesão dos alunos ao Programa de Alimentação Escolar no Brasil. Revista de Nutrição. Campinas 18 (2): 167- 181, mar./abr., 2005.

TADDEI, J. A. Epidemiologia da Obesidade na Infância. In. Fisberg, M. Obesidade na Infância e na Adolescência. Fundação by K. São Paulo. 1995.

TADDEI, J. A. et al. Stunting wasting obesity trends in under five Brasilian children. The FASEB Journal, p. A342, 1998.

TORAL, N. et al. Comportamento alimentar de adolescentes em relação ao consumo de frutas e verduras. Revista de Nutrição. Campinas, 19(3): 331-340 maio/jun. 2006.

TORAL, N.; SLATER, B.; DA SILVA, M. V. Consumo alimentar e excesso de peso de adolescentes de Piracicaba, Revista de Nutrição. Campinas, 20(5): 449- 459, set./out., 2007.

TORRES, M. L. O compromisso social das escolas públicas com as novas tecnologias da comunicação e da informação. Revista Tecnologia Educacional, Ano XXXI, n. 161/162, Abr/03-Set/03.

UNICEF – Fundo das Nações para a Infância. Focusing Resources on Effective School Health: a FRESH Start to Improving the Quality and Equity of Education. Relatório final do Fórum Mundial de Educação. Senegal, 2000. Disponível em: . Acesso em: 20/01/2011.

VIUNISKI, N. Obesidade em adultos, um desafio pediátrico? Nutrição Brasil. Ano XIII n.74. p.9-10. set/ out. 2005.

ZANCUL, M. S. & DUTRA DE OLIVEIRA, J. E. Considerações sobre Ações Atuais de Educação Alimentar e Nutricional para Adolescentes. Alim. Nutr.,




DOI: https://doi.org/10.25119/praxis-3-5-972

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Praxis

Campus Três Poços - Av. Paulo Erlei A. Abrantes, 1325 - Três Poços
Prédio 3 - Sala 2 (Casarão)
Volta Redonda - RJ - CEP: 27240-560
Tel.: (24) 3340-8400 – Ramal: 8350

Indexado em: