Análise parasitológica da alface lisa (Lactuca sativa) comercializada na cidade de Volta Redonda, estado do Rio de Janeiro, Brasil

Autores

  • R. M. Costa UniFOA – Centro Universitário de Volta Redonda
  • A. S. Neves UniFOA – Centro Universitário de Volta Redonda
  • D. R. Alves UniFOA – Centro Universitário de Volta Redonda

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v6.n2%20Esp.2272

Palavras-chave:

Lactuca sativa, análise parasitológica, parasitoses

Resumo

 

A alface lisa (Lactuca sativa) tem sido um dos vegetais de maior consumo atualmente. Como qualquer hortaliça, ela também pode ser fonte de contaminação por parasitos, principalmente por ser consumida in natura, o que leva a ressaltar a importância de higienizá-la corretamente. O presente trabalho teve como objetivo realizar uma análise parasitológica qualitativa da alface lisa (Lactuca sativa), avaliando os índices de contaminação por parasitos nas amostras coletadas no município de Volta Redonda. Para a realização do estudo foram analisados exemplares de alface lisa provenientes de feira livre, de mercados de pequeno porte (quitandas) e hipermercados. As amostras foram coletadas sem contato manual direto, acondicionadas em sacos plásticos individuais e identificadas. Foi utilizado o método de sedimentação espontânea de Hoffman, Pons & Janer (HPJ) modificado. Para a realização das análises foram desprezadas as folhas estragadas, e posteriormente as amostras foram lavadas em recipiente individual, contendo 1,250 litros de água destilada. A superfície das folhas foi esfregada, permanecendo em repouso por 20 minutos dentro do recipiente. Logo após, desprezou-se as folhas e o líquido foi filtrado por meio de filtro parasitológico e recolhido em um frasco cônico. O filtrado permaneceu em repouso por aproximadamente 24 horas e em seguida o sedimento foi coletado, para a realização da pesquisa de formas de parasitos, transferido para exame em lâminas com lugol e posteriormente a identificação em microscópio. Até o momento foram analisadas 96 amostras de alface lisa, sendo 53 provenientes das quitandas, 28 das feiras livres e 15 dos hipermercados. Do total de amostras examinadas 28% estavam contaminadas por parasitos. O índice de contaminação foi de 59,26% da quitanda, 29,63% da feira e 11,11% do hipermercado. Foram identificados os seguintes parasitos: larvas e ovos de ancilostomídeos, ovos de Ascaris lumbricoides, cisto de Entamoeba sp. e ovos de Taenia sp.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

08/17/2018

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>