Avaliação da prevalência de extensões anteriores dos seios maxilares por meio de tomografia computadorizada por feixe cônico

Autores

  • R. M. Caetano UniFOA - Centro Universitário de Volta Redonda
  • A. Gasparini UniFOA - Centro Universitário de Volta Redonda
  • J. C. Jogaib UniFOA - Centro Universitário de Volta Redonda

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v6.n2%20Esp.2283

Palavras-chave:

seio maxilar, tomografia computadorizada por feixe cônico, extensão anterior

Resumo

O seio maxilar é o maior dos seios paranasais, apresenta-se como uma cavidade preenchida por ar, que se comunica com a fossa nasal através do óstio sinusal maxilar. Varia em relação à forma e ao tamanho, em indivíduos diferentes, podendo apresentar variações entre os lados direito e esquerdo, em um mesmo indivíduo. O seio maxilar pode ocupar toda a maxila com expansões em todas as direções. A tomografia computadorizada por feixe cônico permite uma localização precisa dos seios maxilares, importante na avaliação prévia para instalação de implantes ósseo integrados. O objetivo desta pesquisa foi avaliar a prevalência da extensão anterior dos seios maxilares em pacientes de ambos os gêneros e diferentes faixas etárias, por meio da tomografia computadorizada por feixe cônico. A amostra foi composta por 200 tomografias computadorizadas por feixe cônico, com intervalo etário de 13 a 84 anos, 116 pertencentes ao gênero feminino e 84 ao masculino, totalizando 400 seios maxilares avaliados. Na amostra em estudo, a prevalência da extensão anterior do seio maxilar avaliada por tomografia computadorizada por feixe cônico foi de 15% dos exames. Dos seios maxilares com extensão anterior, 96% se estendiam a região de caninos e 4% a região de incisivos laterais. Não houve correlação com o gênero, nem com a idade, de acordo com teste estatístico de Qui-quadrado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

17-08-2018

Como Citar

CAETANO, R. M.; GASPARINI, A.; JOGAIB, J. C. Avaliação da prevalência de extensões anteriores dos seios maxilares por meio de tomografia computadorizada por feixe cônico. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, v. 6, n. 2esp, p. 40, 2018. DOI: 10.47385/cadunifoa.v6.n2 Esp.2283. Disponível em: https://revistas.unifoa.edu.br/cadernos/article/view/2283. Acesso em: 23 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.