Aspectos Econômicos do Brasil Independente

Autores

  • Agamêmnom Rocha Souza

DOI:

https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v1.n2.851

Resumo

A economia colonial brasileira, que perduraria até a República, de há muito se revelar a superior à da Metrópole, mas pelos erros dessa, não conseguira submergir ao fluxo do capital estrangeiro, cuja prioridade, desde a dinastia bragantina, estava com os interesses ingleses, que nunca permitiram a nossa industrialização, e aqui encontraram operoso mercado para seus produtos, de baixo preço, dado às vantagens fiscais e excelente qualidade. O volume comercial aumentou muito pela mudança de hábitos da população, após a instalação da Corte portuguesa, no Rio de Janeiro. Contribuindo para o nosso atraso, a escravidão, que alimento uma grande classe rural, porém prejudicou o aperfeiçoamento e desenvolvimento de uma elite comercial somando-se o fato de que os métodos portugueses eram monopolistas de estado, não dando vez à iniciativa particular; por isso o estrangeiro encontrou, no Brasil, campo vasto para expandir seu comércio, em detrimento dos interesses nacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AFFONSO, Almiro. Grupos de pressão e suas repercussões na economia nacional. São Paulo: APEC, 1970.

AVELAR, Hélio de Alcântara. História administrativa econômica do Brasil. Rio de Janeiro: FENAME, 1970.

BARBOSA, Waldemar de Almeida. A Câmara dos Deputados como fator de unidade nacional. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1977.

COSTA, Bolívar. O drama da classe média. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

DAEMON, Dalton. Reflexões a economia brasileira. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1982. (Col. Gen. Benício, pub. 523, vol. 204).

DOBB, Maurice. A evolução do capitalismo. 7. ed./Studies in the Development of Capitalism/Trad. Manuel do Rego Braga. Rio de Janeiro: Zahar, 1980.

FURTADO, Celso. O Brasil pós-“milagre”. 6. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

GALBRAITH, John Kenneth. A era da incerteza.Trad. F.R. Nickelsen Pellegrini. São Paulo: Pioneira, 1980.

GALBRAITH, John Kenneth. O novo estado industrial. Trad. Leônidas Contijo de Carvalho. São Paulo: Pioneira, 1977.

GAMA, Aníbal. Libertação do Brasil do jugo lusitano. Rio de Janeiro: Biblioteca Militar, 1946.

GOMES, Carlos de Oliveira. A solidão segundo Solano Lopes. São Paulo: Círculo do Livro, 1982.

GUIMARÃES, Alberto Passos. Quatro séculos de latifúndio. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1968.

KERSTENETZKY, Isaac. A mudança do papel do Governo na economia. In: Painéis internacionais sobre desenvolvimento socioeconômico. Rio de Janeiro: APEC/BNDE, 1974.

LIMA, Hélio da Silva. Crônica de intervalos. Rio de Janeiro: AAFBB, 1980. LOBO, Roberto Haddock. História econômica geral e do Brasil. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1973.

MAGALHÃES, Francisco de B. B. de. História econômica. 7. ed. São Paulo: Sugestões Literárias, 1981.

MATHIAS, Herculano Gomes et alii. História do Brasil. Rio de Janeiro: Bloch, 1976.

MATTOS, Carlos Meira. A geopolítica e as projeções do poder. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1977.

PEREIRA, Luiz Carlos Bresser. Empresários e administradores no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1974.

SALDANHA, Nelson. O pensamento político do Brasil. Rio de Janeiro: Forense, 1979.

SMITH, Adam. Riqueza das Nações. Trad. Teodora Cardoso e Luís Cristóvão de Aguiar. Lisboa: Fundação Caloustre Gulbekian, 1981.

SODRÉ, Nelson Werneck. Formação histórica do Brasil. 10. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

VIDOR, George. O Brasil nasceu endividado, mas sempre pagou aos credores. O Globo, Rio de Janeiro, 24 out. 1982. Cãs. Ec., p. 40, c.1-2-3-4-5-6.

Downloads

Publicado

23-03-2017

Como Citar

SOUZA, Agamêmnom Rocha. Aspectos Econômicos do Brasil Independente. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, v. 1, n. 2, p. 43–62, 2017. DOI: 10.47385/cadunifoa.v1.n2.851. Disponível em: https://revistas.unifoa.edu.br/cadernos/article/view/851. Acesso em: 24 maio. 2024.

Edição

Seção

Ciências Sociais Aplicadas e Humanas