Estudo comparativo do utilitarismo em livros didáticos do conteúdo de zoologia para o ensino básico.

Autores

  • Hugo José Coelho Correa Azevedo Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
  • Sílvia Arcanjo Carlos Ribeiro Universidade Federal de Itajubá

Palavras-chave:

Utilitarismo, ensino de zoologia, livro didático

Resumo

Resumo– A visão utilitarista, abordagem a qual pode objetivar os organismos como máquinas e fontes de utilidade humana pode ser nociva a interação natural entre o homem e os outros organismos. O utilitarismo animal é decorrente da falta de empatia do ser humano perante os demais animais não humanos. Tal abordagem de pensamento permeia pelo ensino básico das mais diversas formas, como em imagens ou até mesmo palavras impressas nas páginas do livro didático. Mediante este cenário, conceitos como o filo platyhelminthes vetor de doenças, peixes sendo abordados em seu ponto de vista alimentício e insetos como seres que picam e causadores de repúdio são introduzidos no cotidiano dos alunos em ambientes formais ou não de ensino. A partir deste ponto de vista crítico, estipulou-se como objetivo uma análise comparativa temporal entre livros didáticos que já foram circulados nas escolas públicas com a finalidade de analisar como tal abordagem está se infiltrando nas escolas públicas brasileiras no conteúdo de zoologia no ensino médio.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hugo José Coelho Correa Azevedo, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Mestrando em Ciências Biológicas

Sílvia Arcanjo Carlos Ribeiro, Universidade Federal de Itajubá

Graduanda em ciências biológicas-Licenciatura

Referências

Referências

AMORIM, D. S. et al. Diversidade biológica e evolução: uma nova concepção para o ensino de zoologia e botânica no 2º grau. In: BARBIERI, M. R. (orgs.). A construção do conhecimento do professor: uma experiência de parceria entre professores do Ensino Fundamental e Médio da Rede Pública e a Universidade. Ribeirão Preto: Holos /FAPESP, 2001. p. 41-49.

AZEVEDO, H. J. C.C et al. O uso de coleções zoológicas como ferramenta didática no ensino superior: um relato de caso. Revista práxis, v. 4, n. 7, 2012.

AZEVEDO, H.J.C.C. O ensino de zoologia no ensino médio: uma análise das principais abordagens presentes em livros didáticos de escolas públicas da cidade de itajubá. Trabalho final de graduação. Universidade Federal de Itajubá. Itajubá.2016.

BEN, D.S. Bicho útil x bicho inútil: o antropocentrismo no ensino de zoologia na educação básica – implicações ambientais. 2007.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro, 1996.

CASTILHO, J.Cet al. Nós, a escola e o planeta dos animais úteis e nocivos.Ciência & Ensino (ISSN 1980-8631) 2.1 (2008).

EKATERINA, A. B. R. Ética na experimentação animal.Fiocruz,2002.

FARIAS, J. Get al.Comportamento animal no ensino de biologia: possibilidades e alternativas a partir da análise de livros didáticos de ensino médio.Revista Electrónica de Enseñanza de LasCiencias 11 (2): 365–84. 2012.

KRASILCHIK, M. Prática de Ensino de Biologia. São Paulo. Editora da Universidade de São Paulo.2005.

RENATO, Cet al: Antropocentrismo pedagógico e naturalização da exploração ambiental no ensino de ciências (brasil, 1960-1970) pedagogicalanthropocentrismandnaturalizationof environmental exploration in science teaching.Revista eletrônica do mestrado em educação ambiental, Revista PPGEA/FURG-RS. ISSN15171256, 2015.

ROCHA, A.L.F. et al. A possibilidade de uma abordagem crítica no ensino de zoologia: das situações-limite à práxis pedagógica. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina, 2013.

SANTOS, S. C. S.et al. Analogias em livros didáticos de biologia no ensino de zoologia. Investigações Em Ensino de Ciências 15 (3): 591–603. 2011.

SILVA, C. A. E BELLINI, L. M. Descobrindo o Antropocentrismo: A visão de animais em Jovens escolarizados e profissionais na área biológica. 2000. Disponível em: http://www.ige.unicamp.br/ojs/index.php/cienciaeensino/article/viewDownloadInterstitial/176 /136 (acessado em:1872017)

SÔNIA, T.F ,ANTROPOCENTRISMO, SENCIENTISMO E BIOCENTRISMO perspectivas éticas abolicionistas, bem estatistas e conservadoras e o estatuto de animais não humanos. Revista páginas de filosofia V.1 n.1. 2009.

THOMAS, K. O homem e o mundo natural. Mudanças de atitudes em relação às plantas e aos animais (1500-1800). São Paulo: Companhia das letras, 1988.

Downloads

Publicado

12-01-2023

Edição

Seção

Artigos