ATIVIDADES PRÁTICAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS E MATEMÁTICA

Autores

  • Rogerio dos Santos Carneiro Universidade Federal do Tocantins - UFT
  • Regina Mota Brilhante Tribunal Regional do Trabalho (TRT10)
  • Raylson dos Santos Carneiro Universidade Federal do Tocantins (UFT)
  • Kattia Ferreira da Silva Universidade de Gurupi (UNIRG) e Secretaria Municipal de Educação de Gurupi.

DOI:

https://doi.org/10.47385/praxis.v13.n25.2953

Palavras-chave:

Ensino. Atividades Práticas. Ciências Naturais. Matemática. Aprendizagem.

Resumo

Este artigo tem o objetivo de abordar, por meio de uma pesquisa bibliográfica, o ensino e a aprendizagem de ciências naturais e matemática, da educação básica, por meio de atividades práticas de campo voltadas para o cotidiano do aluno. Quando se fala em deficiências na educação científica, logo se remete à ausência de aulas experimentais na Educação Básica, de modo que as atividades práticas investigativas são vistas, na atualidade, como sinônimo de inovação no ensino. Nesse sentido, deve-se dialogar com os referenciais teóricos da educação em ciência e matemática, que discutem as tendências, mitos e concepções sobre a natureza das ciências presentes nas diversas modalidades de atividades práticas, assim como os tipos de interatividade que tais atividades propiciam, mostrando ao aluno a importância das referidas disciplinas em sua vida futura. Pois há indicativos teóricos que os professores que relacionam, em suas aulas, os conteúdos estudados com questões de aplicações voltadas para o cotidiano dos alunos, diminuem as dificuldades existentes nesse estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rogerio dos Santos Carneiro, Universidade Federal do Tocantins - UFT

Doutor em Educação em Ciências e Matemática pelo Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGECEM) da Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática (REAMEC), Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT); Mestre em Educação Matemática, pela Universidade Severino Sombra (USS); Graduado em Licenciatura Plena em Matemática, pela Universidade Estadual de Goiás (UEG); possui Pós-Graduação Lato Sensu em Metodologia de Ensino e Pesquisa na Educação Matemática e Física, pela Faculdade Católica de Anápolis; Pós-Graduação Lato Sensu em Educação em Direitos Humanos, pela Universidade Federal do Tocantins (UFT), e Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia de Produção, pela Universidade Cândido Mendes (UCAM). Integrante do Grupo de Pesquisa de História da Educação Matemática no Brasil (GHEMAT-Brasil). Professor Efetivo da Universidade Federal do Tocantins - UFT, curso de Licenciatura em Matemática do Câmpus de Araguaína. Atua nas áreas: Educação Matemática; História da Educação Matemática; Matemática; Educação e Física.

Regina Mota Brilhante, Tribunal Regional do Trabalho (TRT10)

Possui graduação em Bacharelado em Direito, pela Faculdade Integrada de Ensino Superior de Colinas (FIESC); Licenciatura em Letras - Português e Inglês, pela Faculdade Integrada de Araguatins (FAIARA); Pós-Graduação Lato Sensu em Direito do Trabalho, pela Universidade Cândido Mendes (UCAM); e Pós-Graduação Lato Sensu em Educação em Direitos Humanos, pela Universidade Federal do Tocantins (UFT). Foi professora de Língua Inglesa no Centro Educacional de Colinas e na Unidade FISK de Colinas do Tocantins. Iniciou no serviço público a partir de dezembro de 2014, na função de Assistente Administrativo da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Tocantins. Atualmente é Advogada, licenciada, e Assistente Jurídico no Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região - 1ª Vara de Araguaína/TO. Tem experiência na área de Direito (Trabalho; Constitucional; Administrativo; Previdenciário e Civil) e no Ensino da Língua Inglesa.

Raylson dos Santos Carneiro, Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Mestre em Matemática pela Universidade Federal do Tocantins (UFT). Possui Licenciatura Plena em Matemática, pela Universidade Estadual de Goiás (UEG); Pós-Graduação Lato Sensu em Metodologia de Ensino e Pesquisa na Educação Matemática e Física, pela Faculdade Católica de Anápolis. Professor Efetivo da Universidade Federal do Tocantins - UFT.

Kattia Ferreira da Silva, Universidade de Gurupi (UNIRG) e Secretaria Municipal de Educação de Gurupi.

Mestre em Matemática pela Universidade Federal do Tocantins (UFT). Possui Licenciatura Plena em Matemática, pela Universidade Estadual de Goiás (UEG); Pós-Graduação Lato Sensu em Metodologia de Ensino e Pesquisa na Educação Matemática e Física, pela Faculdade Católica de Anápolis. Professor Efetivo da Universidade de Gurupi - UNIRG, e da Rede Municipal de Ensino de Gurupi.

Referências

AGOSTINI, V. W.; DELIZOICOV, N. C. A experimentação didática no ensino fundamental: impasses e desafios. In. Anais do Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 7. 2009, Florianópolis: ABRAPEC, 2009.

ANDRADE, M. L. F.; MASSABNI, V. G. O desenvolvimento de atividades práticas na escola: um desafio para os professores de ciências. In. Ciência & Educação (Bauru) [online]. 2011, vol.17, n.4, pp.835-854. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-73132011000400005&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 06 de setembro de 2018.

ARAÚJO, Dayane Holanda de Sousa- A Importância da Experimentação no Ensino da Biologia. Universidade de Brasília Curso de Licenciatura Em Biologia. Ano de 2011.

BARRETO FILHO, B. Atividades práticas na 8ª série do Ensino Fundamental: luz numa abordagem regionalizada. 128f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Ciências Naturais. Brasília: MEC /SEF, 1998. 138 p.

BRASIL. Secretaria de educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC, 1999.

CACHAPUZ, A.; PRAIA, J.; JORGE, M. Da educação em ciência às orientações para o ensino das ciências: um repensar epistemológico. Ciência e Educação, Bauru, vol.10, n.3, p. 363-381, 2004.

CAMPANÁRIO, J. M.; MOYA, A. ¿Cómo enseñar ciencias? Principales tendencias y propuestas. Enseñanza de las Ciencias, Barcelona, v. 17, n. 2, p. 179-192, 1999

D’AMBROSIO, U. Educação Matemática: da Teoria à Prática. Papirus. Campinas. São Paulo. 2003

DANTE, L. R. Didática da Resolução de Problemas da Matemática. São Paulo: Ática, 1996.

KRASILCHIK, M. Prática de ensino de biologia. 4. ed. São Paulo: EDUSP, 2004.

LOPES, Josiane. Afinal o que é o Construtivismo? NOVA ESCOLA. Ano XI nº 95, 1996.

MELLO, J. R. Desenvolvimento de atividades práticas experimentais no ensino de biologia: um estudo de caso. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) Universidade de Brasília - UNB, 2010.

PAIS, L. C. Didática da Matemática: uma análise da influência francesa. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

PAVANELLO, R. M. O abandono do ensino de Geometria: uma visão histórica. (Dissertação em Educação), Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1989.

PERIUS, A.; HERMEL, E. do E. S.; KUPSKE, C. As concepções de experimentação nos trabalhos apresentados nos encontros nacionais de ensino de biologia (2005-2012). In: Anais do Encontro Regional Sul de Ensino de Biologia (EREBIO-SUL), 6., 2013, Santo Ângelo. Santo Ângelo: SBEnBio, 2013

TOKARNIA, M. Graduação em química, física, matemática e ciências biológicas tem queda em 2012. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-09-18/graduacao-em-quimica-fisica-matematica-e-ciencias-biologicas-tem-queda-em-2012. Acesso em 10 de setembro de 2018.

Downloads

Publicado

2021-06-24

Edição

Seção

Artigos