TECER A VIDA EM TEMPOS DE PANDEMIA: NARRATIVAS E APRENDIZAGENS DE JOVENS UNIVERSITÁRIOS CAMPONESES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47385/praxis.v13.n25.3484

Palavras-chave:

Juventude camponesa, Educação do Campo, Pandemia do Covid-19, Permanência Universitária

Resumo

 

RESUMO

Este artigo intenciona promover reflexões sobre vivências e aprendizagens de jovens estudantes da Licenciatura em Educação do Campo (UFRB), no período da pandemia da Covid-19. Nesse sentido, buscou-se discutir quais estratégias são utilizadas pelos jovens na construção de condições para produzir a vida em tempos de pandemia, identificando implicações econômicas, sócio/culturais e políticas nos modos de ser e resistir, que já se apresentam como características destes estudantes. O texto emerge como uma das ações do projeto“Entre desafios e aprendizagens: repercussões da pandemia para a vida de jovens da Educação do Campo-CETENS/UFRB”, vinculado ao grupo de pesquisa Educação e Diversidade (GEPED/UFRB). Ratificando a crença de que entendemos como relevante a valorização das falas dos jovens, no sentido de compreendermos seus anseios, dilemas e modos de existir e resistir, validamos as narrativas dos jovens universitários a partir de um viés metodológico (auto)biográfico, de escuta e acolhimento. Para isso, foram realizadas rodas de conversas e entrevistas narrativas em ambiente virtual com estudantes integrantes do projeto, em um movimento de escuta sensível para o que dizem, de modo a nos dar subsídios de enfrentamento das questões da permanência na Universidade, no período pós-pandemia. A partir da pesquisa desenvolvida, algumas conclusões apontam para a riqueza das aprendizagens construídas pelos jovens no enfrentamento das adversidades provocadas pela pandemia e revelam a necessidade de novos estudos que valorizem os estudantes como produtores de conhecimentos em suas vivências cotidianas, permitindo-nos repensar as experiências pedagógicas e as estratégias de permanência destes jovens na Universidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Idalina Souza Mascarenhas Borghi, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia/UFRB

Doutora e Mestre em Educação pela Universidade Federal da Bahia/UFBA, professora adjunta do Centro de Ciência e Tecnologia em Energia e Sustentabilidade da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia-UFRB, professora do programa de pós-graduação em Educação Científica inclusão e Diversidade, Lider do grupo de estudos e pesquisa em Educação e Diversidade-GPE, E-mail: ismborghi@ufrb.edu.br

Nanci Rodrigues Orrico, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia/ UFRB

Doutoranda em Educação e Contemporaneidade pela universidade do Estado da Bahia(UNEB), Mestra em Educação e Contemporaneidade (UNEB). Professora Assistente do Centro de Ciência e Tecnologia em Energia e Sustentabilidade da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. E-mail: nanciorrico@ufrb.edu.br

Maricleide Pereira de Lima Mendes

Doutora em Ensino de Ciência pela Ufba/Uefs, Professora adjunta do Centro de Ciência e Tecnologia em Energia e Sustentabilidade da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. e-mail: maricleide.mendes@ufrb.edu.br

Referências

BOURDIEU, Pierre (Org.). A miséria do mundo. 6ª ed. Trad.Mateus S. S. Azevedo, Jaime A. Clasen et al. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

BORGHI, Idalina S. Mascarenhas. Uma Margem Outra: itinerâncias de jovens das classes populares na educação superior. Tese de doutorado – Faculdade de Educação, UFBA, Salvador, 2013.

CARRANO, PAULO. Os múltiplos “eus” dos adolescentes:juventudes, as identidades são múltiplas. Século XXI, Rio de Janeiro: Portal Multirio, 2007. Capturado em 02/04/2013. Disponível em http://portalmultirio.rio.rj.gov.br/sec21/chave_artigo.asp?cod_artigo=1086.

CHARLOT, Bernard (org.) Os jovens e o saber: perspectivas mundiais, trad. fátimamurad. - Porto Alegre: Artmed, 2001.

CALDART, Roseli Salete. Concepção de Educação do Campo. In. MOLINA, Mônica Castagna; Martins Fátima Almeida [orgs.]. FORMAÇÃO DE FORMADORES:Reflexões sobre as experiências da Licenciatura em Educação do Campo no Brasil.1. ed. - Belo Horizonte, MG: Autêntica Editora, 2019, p.55-75.

DAYRELL, Juarez. A juventude no Brasil. Serviço Social da Indústria (SESI), n. 30, p. 25- 39, dez. 1999. Capturado em 30/03/2013. Disponível em http://www.cmjbh.com.br/arq_Artigos/SESI%20JUVENTUDE%20NO%20BRASIL.pdf.

DELORY-MOMBERGER. Christine. Biografia e Educação: figuras do indivíduo-projeto. Tradução e revisão científica: Maria da Conceição Passeggi, João Gomes da Silva Neto, LuisPasseggi. – 2ª ed. – Natal/RN: EDUFRN, 2014.

GOMES, Nilma Lino. A questão racial e o novo coronavírus no Brasil. Trabalho e Justiça Social. Junho/2020. Disponível em: http://library.fes.de/pdf-files/bueros/brasilien/16315.pdf. Acesso em 05/07/2020.

KAMMSETZER, Christiane Silveira e PALOMBINI, Analice de Lima.Território e Subjetividade: narrativas de jovens em uma remoção urbana. Fractal, Rev. Psicol. 2017, vol.29, n.3, pp.280-287. ISSN 1984-0292. http://dx.doi.org/10.22409/1984-0292/v29i3/1427. Acesso em 30/06/2019.

LEMINSKI, Paulo. Toda Poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

NOGUEIRA, Fábio. Governo Temer como restauração colonialista. Le Monde Diplomatique Brasil, Rio de Janeiro, p. 4-5, 9 jan. 2017.

PAIS, José Machado. Culturas Juvenis. 2ª ed. Lisboa: Imprensa Nacional, Casa da Moeda, 2003.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A Cruel Pedagogia do Vírus. Coimbra: Edições Almeida S. A, 2020.

Downloads

Publicado

2021-06-24

Edição

Seção

Artigos