O FILME COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO DA METODOLOGIA DA PESQUISA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Flávia Coelho Ribeiro Mendonça, Selma Majerowicz, Marco Antonio Costa

Resumo


Foi realizado um estudo descritivo, de base qualitativa, que teve como objetivo analisar percepções de alunos de um curso técnico de Análises Clínicas sobre a identificação e associação de elementos presentes no filme “O Enigma da Pirâmide”, com o conteúdo ministrado na disciplina de Metodologia da Pesquisa, a fim de contribuir para o desenvolvimento do trabalho de conclusão de curso (TCC). Os resultados obtidos apontaram que a estratégia lúdica implementada, se apresentou potencialmente importante para a facilitação do processo de aprendizagem dessa disciplina.

 


Palavras-chave


Estratégias lúdicas; ensino médio; construção do conhecimento

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, M. D. M.; GIRASOLE, M.; ZANELLA, P. G. (2013) O uso do cinema como estratégia pedagógica para o ensino de Ciências e de Biologia: o que pensam alguns professores da região metropolitana de Belo Horizonte. Revista Práxis, ano V, nº 10.

BRENDIM, M.P.; REZENDE, L.; SILVA, A. (2007). Entre a informação e a motivação: uma análise de vídeos educativos para prevenção e detecção precoce do câncer de cabeça e pescoço. In: VI Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Ciências, 2007, Florianópolis. Atas do VI ENPEC.

CABRERA, W.B. (2006). A Ludicidade para o Ensino Médio na disciplina de Biologia: Contribuições ao Processo de Aprendizagem em conformidade com os pressupostos teóricos da Aprendizagem Significativa. Dissertação de Mestrado em Ensino em Ciências e Educação Matemática. Universidade Estadual de Londrina.

CAIXETA, A.F.C.; MARTINS, L.M.A. ; BARROS, M.D.M. (2010). O cinema na sala de aula: a construção de um guia do educador para o filme Eu Christiane F., treze anos, drogada e prostituída. In: V Encontro Regional de Ensino de Biologia, 2010, Vitória. Resumos do V Encontro Regional, Vitória.

COSTA, E.C.P.; BARROS, D.M. (2014). Luz, câmera, ação: o uso de filmes como estratégia para o ensino de Ciências e Biologia. Revista Práxis, ano VI,| n. 11.

COSTA, M.A.F; COSTA, M.F.B. (2015). Projeto de Pesquisa: entenda e faça. 6. Edição. Petrópolis: Ed. Vozes.

COSTA, M.A.F.; COSTA, M.F.B.; ANDRADE, V.A. (2014). Caminhos (e descaminhos) dos objetivos em dissertações e teses: um olhar voltado para a coerência metodológica. Revista Práxis, v. 6, n. 11.

DA SILVA, P. S. M.; Viana, M. N.; Carneiro, S. N. V. (2001). O desenvolvimento da adolescência na teoria de Piaget. Disponível em: Acesso em: 10 Outubro 2013.

DANTAS, A.L. (2007). O cinema como ferramenta pedagógica no Ensino Médio. Faculdade Pitágoras de Londrina (Curso de Jornalismo).

FARIA, A.C.M.; BIZERRIL, M.X.A.; GASTAL, M.L.A.; ANDRADE, M.M. (2015). A ciência que a gente vê no cinema”: uma intervenção escolar sobre o papel da ciência no cotidiano. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 15, n.3.

FREITAS, C.B.D. (2006). O sistema de avaliação da ética em pesquisa no Brasil: estudo dos conhecimentos e práticas de lideranças de comitês de ética em pesquisa [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo/Faculdade de Medicina.

GOMES-MALUF, M.C.; SOUZA, A.R. (2008). A ficção científica e o ensino de ciências: o imaginário como formador do real e do racional. Ciência e Educação (UNESP. Impresso), v. 14, p. 271-282.

KING, K. P. (1999). The Motion Picture in Science Education: ‘‘One Hundred Percent Efficiency’’. Journal of Science Education and Technology, v. 8, n. 3, p.211-216, jun.

MENDONÇA, J.R.C.; GUIMARÃES, F.P. (2008). Do quadro aos “quadros”: o uso de filmes como recurso didático no ensino de administração. Cadernos EBAP, Número Especial, p.1-21.

NAPOLITANO, M. (2005). Como usar o cinema em sala de aula. 2º ed. São Paulo: Contexto.

PIETROCOLA, M. (2004). Curiosidade e Imaginação – os caminhos do conhecimento nas Ciências, nas Artes e no Ensino. In: CARVALHO, P. Ensino de ciências: unindo a pesquisa e a prática. Thomsom, São Paulo.

QUINQUER, D. (1998). Estrategias de enseñanza: los modelos interactivos. En Benejam, P. y Pagés, J. (Coord.) y Otros. Enseñar y aprender Ciencias Sociales, Geografía e Historia en la Educación Secundaria. Barcelona : Ed. Horsori.

PRIETO, M,N.; LORDA, M.A. (2011). Los problemas sociales o temas de controvérsia social em la ensenanza de la Geografia: aportes para su aplicación em el aula. Revista Geográfica de América Central, Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica, pp. 1-18.

RESENDE, L.A.; STRUCHINER, M. (2009). Uma Proposta Pedagógica para Produção e Utilização de Materiais Audiovisuais no Ensino de Ciências: análise de um vídeo sobre entomologia. ALEXANDRIA, Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v.2, n.1, p.45-66.

ROHLING, J. H.; NEVES, M.; SAVI, A.; SAKAI, F.; RANIERO, L.; BERNABE, H. (2002). Produção de Filmes Didáticos de Curta-Metragem e CD-ROMs para o Ensino de Física. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 24, n. 2, p.168-175.

SCHVARZMAN, S. (2004). Humberto Mauro e as Imagens do Brasil. São Paulo: Unesp.

SIBILIA, P. (2012). Redes e Paredes: A escola em tempo de dispersão. Tradução Vera Ribeiro. Rio de Janeiro, editora Contraponto.

WERMELINGER, M.; MACHADO, M.H.; TAVARES, M.F.L.; OLIVEIRA, E.S.; MOYSÉS, N.M.N. (2010). A Força de Trabalho do Setor de Saúde no Brasil: Focalizando a Feminização. Revista Divulgação em Saúde para Debate, n.45, p.54-70.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Praxis

Campus Três Poços - Av. Paulo Erlei A. Abrantes, 1325 - Três Poços
Prédio 3 - Sala 2 (Casarão)
Volta Redonda - RJ - CEP: 27240-560
Tel.: (24) 3340-8400 – Ramal: 8350

Indexado em: