FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE: ABORDAGEM CURRICULAR DE UM CURSO DE FISIOTERAPIA

Josiane Moreira Germano, Patrícia Fernanda Sandrini, Adriana Regina de Jesus

Resumo


A mudança do modelo de saúde somado à alteração do perfil epidemiológico no Brasil fez com que a formação profissional fosse alvo de estudos devido à insuficiência do padrão de formação no acolhimento das demandas da saúde pública. Desta forma, os objetivos deste artigo são: discorrer sobre a formação profissional em Fisioterapia na perspectiva do paradigma sanitário e apresentar a análise do Projeto Político Pedagógico de um curso de Fisioterapia e suas repercussões na formação profissional de fisioterapeutas egressos. Trata-se de um estudo de análise documental de caráter qualitativo, com levantamento bibliográfico de artigos em bases de dados como: Scielo e Lilacs, além de outros manuscritos, sem restrição de ano buscou-se embasamento para a construção do texto, artigos relacionados à formação profissional em saúde, currículo em fisioterapia e diretrizes curriculares nacionais em saúde. Com esta pesquisa foi possível perceber que a fisioterapia nasce de uma perspectiva exclusivamente reabilitadora onde o foco de formação está voltado ao cuidado hospitalar e clínico. A análise do Projeto Político Pedagógico  possibilita  perceber que apesar de três readequações curriculares dos eixos de conhecimento, o curso apresenta características majoritariamente biológicas e instrumentais. O currículo segue uma vertente tradicionalista onde as disciplinas são organizadas de modo linear e por séries, dificultando a integração disciplinar. Para contemplar a necessidade do modelo de saúde vigente percebe-se a necessidade de direcionar a formação para aspectos mais humanos, onde o curso tem o desafio de reorientar o currículo aproximando-o das necessidades reais do paradigma sanitário. 


Palavras-chave


Formação Profissional; Currículo; Fisioterapia.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, Raphael Augusto Teixeira de. A construção internacional do conceito de atenção primária à saúde (APS) e sua influência na emergência e consolidação do sistema único de saúde no Brasil. 136f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2003. Disponível em:

http://hdl.handle.net/1843/ECJS-76RHW7. Acesso em: 10 jan.2017.

ARAÚJO, Dolores Gonçalves Borges. Contribuição para a humanização da educação médica: o diário de campo como instrumento de avaliação qualitativa. Dissertação (Mestrado em Medicina e Saúde). Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005.

BISPO JUNIOR, José Patrício. Formação em fisioterapia no Brasil: reflexões sobre a expansão do ensino e os modelos de formação. História Ciência e Saúde – Manguinhos, vol.16, n.3, p.655- 668, 2009. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702009000300005 . Acesso em: 10 jan. 2017.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari Knopp. Qualitative research for education. In: LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1982.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES n° 8/2007. Dispõe sobre carga horária mínima e procedimentos relativos à integralização e duração dos cursos de graduação, bacharelados, na modalidade presencial. Diário Oficial da União. 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne. Acesso em: 20 jan. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. A educação permanente entra na roda: polos de educação permanente em saúde: conceitos e caminhos a percorrer. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2005. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/educacao_permanente_entra_na_roda.pdf. Acesso em: 10 jan, 2017.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em fisioterapia. In: Almeida, Márcio. Diretrizes curriculares nacionais para os cursos universitários da área de saúde. Londrina: Rede Unida. p.30-36, 2003.

BRASIL. Conselho Federal de Educação. Resolução 4. Parecer CNE/CES 583. Fixa os mínimos de conteúdos e duração dos cursos de fisioterapia e terapia ocupacional. Diário Oficial da União, Brasília, 4 de abril de 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES0108.pdf. Acesso em: 20 jan. 2017.

BRASIL. Conselho Federal de Educação. Resolução 4. Fixa os mínimos de conteúdos e duração dos cursos de fisioterapia e terapia ocupacional, 1983. Disponível em: http://www.prolei.inep.gov.br/pesquisar.do;jsessionid= A05389F814EE4C24BA 603F755C800E7D?codThesaurus=37179. Acesso em: 10 jan.2017.

BRASIL. Decreto-lei 938 de 13 de outubro de 1969. Provê sobre as profissões de fisioterapeuta e terapeuta ocupacional e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, n.197, seção 1, p.3658. 16 out. 1969. Disponível em: http://www.camara.gov.br/sileg/integras/789483.pdf. Acesso em: 17 jan. 2017.

CATANI, Afrânio Mendes; OLIVEIRA, João Ferreira; DOURADO, Luiz Fernandes. Política educacional, mudanças no mundo do trabalho e reforma curricular nos cursos de graduação no Brasil. Educação & Sociedade, Campinas, v.22, n.75, p.6783, 2001. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302001000200006. Acesso em: 10 jan. 2017.

CECCIM, Ricardo Burg; CARVALHO, Yara Maria. Ensino da saúde como projeto da integralidade: a educação dos profissionais de saúde no SUS. In: PINHEIRO, R.; CECCIM, R. B., MATTOS, R. A. (Org.). Ensinar Saúde: a integralidade e o SUS nos cursos de graduação na área da saúde. 2.ed. Rio de Janeiro: IMS/UERJ: CEPESQ: ABRASCO, 2006. p.69-92.

CERVO. Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcindo. Metodologia científica. São Paulo: Makron Books, 1996.

DA ROS, Marco Aurélio. Estilos de pensamento em saúde pública: um estudo da FSP-USP e ENSP-Fiocruz, entre 1948 e 1994, a partir da epistemologia de Ludwik Fleck. Florianópolis. 208fls. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, 2000. Disponível em: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/78913. Acesso em:12 jan.2017.

GONZÁLEZ, Alberto Durán; ALMEIDA, Marcio José de. Movimentos de mudança na formação em saúde: da medicina comunitária às diretrizes curriculares. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.20, n.2, p.551-570, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/physis/v20n2/a12v20n2.pdf. Acesso em: 14 jan.2017.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia científica. São Paulo: Atlas, 1987.

MARCO, Mario Alfredo de. Do Modelo Biomédico ao Modelo Biopsicossocial: Um Projeto de Educação Permanente. Revista Brasileira de Educação Médica. Rio de Janeiro, v.30, n.1, p. 60-67, 2006. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022006000100010. Acesso em: 10 jan. 2017.

MEHRY, Emerson Elias; MALTA, Deborah Carvalho; SANTOS, Fausto Pereira dos. Desafios para os gestores do SUS hoje: compreender os modelos de assistência à saúde no âmbito da reforma sanitáriabrasileira e a potência transformadora da gestão. In: FREESE Eduardo. Municípios: a gestão da mudança em saúde. Recife: UFPE; 2004. p. 45-76.

MOREIRA, Carlos Otávio Fiuza; DIAS, Maria Socorro de Araújo. Diretrizes curriculares na saúde e as mudanças nos modelos de saúde e de educação. ABCS Health Science. v. 40, n.3, p.300-305, 2015. Disponível em: https://www.portalnepas.org.br/abcshs/article/viewFile/811/706. Acesso em: 20 jan.2017.

PACHECO, José Augusto. Escritos Curriculares. São Paulo: Cortez, 2005. 176p.

PAGLIOSA, Fernando Luiz; DA ROS, Marco Aurélio. O relatório Flexner: para o bem e para o mal. Revista Brasileira de Educação Medica. vol.32, n.4, pp.492-499, 2008. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022008000400012. Acesso em 12 jan. 2017.

PAIM, Jairnilson Silva. Políticas de saúde no Brasil. In: ROUQUAYROL, Maria Zélia; ALMEIDA FILHO, Naomar (Org.). Epidemiologia & Saúde. 6. ed. Rio de Janeiro: Medsi, 2003. p.587-603.

PAIM, Jairnilson Silva. Saúde: política e reforma sanitária. Salvador: ISC. 2002.

PARENTE, José Reginaldo Feijão. Preceptoria e tutoria na residência multiprofissional em saúde da família. Sanare.v.7, n.2, p.47-53, 2008. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/31. Acesso em: 20 jan. 2017.

PEREIRA, Luciana Alves; ALMEIDA, Márcio. Fisioterapia. In: Fundação Oswaldo Cruz. Dinâmica das graduações em saúde no Brasil: subsídios para uma política de recursos humanos. Brasília: Ministério da Saúde. p.171-184, 2006.

PEREIRA, Ingrid D’avilla Freire. A formação profissional em saúde no Brasil pós-1988: aspectos das Conferências Nacionais de Saúde e das Políticas Públicas. 150 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública). Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de Janeiro, 2013.

PEREIRA, Thaís Thomé Seni Oliveira; BARROS, Monalisa Nascimento dos Santos; AUGUSTO, Maria Cecília Nobrega de Almeida. O Cuidado em Saúde: o Paradigma Biopsicossocial e a Subjetividade em Foco. Mental - ano IX - nº 17 p. 523-536, Barbacena-MG - jul./dez. 2011. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=42023679002. Acesso em:20 jan. 2017.

REZENDE, Mônica de. Avaliação da Inserção do Fisioterapeuta na Saúde da Família de Macaé/RJ: A Contribuição deste Profissional para a Acessibilidade da População Idosa às Ações de Saúde da Equipe. Um Estudo de Caso. 145 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública). Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2007. Disponpivel em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/4638. Acesso em 10 jan. 2017.

RODRIGUES, Raquel Miguel. A fisioterapia no contexto da política de saúde no Brasil: aproximações e desafios. Perspectivas Online. v.2, n.8, 2008. Disponível em: http://www.seer.perspectivasonline.com.br/index.php/revista_antiga/article/view/335/246. Acesso em:03 jan 2017.

ROSSONI, Eloá; LAMPERT, Jadete. Formação de profissionais para o Sistema Único de Saúde e as diretrizes curriculares. Boletim da Saúde. v.18, n.1, p.87-98, 2004. Disponível em: ttp://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/boletim_saude_v18n1.pdf#page=86. Acesso em: 03 jan. 2017.

SACRISTÁN, Gimeno. Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre, Penso, 2013, 542p.

SAKAI, Márcia Hiromi. Recursos Humanos em Saúde. In: ANDRADE, S.M.; SOARES, D.A.; CORDONI JR., L. Bases da Saúde Coletiva. Londrina: EdUEL, 2001. p. 111-124.

SANTOMÉ, Jurgo Torres. A organização relevante dos conteúdos nos currículos. IN: Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre: Ed. Artes Médicas Sul Ltda., 1998.

SANTOS, Adriana Regina de Jesus. Currículo e Educação: conceitos e questões no contexto educacional. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, n. 8, 2008. Curitiba – Paraná. Anais do VIII Congresso Internacional de Educação – EDUCERE Edição Internacional; Anais III Congresso Ibero Americano Sobre Violências nas Escolas – CIAVE. Curitiba: Champagnant, 2008. p. 2638-2651. Disponível em: http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2009/anais/pdf/3384_1596.pdf. Acesso em: 17jan.2017.

SILVA, Jaqueline Regina Kaik; SILVA, Alaine Sousa. Fisioterapia no Município de Bragança Paulista: Caracterização do Serviço e do Perfil Epidemiológico dos Pacientes em Lista de Espera. Trabalho de Conclusão de Curso. 2010. Universidade São Francisco. Bragança Paulista, 2010.

SUMIYA, Alberto. A Fisioterapia como prática híbrida, as mudanças do currículo e o perfil profissional. 248fls. 2014. Tese (Doutorado em Ciências da Motricidade) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Rio Claro, 2014. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/122130. Acesso em 22 jan. 2017.

UTIDA, Victor Hugo de Sousa; PAGANINI, Junyce; FAGUNDES, Rayne Ramos; AMARAL, Lívia Ellen França; OLIVEIRA, Valéria Rodrigues Costa. Estrutura Curricular dos Cursos de Fisioterapia do Estado de Goiás: Um destaque a saúde coletiva. Revista Movimenta. v. 5, n.4, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Praxis

Campus Três Poços - Av. Paulo Erlei A. Abrantes, 1325 - Três Poços
Prédio 3 - Sala 2 (Casarão)
Volta Redonda - RJ - CEP: 27240-560
Tel.: (24) 3340-8400 – Ramal: 8350

Indexado em: