PRODUÇÃO DE VÍDEOS COMO MATERIAL DIDÁTICO DE APOIO PARA APRENDIZAGEM EM SAÚDE DA MULHER: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Julio Cesar Soares Aragão, Gabriela de Azevedo Rosestolato Soares, Ian Xavier Paschoeto dos Santos, Marina Coelho de Souza, Renata Sydio de Souza

Resumo


Na sala de aula convencional, os alunos têm o contato com o conteúdo educacional apenas através das aulas centralizadas no professor e, posteriormente, com as lições de casa, evidenciando que os acadêmicos de medicina expressam uma forte apreciação pela metodologia ativa “Flipped Classroom”, que inclui diversas atividades preparatórias para o momento de sua aplicação em aula. Em meio às inovações tecnológicas e à inserção do indivíduo no mundo digital, essas atividades, facilitadas por ferramentas online, promovem aumento da interatividade, da absorção do conteúdo, um menor custo, uma excelente qualidade de ensino e uma maior autonomia do educando. Busca-se que o estudante de medicina consolide o conhecimento de saúde através do material didático, o qual será produzido, beneficiando futuramente o meio médico com profissionais humanizados e bem informados. O trabalho conta com a produção de vídeo aulas abordando o tema de saúde da mulher de acordo com o ciclo básico no Curso de Medicina. Esses vídeos foram produzidos pelos alunos do curso, dando atenção aos conteúdos de embriologia do aparelho reprodutor feminino e fisiologia do ciclo menstrual. O projeto inclui a criação e o planejamento, que definem o assunto abordado no vídeo, e a finalidade do projeto, que visou aprimorar o conhecimento do aluno, facilitando o processo de aprendizagem. Posteriormente, houve a criação do roteiro, que consiste em um resumo do conteúdo, baseado nos livros didáticos recomendados pelo corpo discente do Curso de Medicina do Centro Universitário de Volta Redonda, dos quais também foram retiradas imagens que pudessem auxiliar na produção. Tão importante quanto, foi a pré-produção, que define a função de cada um que participará da produção do material, como por exemplo, para quem estará designado o cargo de produtor, editor, narrador, capturador de vídeo e outras atividades que possam vir a serem necessárias. Em seguida, houve a etapa de edição e finalização, que contou com a organização do material e a junção das montagens em vídeos de cerca de dez minutos. O software utilizado para edição foi o iMovie, que pode ser encontrado para download na AppStore. Ao final da produção da vídeo-aula, o projeto foi publicado no YouTube.


Palavras-chave


Educação médica; Tecnologia da Informação; Saúde da Mulher.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAGÃO, J. Introdução aos estudos quantitativos utilizados em pesquisas científicas. Revista Práxis, v. 3, n. 6, 10 fev. 2013.

BOYACIYAN, K.; CAMANO, L. O perfil dos médicos denunciados que exercem ginecologia e obstetrícia no estado de São Paulo. Rev Assoc Med Bras, p. 4, 2006.

BRASIL. RESOLUÇÃO No 3, DE 20 DE JUNHO DE 2014. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. . 2014, p. 47.

BRIGHENTE, M. F.; MESQUIDA, P. Paulo Freire: da denúncia da educação bancária ao anúncio de uma pedagogia libertadora. Pro-Posições, v. 27, n. 1, p. 155–177, abr. 2016.

FARIAS, P. A. M. DE; MARTIN, A. L. DE A. R.; CRISTO, C. S. Aprendizagem Ativa na Educação em Saúde: Percurso Histórico e Aplicações. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 39, n. 1, p. 143–150, mar. 2015.

CARABETTA, V. J. Metodologia ativa na educação médica. Revista de Medicina, v. 95, n. 3, p. 113–121, 15 dez. 2016.

LAMPERT, J. Tendências de mudanças na formação médica no Brasil. 2. ed. São Paulo: Hucitec/Associação Brasileira de Educação Médica, 2009. v. 1

LAMPERT, J. B.; REGO, S.; ARAÚJO, J. G. C. Educação médica em transformação: instrumentos para a construção de novas realidades. [s.l.] Editora Hucitec, 2004.

LIMA, V. V. Espiral construtivista: uma metodologia ativa de ensino-aprendizagem. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v. 21, n. 61, p. 421–434, jun. 2017.

MITRE, S. M. et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência & Saúde Coletiva, v. 13, n. suppl 2, p. 2133–2144, dez. 2008.

PASSOS, F. V.; BARBOSA, T. R. C. G. Produção de material didático. Viçosa: Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância, 2012.

RAMNANAN, C. J.; POUND, L. D. Advances in medical education and practice: student perceptions of the flipped classroom. Advances in Medical Education and Practice, v. 8, p. 63–73, 13 jan. 2017.

RATTNER, D. Saúde da Mulher. In: DALLER, V. L. O.; MOREIRA, E. DE M. A. (Eds.). . Cooperativismo de gênero. Brasília/DF: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo, 2009.

SATO, M. A. V. [UNESP. Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação: explorando as possibilidades pedagógicas da produção de vídeos. 17 dez. 2015.

SOUSA, R. P. DE; MOITA, F. DA M. C. DA S. C.; CARVALHO, A. B. G. Tecnologias digitais na educação. [s.l.] EDUEPB, 2011.

VALENTE, J. A.; MORAN, J.; BACICH, L. A sala de aula invertida e a possibilidade do ensino personalizado: uma experiência com a graduação em midialogia. In: Metodologias ativas para uma educação inovadora. [s.l.] Penso, 2017. p. 19.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Praxis

Campus Três Poços - Av. Paulo Erlei A. Abrantes, 1325 - Três Poços
Prédio 3 - Sala 2 (Casarão)
Volta Redonda - RJ - CEP: 27240-560
Tel.: (24) 3340-8400 – Ramal: 8350

Indexado em: