Nature trails in the Atlantic Forest as a resource for teaching Botany

Cristiane Pimentel Victório, Luciano Tadeu

Resumo


The teaching of Botany is inserted in the context of Biological Sciences graduate courses. Among students, Botany is one of the areas with the greatest difficulty in learning. College students should be exposed to classes that treat the ecosystem as part of an integrated environmental education program. To examine this proposition, practical activities were carried out at Parque Estadual da Pedra Branca (PEPB) and at Parque Nacional da Tijuca, State Conservation Units of Rio de Janeiro, which represent part of the rich Brazilian biodiversity. More specifically, the present paper suggests that field classes along an ecological trail could be an invaluable pedagogical alternative toward increasing students’ interest in Botany. Here, we considered plant biodiversity, litterfall, ecological relationships, morphological features and plant physiology and secondary metabolites. After the ecological trail walk, we applied a questionnaire to get students’ impressions most of which were very favorable to the field classes as a didactic resource. Most students had the first contact with a Conservation Unit of Atlantic Forest through this practice, and learned botanical and environmental aspects in situ. Consequently, we can recommend that tracks can contribute to the teaching of Botany and to a multidisciplinary approach. Besides improving student engagement and the quality of the teaching-learning process.

Palavras-chave


Environmental education; Ecological track; Interpretative tracks; Teaching Botany; Conservation Unit

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Campos, R. F., & Filleto, F. (2011). Análise do perfil, da percepção ambiental e da qualidade da experiência dos visitantes da Serra do Cipó (MG). Revista Brasileira de Ecoturismo 4, 69-94.

Carvalho, J., & Bóçon, R. (2004). Planejamento do traçado de uma trilha interpretativa através da caracterização florística. Revista Floresta, 34, 23-32.

Firme, R. P., Vincenz, R. S., Macedo, G. V., Silva, I. M., & Oliveira, R. R. (2001). Estrutura da vegetação de um trecho de Mata Atlântica sobre solos rasos (Maciço da Pedra Branca, RJ.) Eugeniana, 25, 3-10.

Freitas, S. R., Neves, C. L., & Chernicharo, P. (2006). Tijuca National Park: two pioneering restorationist initiatives in Atlantic Forest in southeastern. Brazilian Journal of Biology, 66(4), 975-982.

Hershey, D. (2002). Plant blindness: we have met the enemy and he is us. Plant Science Bulletin, 48, 78-84.

INEA - Instituto Estadual do Ambiente. (2013). Trilhas: Parque Estadual da Pedra Branca. Rio de Janeiro: INEA.

Kinoshita, L. S., & Kinoshita, L. S. (2006). A Botânica no Ensino Básico: relatos de uma experiência transformadora. 1º Edição. São Carlos: RiMa.

Lazzari, G., Gonzatti, F., Maria Scopel, J. M., & Scur, L. (2017). Trilha ecológica: um recurso pedagógico no ensino da Botânica. Scientia cum Industria, 5(3), 161-167.

Lei n. 9.795, de 27 de abril de 1999 (1999). Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF.

Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000 (2000). Ministério do Meio Ambiente. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF.

Lima, R. A. F., de Souza, V. C., Dittrich, V. A. O., & Salino, A. (2012). Composição, diversidade e distribuição geográfica de plantas vasculares de uma Floresta Ombrófila Densa Atlântica do Sudeste do Brasil. Biota Neotropica, 12(1), 241-249.

Mallmann, I. T., Silva, V. L., Port, R. K., Oliveira, F. B., & Schmitt, J. L. (2019). Spatial distribution analysis of Dicksonia sellowiana Hook. in Araucaria forest fragments with different sizes. Brazilian Journal of Biology, 7(2), 337-344.

Maya, R. O. C. (1966). A Floresta da Tijuca. Rio de Janeiro: Editora Bloch.

MMA - Ministério do Meio Ambiente. (2006). Diretrizes para Visitação em Unidades de Conservação. Secretaria de Biodiversidade e Florestas. Brasília: Diretoria de Áreas Protegidas.

Neris, D. (2013). A importância das aulas práticas no ensino de botânica. Recuperado de http://biopedagogia.webnode.com.br/news/a-import%C3%A2ncia-de-aulas-praticas--no-ensino-de-bot%C3%A2nica/.

Oliveira, R. R. (2004). As marcas do Homem na Flores: História Ambiental de um trecho de Mata Atlântica. Rio de Janeiro: Editora PUC.

Pereira, E. S. (2010). Geodiversidade do Parque Estadual da Pedra Branca-RJ: subsídios para o planejamento geoturístico. (Dissertação de Mestrado em Geologia). Instituto de Geociências, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Rio de Janeiro.

Salatino, A., & Buckeridge, M. (2016). “Mas de que te serve saber botânica?” Estudos Avançados, 30(87), 177-96.

Silva, M. F. O., Andreata, R. H. P., & Guimarães, P. J. F. (2013). Melastomataceae no Parque Estadual da Pedra Branca, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Hoehnea, 40(4), 679-700.

Silva, J. R. S. (2013). Concepções dos professores de Botânica sobre ensino e formação dos professores. (Doutorada em Ciências, Botânica). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Stehmann, J. R., Forzza, R. C., Salino, A., Sobral, M., Costa, D. P., & Kamino, L. H. Y. (2009). Plantas da Floresta Atlântica. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Solórzano, A., Guedes-Bruni, R. R., & Oliveira, R. R. (2012). Flower composition and structure of na Atlantic Rain Forest Tract, with land use history of banana plantation at the Pedra Branca State Park, Rio de Janeiro, Brazil. Revista Árvore, 36(3), 451-462.

Ursi, S., Barbosa, P. P., Sano, P. T., & Berchez, F. A. S. (2018). Ensino de Botânica: conhecimento e encantamento na educação científica. Estudos Avançados, 32(94), 7-24.

Vilani, R. M., & Coelho, B. S. (2017). Ecoturismo no Parque Estadual da Pedra Branca, Rio de Janeiro, Brasil. Revista Turismo & Desenvolvimento, 27/28, 535-546.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Praxis

Campus Três Poços - Av. Paulo Erlei A. Abrantes, 1325 - Três Poços
Prédio 3 - Sala 2 (Casarão)
Volta Redonda - RJ - CEP: 27240-560
Tel.: (24) 3340-8400 – Ramal: 8350

Indexado em: