MUSEUS DE CIÊNCIAS EM TEMPOS DE PANDEMIA: UMA ANÁLISE NO INSTAGRAM DO MUSEU DA VIDA

Thatyana Pimentel Rodrigo de Freitas, Júlia Beatriz Andrade Silveira, Pedro Miguel Marques da Costa, Bruna Sarpa Miceli, Marcelo Borges Rocha

Resumo


Neste estudo foi realizada uma análise netnográfica no Instagram do Museu da Vida (MV) da FIOCRUZ, com o objetivo de investigar como o museu continuou realizando atividades educativas e de divulgação científica, apesar do fechamento devido à pandemia da Covid-19. Os dados coletados foram publicados na rede social, nos dois primeiros meses do período de isolamento social decretado pelo governo do estado do Rio de Janeiro. Houve um total de 96 postagens que se utilizaram de recursos textuais, imagéticos e audiovisuais, para divulgar vídeos com experimentos, informações sobre cientistas brasileiras negras, entre outros. O MV realizou sua primeira live durante a pandemia e convidou um biólogo para interagir com a sociedade sobre aspectos relacionados ao coronavírus e prestar esclarecimentos sobre fake news no contexto da pandemia. Portanto, apesar do fechamento, o museu deu prosseguimento às atividades educativas e de divulgação científica pelo Instagram, ampliando a visibilidade do museu para além de seu espaço físico.


Palavras-chave


Instagram; divulgação científica; museus de ciências; Covid-19; coronavírus

Texto completo:

PDF

Referências


BOYS, J.; BODDINGTON, A. Museums and higher education working together: Challenges and opportunities. Farnham: Ashgate, 2014.

BUDGE, K; BURNESS, A. Museum objects and Instagram: agency and communication in digital engagement. Continuum, v.32, n.2, p.137-150, 2018.

CAMPOS, G.E; COSTA, H. Caracterização dos perfis comerciais na rede social Instagram. V Brazilian Workshop on Social Network Analysis and Mining, Anais... SBC, p.55-66, 2019.

CONFORTO, D.; SANTAROSA, L. Acessibilidade à web: internet para todos. Informática na educação: teoria & prática, v. 5, no. 2 (2002).

CORRÊA, M.V.; ROZADOS, H.B.F. A netnografia como método de pesquisa em ciência da informação. Encontros Bibli, Santa Catarina, v. 22, n.49, p. 1-18, maio/ago., 2017. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2017v22n49p1. Acesso em: 08 maio 2020.

COUNTS, C. We Are Truly Getting Through This Together. Informal Learning Review. A Publication of Informal Learning Experiences. ILR Special Issue, 2020.

DECATUR, R. Reimagining. Informal Learning Review. A Publication of Informal Learning Experiences. ILR Special Issue, 2020.

DE LUCA, A. G; SANTOS, S. A; DEL PINO, J. C; PIZZATO, M. C. Na experimentação contextualizada e interdisciplinar: o papel dos questionamentos, da argumentação e da leitura. Scientia Naturalis, v.1, n.2, p.267-280, 2019.

DRUMM, M. Hands-On, Hands-Off, or Something New. Informal Learning Review. A Publication of Informal Learning Experiences. ILR Special Issue, 2020.

FRAGOSO, S., RECUERO, R., AMARAL, A. Abordagens etnográficas. Métodos de pesquisa para internet. Porto Alegre: Sulina, 2011. P.240

GABRIEL, M. Marketing na Era Digital: conceitos, plataformas e estratégias. São Paulo: Novatec Editora, 2010.

HINE, C. Estratégias para etnografia da internet em estudos de mídia. In: CAMPANELLA, B., BARROS, C. (org.) Etnografia e consumo midiático: novas tendências e desafios metodológicos. 1.ed. Rio de Janeiro: E-papers, 2016.

HU, Y; MANIKONDA, L; KAMBHAMPATI, S. What we instagram: a first analysis of instagram photo content and user types. Eighth International AAAI conference on weblogs and social media, 2014. Disponível em: https://www.aaai.org/ocs/index.php/ICWSM/ICWSM14/paper/ view/8118/8087. Acesso em: 5 jun. 2020.

JOLY, M. Introdução à análise da imagem.14 ed. Campinas: Papirus, 2012.

KOZINETS, R. V. The Field Behind the Screen: Using Netnography For Marketing Research in Online Communities, 2002. Disponível em: https://libraryh3lp.com/file/96kn8zcetdjxyt@web.libraryh3lp.com/1590100962640.pdf?t=6JiC63FRXXUJqTfZ9Ce8Me. Acesso em: 21 maio 2020.

KOZINETS, R. V. Netnografia: realizando pesquisa etnográfica online. Tradução: Daniel Bueno. Porto Alegre: Penso, 2014. VitalBook file.

LACERDA, G. H; RAIMBO, L. C. F. D. D. O jornalismo na era digital e as fake news. Cad. Letras UFF, v. 30, n. 59, p. 133-146, 2019.

MASSARANI, L.; CASTELFRANCHI, Y.; FAGUNDES, V.; MOREIRA, I.; MENDES, I. O que os jovens brasileiros pensam da ciência e da tecnologia? 2019. Disponível em: http://www.coc.fiocruz.br/images/PDF/Resumo%20executivo%20survey%20jovens_FINAL.pdf. Acesso em: 29 abr. 2020.

PSCHEIDT, C; LORENZETTI, L. Contribuições de um curso de formação continuada para a promoção da alfabetização científica de docentes no Museu da Terra e da Vida. Alexandria, v.13, n.1, p.155-180, 2020.

RECUERO, R. Curtir, compartilhar, comentar: trabalho de face, conversação e redes sociais no Facebook. Verso e Reverso, v. 28, n. 68, p. 114-124, maio/ago., 2014.

SHELDON, P; BRYANT, K. Instagram: Motives for its use and relationship to narcissism and contextual age. Computers in human Behavior, v.58, p.89-97, 2016.

SHU, K; SLIVA, A; WANG, S; TANG, J; LIU, H. Fake news detection on social media: a data mining perspective. ACM SIGKDD Explorations Newsletter, v.19, n.1, p.22-36, 2017.

SUESS, A. E. C. Art gallery visitors and Instagram. Masters diss., University of Arts, London, 2014. Disponível em: https://www.academia.edu/12086365/Art_Gallery_Visitors_and_Instagram. Acesso em: 30 de maio de 2020.

TEIXEIRA, A. C. P; MENDES, L. S; GODINHO, M. A. S; MÓL, A. P. A importância das aulas práticas no ensino-aprendizagem em ciências: um relato de experiência de bolsista do PIBID. Revista Educação, Meio Ambiente e Saúde, v.1, n.2, p.148-157, 2020.

WOLF, M. Teorias das Comunicações de Massa. São Paulo, Martins Fontes, 2005. 295p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Praxis

Campus Três Poços - Av. Paulo Erlei A. Abrantes, 1325 - Três Poços
Prédio 3 - Sala 2 (Casarão)
Volta Redonda - RJ - CEP: 27240-560
Tel.: (24) 3340-8400 – Ramal: 8350

Indexado em: