SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO: UMA COMPARAÇÃO ENTRE ALUNOS SURDOS E NÃO SURDOS

Victor Hugo de Oliveira Henrique, Alex Sandro Henrique de Jesus Freitas, Edna Lopes Hardoim

Resumo


Diferente dos alunos ouvintes, as dúvidas sobre sexualidade de alunos surdos não são esclarecidas em uma palestra e nem em sala de aula. Objetivando conhecer a concepção de sexualidade de alunos surdos e não surdos e saber como a expressam, foi realizada uma entrevista semi-estruturada usando recursos visuais, com os alunos do 3º Ano do EM do Programa EJA no CEAADA e  de uma Escola Municipal. Os dados evidenciam que o preservativo é o método contraceptivo mais utilizado por ambos os grupos entrevistados. Entre os alunos surdos não há um diálogo muito amplo sobre sexualidade com a família, diferente dos alunos surdos, a maioria respondeu que o diálogo é mais amplo com o parceiro/a. Quanto a realização de atividades na escola, entre os alunos surdos é unânime a necessidade de aulas de educação sexual, e entre os alunos não surdos, uma minoria foi contrária a ideia. Para a maioria dos alunos surdos a sexualidade está relacionada com o ato de fazer sexo, evidenciando a importância de atividades sobre a temática sexualidade, para esclarecer realmente o que compõe a sexualidade. Foi possível evidenciar que os surdos conseguem vivenciar sua sexualidade como qualquer outro indivíduo não surdo.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Praxis

Campus Três Poços - Av. Paulo Erlei A. Abrantes, 1325 - Três Poços
Prédio 3 - Sala 2 (Casarão)
Volta Redonda - RJ - CEP: 27240-560
Tel.: (24) 3340-8400 – Ramal: 8350

Indexado em: