Evolução histórica dos currículos no setor privado contribuindo para a identidade da Enfermagem (1981-2013)

MARGARETE Bernardo Tavares da Silva, Jandilene da Silva Mascarenhas, Dinair Leal Hora, Claudia Teresa Vieira de Souza

Resumo


As mudanças curriculares propostas pelo Ministério da Educação para os cursos da saúde impulsionaram as universidades de enfermagem a um processo de revisão e reformulação de cursos. Pensando nisso, o objetivo deste trabalho é analisar as mudanças curriculares do curso de Enfermagem responsáveis para a determinação do perfil do Enfermeiro egresso de uma Instituição privada no Rio de Janeiro, a Unigranrio. A partir de um estudo histórico-social, que lançou mão de uma análise documental, foram verificados nove currículos entre 1981 e 2013, dentre os quais os dois primeiros se apresentam tímidos no sentido de formação de um profissional envolvido com a transformação social. Após a instituição da LDB/96, a Unigranrio passou a oferecer 32% da carga horária destinada a disciplinas que contemplam o conceito ampliado de saúde e o “cuidar” do Enfermeiro em todos os campos de atuação, além das discussões transversais nas demais disciplinas, incluindo políticas públicas de saúde, que proporcionam ao aluno a perspectiva da organização do Sistema Único de Saúde (SUS). Concluiu-se que a instituição analisada não seguiu a vertente assistencialista, mas optou pela formação de profissionais para atuar com autonomia, fazendo a diferença nas comunidades, visando um perfil de Enfermeiro com base na subjetividade e criatividade capazes de transformar a realidade na qual a Enfermagem é necessária.

Palavras-chave


Ensino; História da Enfermagem; Currículo; Prática Profissional; Instituições de Ensino Superior (IES)

Texto completo:

PDF

Referências


AMÂNCIO FILHO A., VIEIRA A. L. S. Dinâmica das graduações em saúde no Brasil: subsídios para uma política de recursos humanos. Brasília: Ministério da Saúde/Fundação Oswaldo Cruz, 2006.

APPLE, M. W. Ideologia e Currículo. 3. ed. Tradução de Vinicius Figueira. Porto Alegre: Artmed, 2006.

ARAÚJO, F. F.; GONÇALVES, F. M.; ALMEIDA A. C. V; SIQUEIRA, A. S. A Enfermagem e a democratização do acesso à educação superior brasileira: desafios a serem enfrentados. Revista Rede de Cuidados em Saúde, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 1-17, 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2015.

BISCARDE, D. G. S.; PEREIRA-SANTOS, M.; SILVA, L. B. Formação em saúde, extensão universitária e Sistema Único de Saúde (SUS): conexões necessárias entre conhecimento e intervenção centradas na realidade e repercussões no processo formativo. Interface, Botucatu v. 18, n. 48, p. 177-186, 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2016.

BRASIL. Lei 9.493/1996 de 20 de dezembro de 1996. Emenda Constitucional n. 11 de 1996. Emenda Constitucional n. 14 de 1996. Lei 9.424 de 24 de dezembro de 1996. Senado Federal, Secretaria Especial de Editoração e Publicações, Subsecretaria de Edições Técnicas. Estabelece as leis de diretrizes e bases da educação nacional. Leis de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: DF, 1996. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Pró-Saúde – Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde. Objetivos, Implementação e Desenvolvimento Potencial. Brasília, 2007. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2016.

BRASIL. Portaria n. 1721 de 15 de dezembro de 1994. Dispõe sobre a formação do Enfermeiro, que será feita em curso de graduação e cumprirá os mínimos de conteúdo e de duração fixados pela presente portaria. Diário Oficial da União, 16 dez. 1994. Disponível em: . Acesso em: 18 jan 2016.

BRASIL. Resolução do CNE/CSE n. 03 de 07 de novembro de 2001. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para Enfermagem. Diário Oficial da União, Brasília, 3 abr. 2011. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/conselho-nacional-de-educacao/atos-normativos--sumulas-pareceres-e-resolucoes/323-secretarias-112877938/orgaos-vinculados-82187207/13193-resolucao-ces-2001>. Acesso em: 10 jan. 2016.

FERNANDES, J. D.; TEIXEIRA, G. A. S.; SILVA, M. G.; FLORÊNCIO R. M.; SILVA, R. M. O.; ROSA, D. O. S. Expansion of higher education in Brazil: increase in the number of Undergraduate Nursing courses. Expansion of higher education in Brazil: increase in the number of Undergraduate Nursing courses. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 21, n. 3, p. 670-678. mai./jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 13 mai. 2016.

LIMA, T. G. F.; BAPTIST, A. S. S. Circunstâncias de criação das escolas de Enfermagem do Estado do Rio de Janeiro. Rev. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 197-208, ago. 2000. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2016.

MELO, C. S.; MACHADO, M. C. G. Apontamentos de Álvaro Vieira pinto à reforma universitária no Brasil na década de 1960. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, v. 13, n. 53, p. 263-279, out. 2013. Disponível em: http://ojs.fe.unicamp.br/ged/histedbr/article/view/5923/4894>. Acesso em: 20 jan. 2016.

NEPOMUCENO, C.C., JERONYMO A.C.O., FERNANDES B.M., FREITAS S.C. Cuidar por meio da educação: a extensão universitária e a promoção da saúde de adolescentes e jovens. Em Extensão, Uberlândia, v. 12, n. 1, p. 150-158, jan./jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2016.

PADILHA, M. I. C. S.; BORENSTEIN, M. S.; SANTOS I. Enfermagem, história de uma profissão. São Caetano do Sul: Difusão editora, 2011.

PAULA, J. A. A extensão universitária: história, conceito e propostas. Interfaces - Revista de Extensão, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 5-23, jul./nov. 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2016.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. 6. ed. Tradução de Eni P. Orlandi. Campinas: Pontes Editores, 2012.

SÁ-SILVA, J. R.; ALMEIDA, C. D.; GUINDANI, J. F. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, São Leopoldo, v. 1, n. 1, p. 1-15, jul. 2009. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2016.

SILVA, M. G.; FERNANDES, J. D.; TEIXEIRA, G. A. S.; SILVA, R. M. O. Processo de formação da(o) Enfermeira(o) na contemporaneidade: desafios e perspectivas. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 19, n.1, p. 176-184, jan./mar. 2010. Disponível em: . Acesso em: 21 jan. 2016.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução as teorias do currículo. 3 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

STUTZ, B. L. As primeiras Escolas de Enfermagem e o desenvolvimento desta profissão no Brasil. Cadernos de História da Educação, Uberlândia, v. 9, n. 2, p. 347-362, jul./dez. 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2016.

UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO (UNIGRANRIO). Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem. Duque de Caxias: Escola de Ciências da Saúde, Curso de Enfermagem, 2004.

UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO (UNIGRANRIO). Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem. Duque de Caxias: Escola de Ciências da Saúde, Curso de Enfermagem, 2017.

UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO (UNIGRANRIO). Plano de Desenvolvimento Institucional – 2015-2019. Duque de Caxias: Comissão Própria de Avaliação, 2016. Disponível: http://www.unigranrio.com.br/_docs/cpa/pdi-2015-2019-v2.pdf Acesso em 13/06/2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Praxis

Campus Três Poços - Av. Paulo Erlei A. Abrantes, 1325 - Três Poços
Prédio 3 - Sala 2 (Casarão)
Volta Redonda - RJ - CEP: 27240-560
Tel.: (24) 3340-8400 – Ramal: 8350

Indexado em: